A mulher do viajante no tempo - Audrey Niffenegger

Sinopse: "A Mulher do Viajante no Tempo" conta a história do casal Henry e Clare. Quando os dois se conhecem Henry tem 28 anos e Clare, 20. Ele é um moderno bibliotecário; ela, uma linda estudante de arte. Os dois se apaixonam, se casam e passam a perseguir os objetivos comuns à maioria dos casais: filhos, bons amigos, um trabalho gratificante. Mas o seu casamento nunca poderá ser normal. Henry sofre de um distúrbio genético raro e de tempos em tempos, seu relógio biológico dá uma guinada para frente ou para trás e ele então é capaz de viajar no tempo, levado a momentos emocionalmente importantes de sua vida tanto no passado quanto no futuro. Causados por acontecimentos estressantes, os deslocamentos são imprevisíveis e Henry é incapaz de controlá-los. A cada viagem, ele tem uma idade diferente e precisa se readaptar mais uma vez à própria vida. E Clare, para quem o tempo passa normalmente, tem de aprender a conviver com a ausência de Henry e com o caráter inusitado de sua relação. Neste livro, a autora mostra com muita sensibilidade, inteligência e bom humor que o verdadeiro amor é capaz de transpor todas as barreiras - inclusive a mais implacável de todas: o tempo. (Skoob)
NIFFENEGGER, Audrey. A mulher do viajante no tempo. Suma de Letras, 2009. 456 p.


Imagine se sua vida não seguisse o mesmo tempo cronológico como acontece com todos os outros. E se você soubesse de algo que ainda acontecerá, porque simplesmente já viveu aquilo? Ou pior, descobrir que algo que está vivendo agora, na realidade já aconteceu há muito, muito tempo, para todos que você conhece? Confuso, não? Bem vindo à vida de Henry.

Henry é um viajante no tempo, e não tem controle sobre quando e aonde vai. Não sabe quanto tempo passará no lugar, nem quanto demorará para voltar à sua realidade. E isso é perigoso. Tudo o que leva em suas viagens é aquilo que nasceu com ele, e ele pode aparecer em qualquer lugar: no meio da rua, na mata, em uma avenida movimentada. Alguns lugares que marcaram momentos importantes de sua vida são alvos mais constantes de suas idas e vindas, como o campo na casa em que Clare viveu quando criança. Mas muitas vezes ele se vê perdido, nu e com fome.

Clare o conheceu aos 6 anos; ele, mesmo sendo apenas 8 anos mais velho, conheceu-a aos 28. E o destino deles, em qualquer época, já estava definido: eles se apaixonariam e se casariam. Quase como algo circular, presente, passado e futuro se mesclando e acontecendo ao mesmo tempo, o tempo todo.

"Consulto meu eu.
- Quer explicar?
- Estou cansado. Vá em frente.
Então explico. Explico o fato de eu ser um viajante do tempo, os aspectos práticos e genéticos disso. Explico como a coisa é mesmo um tipo de doença que não posso controlar. Explico sobre Kendrick, e como Clare e eu nos conhecemos, e tornamos a nos conhecer. Explico sobre eventos recorrentes, mecânica quântica, fótons e velocidade da luz. Explico sobre a sensação de viver fora das restrições do tempo que a maioria dos humanos está sujeita. Explico sobre as mentiras, o furto e o medo. Explico sobre a tentativa de ter uma vida normal." (p. 357)

Muitas histórias podem ter os requisitos mínimos para se tornarem nossas favoritas, mas A mulher do viajante no tempo, de Audrey Niffenegger, ultrapassa esses limites. Essa é uma daquelas histórias que incomodam, que ficam latejando na mente muito tempo depois de termos acabado, que deixam um rastro de angústia, desespero, mas também de felicidade. Porque não é possível se conformar que todo um destino esteja traçado daquela forma, sem outras alternativas; e ao mesmo tempo, é de se agradecer por ter sido como foi, até porque, se houvesse opção, seria exatamente igual.

Abordando dessa forma, pode até parecer que a narrativa seja confusa, mas está longe disso, é maravilhosamente bem delineada e hipnotizante. Audrey divide as passagens entre os pontos de vista do casal de protagonistas, permitindo conhecer um pouco mais profundamente o que se passa com cada um. O amor entre Henry e Clare se faz e refaz no tempo, e não foi uma ordem cronológica que impediu que isso acontecesse; pelo contrário, foi a incerteza e a desordem que mostrou que o que se sente de verdade é atemporal.

Não se pode dizer que a leitura do livro é indispensável, porque não aborda, à primeira vista, questões existenciais. Mas pode fazer pensar, questionar a vida e o destino. Poderia citar centenas de razões para não ler, e mais ainda para ler, mas apenas uma interessa: o amor verdadeiro, seja de pais, de amigos ou casais, está ali, em formas diferentes e encantadoras, simples assim.

- Mas o senhor não acha - insisto - que é melhor ser extremamente feliz por pouco tempo, mesmo que se perca essa felicidade, do que passar a vida inteira apenas bem? (p. 203)
Ju - Conjunto da Obra
Ju - Conjunto da Obra

Apaixonada pela leitura desde a infância, tantos livros lidos que é impossível quantificar. Alguém que vê os livros como uma forma de viajar o mundo e lugares mais incríveis que possam ser criados pela imaginação, sem precisar sair do lugar. Tem o blog como uma forma de dividir experiências e, principalmente, as emoções que as leituras despertaram, para compartilhar idéias e aproveitar sugestões de leitura, envolvendo mais e mais pessoas em um mundo onde a imaginação não tem limites.

20 comentários:

  1. eu nao sei se leria esse livro
    sei lá, fiquei meio na duvida
    mas gostei da resenha
    ^^

    ResponderExcluir
  2. Oie!
    Eu quero ler este livro faz tempo, ele parece ser incrível!
    Tem o filme dele né, acho que eu já assisti.

    Bjinhs*

    ResponderExcluir
  3. Oi, Ju!
    Tô sumido pq o tempo tá curto mesmo ): mas não esqueci de vc e do seu blog n viu? haha
    Olha, confesso que assisti ao filme e dormi antes de ele terminar, sério. E os meus amigos que viram até o final ficaram meio tipo CRIC CRIC haha
    Mas tem aquele lance do livro ser sempre melhor... O que eu espero com toda sinceridade.
    Acho o enredo bem legal, e essa capa é mt linda!
    bjos,
    Nicholas - Tudo por um livro.

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. Li algumas resenhas sobre esse livro e fiquei ainda mais encantada depois de ler a sua. A capa chama muito a atenção e adorei a dica.
    Resenha - Angelologia
    Passa lá!
    Manuscrito de Cabeceira
    Bjs.

    ResponderExcluir
  6. Li esse livro há uns dois anos, se não me engano, e demorei apenas dois dias para terminar. Esse é um daqueles livros que não me recordo muito bem do contexto e do final (mas nunca lembro finais de livros mesmo...) mas que ficou marcado na minha memória, porque eu sei que, de alguma forma, ele é especial.
    Amei a sua resenha :)
    Bjos.

    ResponderExcluir
  7. Já tinha visto muitas resenhas desse livro
    Mas ainda não tive oportunidade de ler
    E esta agora só me deu mais animo

    Beijos
    @pocketlibro
    http://www.pocketlibro.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  8. Oi Ju!
    Eu acho que é indispensável para todos que gostam de um bom romance :)
    Eu não li ainda, mas sou louca pra ler. Deve ser lindo, mesmo, e imagino que não seja confuso!
    Beijão!

    ResponderExcluir
  9. Oi Julia! Não precisa ser inédito para marcar, se um livro traz algo que nos faz pensar já conta muitos pontos positivos, eu fiquei muito interessada neste livro.
    Parabéns pela resenha.

    Bjos!!
    Cida
    Moonlight Books

    ResponderExcluir
  10. Oi Julia!
    Eu não li o livro, mas adoro o filme dele. Se o filme já é bom, imagino que o livro deve ser lindo! Quero ler também.

    Beijos,
    Sora - Meu Jardim de Livros

    ResponderExcluir
  11. Hey! Amor verdadeiro sempre me interessa e muito! Achei o enredo diferente, me interessei em ler sim <3

    Beijos ><

    ResponderExcluir
  12. Nahim....ti fofo! Euu sou apaixonada por essa trama. Vi o filme, mas pretendo ler o livro, assim que puder!
    Beijos!
    Paloma Viricio- Jornalismo na Alma

    ResponderExcluir
  13. Gosto desse tipo de tematica, me lembra Doctor Who ♥ parabéns pela resenha

    http://himi-tsu.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  14. Nossa, lendo os primeiros parágrafos da resenha, realmente a impressão é de que é confuso. Mas que bom que não é.
    Acho que vou ler, não sei, talvez. Ainda não me atraiu.
    Mas a sua resenha está muito bem escrita.
    Beijos;
    Leticia- ObsessionValley

    ResponderExcluir
  15. Oie...:a
    Não conhecia esse livro mais me parece ser bem legal!
    Parabéns pela resenha!
    Obg pela visita lá no blog!
    Tem resenha nova lá se vc quiser ir lá e deixar um coment...
    -fallen In Me
    Bjão

    ResponderExcluir
  16. Assisti umas partes do filme e me interessei bastante. Mas pelo que vi, a capa não é exatamente das melhores, né? Pra transmitir a essência e tal.

    ResponderExcluir
  17. Oi Julia, tudo bem?
    Gostei muito da sua resenha. Apesar de sempre que lia a sinopse desse livro me sentia um pouco confusa, mas parece ser uma espécia de confusão muito boa de se envolver.
    Abraços,
    Amanda Almeida

    ResponderExcluir
  18. Oie Ju
    sempre que leio as resenhas desse livro fico maluca por ele.
    Gosto quando a leitura hipnotiza e faz o leitor entrar para a história.Prefiro quando a autora explora tmb os dois pontos de vista, assim conhecemos mais a fundo os sentimentos dos personagens.
    só não curto essa capa rs
    bjs

    ResponderExcluir
  19. Oi Ju,
    Essa é a primeira resenha que leio do livro. Ele me conquistou de uma forma sem igual,apesar de não curtir muito a capa ela vai pra minha listinha :)
    Beijos

    Mari - Stories And Advice

    ResponderExcluir
  20. A história de Henry e Clare é de uma beleza incrível e o amor que eles sentem um pelo outro é tão lindo que chega a doer.
    Fiquei meio confusa em algumas partes enquanto acompanhava ele indo e voltando no tempo, mas no final tudo que eu não tinha entendido fez sentido.
    Lindo, lindo, lindo.

    Beijos
    Caline - Mundo de Papel

    ResponderExcluir

Agradeço muito sua visita e peço que participe do blog, deixando um recadinho. Opiniões, idéias, sugestões, são muito importantes para fazer o blog cada vez melhor!
Assim que possível, retribuirei a visita.

Beijos, Julia G.