A sombra do vento - Carlos Ruiz Zafón

Sinopse: Tudo começa em Barcelona, em 1945. Daniel Sempere está completando 11 anos. Ao ver o filho triste por não conseguir mais se lembrar do rosto da mãe já morta, seu pai lhe dá um presente inesquecível: em uma madrugada fantasmagórica, leva-o a um misterioso lugar no coração do centro histórico da cidade, o Cemitério dos Livros Esquecidos. O lugar, conhecido de poucos barceloneses, é uma biblioteca secreta e labiríntica que funciona como depósito para obras abandonadas pelo mundo, à espera de que alguém as descubra. É lá que Daniel encontra um exemplar de "A Sombra do Vento", do também barcelonês Julián Carax. O livro desperta no jovem e sensível Daniel um enorme fascínio por aquele autor desconhecido e sua obra, que ele descobre ser vasta.
Obcecado, Daniel começa então uma busca pelos outros livros de Carax e, para sua surpresa, descobre que alguém vem queimando sistematicamente todos os exemplares de todos os livros que o autor já escreveu. Na verdade, o exemplar que Daniel tem em mãos pode ser o último existente. E ele logo irá entender que, se não descobrir a verdade sobre Julián Carax, ele e aqueles que ama poderão ter um destino terrível. (Skoob)

ZAFÓN, Carlos Ruiz. A Sombra do Vento. Rio de Janeiro: Suma de Letras, 2007. 400 p.


Um bom autor é aquele que consegue fazer o leitor mergulhar no enredo que construiu sem que nem perceba; é aquele que faz o leitor se ver, de repente, em um mundo que não é o seu, faz com que o leitor viva aquilo e se envolva com aquilo, por mais fantasioso que seja. Felizmente, hoje, estamos bem servidos de bons autores.

Porém, existem aqueles que conseguem ir além disso, os quais, além de conquistar seus leitores e inebriá-los com suas histórias, conseguem dar forma a uma linguagem somente sua e aguçar sentidos que jamais seriam afetados por qualquer leitura. E entre estes autores está Carlos Ruiz Zafón, autor de A Sombra do Vento. 

“ [...] Cada livro, cada volume que você lê, tem alma.
A alma de quem o escreveu, e a alma dos que o leram,
que viveram e sonharam com ele. Cada vez que um livro troca de mãos,
cada vez que alguém passa os olhos pelas suas páginas,
seu espírito cresce e a pessoa se fortalece.” (p. 9)

Conforme já comentado aqui, Marina, obra do mesmo autor, mostrava características inigualáveis e apaixonantes da escrita de Zafón. Em A Sombra do Vento, todos os aspectos positivos foram mantidos, ainda mais sobressalentes, junto a outros fatores que fizeram desta obra ainda melhor.

É encantador o fato de que, dentro de uma mesma história, o autor não se prende a gênero literário algum, ao tempo em que lança mão de todos os possíveis. Há romance, suspense, drama e mesmo passagens leves o suficiente para dar um toque de humor. E vai além: Zafón constrói um gênero literário todo seu.

Também sua linguagem é única e autêntica. Ainda que seja escrito em prosa, o livro parece aos olhos poesia, tão bonitas as formações de frases e utilização de palavras. São sinestesias, hipérbatos e várias outras figuras de linguagem que enriquecem a escrita e a tornam quase palpável.  

“Enterrado na luz de cobre que projetava o abajur, penetrei num mundo de imagens e sensações que jamais havia conhecido. Personagens que pareciam tão reais como o ar que respiramos arrastaram-me por um túnel de aventura e mistério do qual eu não podia escapar. Página por página, deixei-me levar pelo sortilégio da história e seu mundo, até que o hálito do amanhecer acariciou minha janela, e meus olhos cansados deslizaram pela última página. Estendi-me na penumbra azul da madrugada com o livro sobre o peito e escutei o som da cidade adormecida pingando sobre os telhados salpicados de púrpura. O sono e a fadiga queriam me derrubar, mas eu resistia a entregar-me. Não queria perder o encantamento da história nem dizer ainda adeus aos seus personagens.” (p. 11)

Diz-se que este livro de Zafón foi escrito visando a um público mais jovem. Pode ser: seus protagonistas são crianças e há um toque doce e infantil que conduz a história. Existem algumas surpresas no enredo, mas nada completamente inusitado ou sensacional. Porém, este fato não diminui a desenvoltura da obra mesmo aos olhos dos mais velhos, que se veem arrebatados pela leitura e até mais encantados de ver o mundo com um olhar que já não é o seu.

Ainda, cabe ressaltar que a leitura é mais densa do que demonstra ser e mais agradável àquele que quiser sair do conforto, que tem tempo e disposição para lhe dar a devida atenção. Como os outros livros do autor, deve see calmamente degustado, aproveitado, para que se perceba, de verdade, a beleza por trás das palavras.

“Os livros são espelhos: neles se vê o que possuímos dentro.” (p. 174)



Ju - Conjunto da Obra
Ju - Conjunto da Obra

Apaixonada pela leitura desde a infância, tantos livros lidos que é impossível quantificar. Alguém que vê os livros como uma forma de viajar o mundo e lugares mais incríveis que possam ser criados pela imaginação, sem precisar sair do lugar. Tem o blog como uma forma de dividir experiências e, principalmente, as emoções que as leituras despertaram, para compartilhar idéias e aproveitar sugestões de leitura, envolvendo mais e mais pessoas em um mundo onde a imaginação não tem limites.

9 comentários:

  1. Aii Julia... esse livro é tudo de bom! Amoooo! :D
    Beijos!

    ResponderExcluir
  2. me parece um livro gostoso, de uma ternura intensidade ímpar. o autor sabe mesmo conduzir um enredo sem deixar o livro cansativo. anotado a dica Ju, vou procurar ler o quanto antes!

    ResponderExcluir
  3. Nunca li nenhum livro do Carlos Ruiz, então não conheço a sua escrita, e depois de ler sua resenha, fiquei bem curiosa, adorei a sinopse, parece ser um livro com uma premissa bem legal, espero lê-lo assim que possível.

    ResponderExcluir
  4. Oie Ju =)

    Li apenas um livro do Zafón e fiquei apaixonada *-*
    Preciso ler esse logo, pois é um dos livros dele que mais desejo ler.

    Ótima resenha!

    Beijos e um ótimo final de semana;***

    Ane Reis.
    mydearlibrary | Livros, divagações e outras histórias...
    @mydearlibrary


    ResponderExcluir
  5. O livro parece ser ótimo, gosto muito desse estilo de escrita, fiquei bastante interessada em ler.

    ResponderExcluir
  6. Sempre tive curiosidade de ler os livros desse autor, sempre que leio uma resenha. :)
    Gosto dos títulos e amo resenha com quotes, os blogueiros sempre marcam ponto comigo qndo colocam quotes nas resenhas.
    Adorei a resenha. :)
    Resenha #163 - Os Segredos de Colin Bridgerton - Familia Bridgerton - Livro 04 - Julia Quinn.
    Confere lá!
    http://manuscritodecabeceira.blogspot.com.br
    Bjs.

    ResponderExcluir
  7. Oi, Ju!
    Gostei muuuuito de "Marina", é uma obra maravilhosa. Então imagine minha vontade imensa de conferir "A Sombra do Vento". Infelizmente nunca o acho em livrarias (como isso é possível???? :O). Realmente Zafón conseguiu criar um gênero literal somente seu <3

    Beijão

    ResponderExcluir
  8. Um tipo de leitura muito gostosa, que nos leva a
    ter vontade de ler o livro.
    Parabéns pela resenha muito bem feita.

    ResponderExcluir
  9. Eu já ouvi falar muito do autor, até tenho um livro dele que infelizmente ainda não li por falta de tempo. Mas eu espero que ele realmente faça jus a todas as críticas positivas que eu tenho ouvido, afinal, a maioria que já leu diz que suas histórias são envolventes e alucinantes, completamente viciantes.

    ResponderExcluir

Agradeço muito sua visita e peço que participe do blog, deixando um recadinho. Opiniões, idéias, sugestões, são muito importantes para fazer o blog cada vez melhor!
Assim que possível, retribuirei a visita.

Beijos, Julia G.