Sangue Quente - Isaac Marion

      "- Olha - ela começa. - Sei que salvou minha vida lá na cidade. E sou muito grata por isso. [...] Mas você me trouxe paté este lugar e tenho certeza de que consegue me tirar daqui. Por isso vou perguntar de novo. Por que está me mantendo aqui?
     Os olhos dela são como ferro quente ao lado do meu rosto e percebo que não conseguirei escapar. Ponho uma mão no peito. No meu "coração". [...] Meus sentimentos parecem se originar de suas paredes geladas. Minha tristeza silenciosa, meus anseios vagos, e minhas raras centelhas de felicidade." (p. 57)
R era um zumbi. Ele não lembrava muita coisa de sua vida anterior e mesmo sua memória atual tinha restrições. Ele agia por seus novos instintos, mas tudo começou a mudar depois que R se alimentou do cérebro de Perry, já que as lembranças eram revividas por aqueles que se alimentavam dessa parte do corpo.

Julie, a namorada do garoto morto, não entendia por que R a levara para sua “casa” no aeroporto onde viviam outros zumbis e estava disposto a mantê-la segura. Ele não parecia como os outros – seus olhos, sua forma de se expressar... Poderia uma garota humana se apaixonar por um zumbi?

Não posso me dizer uma fã de histórias de zumbis – além de ter medo, quando se trata de terror, não me agradam muito as descrições sangrentas e coisas do tipo. Mas Sangue Quente, de Isaac Marion, parecia ter um enredo bem mais leve – e realmente tem. Para os fãs daquele gênero mais obscuro, esta leitura será um tormento; para os que não se importam com os ‘fru-frus” e páginas mais açucaradas, contudo, a história talvez agrade.

Particularmente, não achei a história tudo aquilo que se falava; mesmo assim, foi uma leitura rápida e interessante, com toda a situação pós-apocalíptica que o autor criou. Adoro histórias assim; gosto de imaginar novas situações extremas em que a sociedade precisa se colocar; mesmo que não deseje viver uma realidade assim, me deixa intrigada como nossos problemas e inquietações mais cotidianos deixam de ter importância quando o mundo que conhecemos não "existe" mais.

R é um personagem fofinho, mas acho que elaborar um casal com um zumbi é forçar um pouquinho demais. Além disso, os pensamentos em primeira pessoa e tão bem desenvolvidos de R no início do livro contradizem totalmente a idéia que se tenta passar, de alguém que não consegue formular um pensamento completo. Acho que o autor deveria ter desenvolvido esse raciocínio aos poucos, não criando essa discrepância entre o que é dito e a forma como é dito.

Deixando isso de lado e pensando na liberdade criativa, tudo bem, é aceitável. Julie é uma personagem mais desafiante que as protagonistas comuns, o que ajuda a gostar da história. Mas um ponto conseguiu me frustrar (mesmo que eu já soubesse que aconteceria dessa forma): a falta de explicações. Entendam, eu gosto dos porquês. Não saber os motivos do antes e do depois fizeram falta.

Quero deixar bem claro que esses pontos “negativos” se sobressaíram para mim, mas a obra é agradável e fácil de se envolver. A diagramação da Leya é bem feita e os desenhos anatômicos no início dos capítulos geralmente têm relação com o que acontecem em cada um deles (mesmo que eu não tenha conseguido identificar o que eram alguns deles). Encontrei um ou outro erro de digitação, e me incomodou o uso do coloquial “pra”, mas nada que realmente atrapalhasse. É uma história bonitinha e diferente, que pode agradar quem gosta do estilo.



Ju - Conjunto da Obra
Ju - Conjunto da Obra

Apaixonada pela leitura desde a infância, tantos livros lidos que é impossível quantificar. Alguém que vê os livros como uma forma de viajar o mundo e lugares mais incríveis que possam ser criados pela imaginação, sem precisar sair do lugar. Tem o blog como uma forma de dividir experiências e, principalmente, as emoções que as leituras despertaram, para compartilhar idéias e aproveitar sugestões de leitura, envolvendo mais e mais pessoas em um mundo onde a imaginação não tem limites.

20 comentários:

  1. Oi Julia =D
    Eu estava com muita vontade de ler esse livro mas, depois de ler algumas resenhas, e de ver o trailer do filme, fiquei um pouco desanimada.
    É bem bizarro, o zumbi come o cérebro do namorado da Julie e se apaixona por ela, e depois ela se apaixona por ele. wtf?
    Enfim, adorei a sua resenha. Não sei se ainda vou ler o livro, talvez, se conseguir comprar em promoção, aí sim. kkk

    Beijos

    -glowofthemoonlight-

    ResponderExcluir
  2. Esse é um livro que não tenho muita vontade de ler... acho que é porque eu estou tão acostumada aos zumbis tradicionais que me parece um absurdo acreditar que um deles seja diferente, se apaixone etc.

    Sua opinião sobre o livro acabou me convencendo ainda mais pois tambem me aborrecem as faltas de explicações (porques) nas histórias. Acho que vou deixar para assistir o filme mesmo =P

    teh mais

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é Miss, para quem não gosta de fru-frus, realmente não adianta.

      Excluir
  3. Só assisti o filme, que gostei bastante
    Mas achei que tinha algumas pontas soltas
    Mas ainda não tive oportunidade de ler

    Beijos
    @pocketlibro
    http://pocketlibro.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Não vi o filme ainda, mas tenho curiosidade.

      Excluir
  4. Não gostei muito da história, eu não leria esse livro :/
    Beijo,
    Nic

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ei Nic, se não faz seu estilo, melhor ler algo que você curta mais.

      Excluir
  5. De certa forma, não tenho vontade nenhuma de ler esse livro. Acho que foi por causa de um filme relacionado que lançou a pouco e não curto muito o lance de zumbis apaixonados rs

    - VITAMINA DE PIMENTA -

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, o filme foi baseado neste livro.

      Excluir
  6. Oie!

    No início eu estava louca para ler este livro, mas depois de ler algumas resenhas ele acabou não sendo minha prioridade.
    Mas ainda continuo curiosa para ler.

    Beijos*

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Nessa, eu estava na mesma. Acho que é um livro divertido de ler, mas nada que vá fazer diferença.

      Excluir
  7. Oi Ju!
    Eu ainda quero ler esse livro, apesar de você ter ficado no mais ou menos com ele.
    Acho a proposta interessante e eu espero que ela funcione pra mim!
    Beijão!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Mi, se você acha a proposta interessante, vale a pena a leitura. O livro é fofo.

      Excluir
  8. Nunca tinha ouvido falar sobre esse livro, e acredito que, se alguém me falou dele, passou despercebido. Porém não seria uma leitura que me agradaria...

    Beijos

    ResponderExcluir
  9. Oi Ju!
    É, eu te entendo bem. O R faz coisas que ele fala que os zumbis não podem fazer. Tipo: O QUE? Vamos com calma, né?!
    A ideia de uma humana e um zumbi juntos não me atrai também. :(
    Mas concordo com você que a diagramação tá linda. <3

    Um beijo,
    Luara - Estante Vertical

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é Lu, acho que nossas opiniões ficaram parecidas mesmo. rsrs

      Excluir
  10. Oi Júlia, eu tentei ler Sangue Quente principalmente depois do lançamento do filme, mas não deu. Na minha cabeça não entra um zumbi com sentimentos e reflexões e tudo mais. larguei a leitura nas primeiras páginas e estou tentando encontrar um motivo pra voltar. Se me dissessem que o filme era bom..., mas nem isso. Portanto ele continuará na prateleira, esquecido por mais algum tempo.

    Beijos
    Caline - Mundo de Papel

    ResponderExcluir
  11. esse é o problema de Sangue Quente. o autor não explica quase nada. chega dá uma agonia,é muito frustante. eu até gostei da trama,tipo,não sou fã em nada de zumbis,mas a história é interessante,e se por de trás daquele horror todo,relamente sobrasse algo de humano? o problema pra mim,foi a falta de explicações. no mais achei um livro legal. nem menciono o filme pq é só pra ter raiva. rsrs amei a resenha <33

    ResponderExcluir

Agradeço muito sua visita e peço que participe do blog, deixando um recadinho. Opiniões, idéias, sugestões, são muito importantes para fazer o blog cada vez melhor!
Assim que possível, retribuirei a visita.

Beijos, Julia G.