Caixa de Pássaros - Josh Malerman

Sinopse: Caixa de pássaros é um thriller psicológico tenso e aterrorizante, que explora a essência do medo. Uma história que vai deixar o leitor completamente sem fôlego mesmo depois de terminar de ler. Basta uma olhadela para desencadear um impulso violento e incontrolável que acabará em suicídio. Ninguém é imune e ninguém sabe o que provoca essa reação nas pessoas. Cinco anos depois do surto ter começado, restaram poucos sobreviventes, entre eles Malorie e dois filhos pequenos. Ela sonha em fugir para um local onde a família possa ficar em segurança, mas a viagem que tem pela frente é assustadora: uma decisão errada e eles morrerão. (Skoob)
MALERMAN, Josh. Caixa de Pássaros. Intrínseca, 2015. 272 p.


Um dos sentimentos mais frágeis do ser humano é a confiança. Ela demora para se conquistar e se perde pelo menor dos motivos. Normalmente, confiamos no que vemos, no que sabemos, no que sentimos, mas como confiar quando tudo isso é tirado de nós? Como confiar se precisamos manter nossos olhos fechados? 

Essa perda é a essência psicológica de Caixa de Pássaros. E ela é muito bem descrita e empregada na construção dos quarenta e três capítulos do livro. 

Apesar de ser sua primeira obra, Josh Malerman consegue transmitir a insegurança e o medo que Malorie, o Garoto e a Menina (cujos nomes só conhecemos no fim da história, e por uma boa razão), precisam enfrentar quando saem da segurança da casa, onde viveram nos últimos quatro anos, para seguirem a barco por um rio na direção do lugar que pode ser a salvação. E todo esse percurso terá que ser feito de olhos vendados. Isso, porque as criaturas que enlouquecem as pessoas só pela visão de sua presença, podem estar em qualquer lugar. 

A narrativa tem pulos entre o passado e o presente. Aos poucos, conhecemos como Malorie, seu filho e a filha de uma amiga, ambos com quatro anos de idade, chegaram até aquele ponto. 

"Sem que ela reme, o barco se move de novo. Ela segura um dos remos e se prepara para usá-lo como arma. Então ouve o barulho de algo entrando na água. A coisa de move. Parece estar mais longe. Malorie está tão ofegante que chega a engasgar. Ouve um ruído entre os galhos da margem à sua esquerda e imagina que a coisa tenha se arrastado até a costa. Ou talvez tenha andado. Será que uma criatura está parada ali? Analisando os galhos das árvores e a lama a seus pés?"

É particularmente triste, mas compreensível, como Malorie treina as duas crianças, desde que elas nascem, a fecharem os olhos e identificarem todos os ruídos e presenças ao redor. São quatro anos de treinamentos duros, mas necessários para que o plano de Malorie funcione. Ela espera por um dia frio, quando surgir uma neblina densa o suficiente para esconder os três no percurso da casa até o rio. 

Empregando frases curtas, muitos pontos finais e quebra de linhas, Malerman consegue trazer para o leitor a aflição que os personagens sentem quando saem da casa para pegar água em um poço, ou quando vão à procura de comida em supermercados abandonados, ou quando precisam abrir a porta da rua para alguém entrar. Isso porque em todos esses momentos, eles estão de olhos vendados. Quando abrem uma porta, não têm certeza se só entrou uma pessoa ou se alguma criatura veio junto com ela. E nesse momento, compreendemos perfeitamente o desespero que é ter que abrir os olhos depois que a porta se fecha. 

Embora a história seja simples, centrada apenas na rápida viagem de Malorie e as duas crianças, e intercalada com o que aconteceu na casa quatro anos antes, ela é eficiente naquilo a que se propõe. 

"Ele ouve o som de novo. Pela terceira vez.
Mas, agora, percebe de onde está vindo.
Está vindo de dentro do poço.
Felix solta a manivela e dá um passo para trás. O balde cai, batendo nas pedras, antes de mergulhar na água.
De repente ele sente frio, muito frio. Está tremendo."

O curioso é que, apesar dos responsáveis pelas loucuras das pessoas sejam criaturas, que em nenhum momento conhecemos sua aparência ou o motivo do que fazem e como fazem, o vilão mais cruel acaba sendo um dos personagens humanos que é imune. 

Por isso, o final de Caixa de Pássaros não me decepcionou. Eu já estava preparado para não obter respostas para a origem dessas criaturas, por que causam loucura nas pessoas, por que não atacam ninguém fisicamente, de onde vieram, o que pretendem, entre muitas outras. Ficou claro para mim que o importante da história não eram essas perguntas, mas sim o medo que sentimos quando perdemos aquilo que mais confiamos: nossa visão. E em como as pessoas podem ser terríveis quando se sentem com alguma vantagem.
Carlos H. Barros
Carlos H. Barros

Carlos tem várias paixões: livros, gibis (muitos gibis), filmes, séries e jogos (muitos jogos de PC e consoles), fotografia, natação, praia e qualquer chance de viajar para conhecer novos lugares e pessoas. Lamenta o dia ter apenas 24 horas - é muito pouco -, e não saber desenhar. Autor também do blog Gettub

6 comentários:

  1. Oi Carlos
    Achei o livro incrível, mas esperava pelas respostas no final, queria muito saber o que eram de fato as criaturas, mas isso não aconteceu.
    Te confesso que o final pra mim não foi o que esperava, achei que o autor deixou muitas coisas mal explicadas, mas ainda sim gostei muito do livro, ele prende a atenção.

    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Oi Carlos, tudo bem?
    Só de olhar pra essa capa já dá pra sentir a tensão do livro né?
    A premissa do livro é bem diferente de tudo que eu já li, por isso ele chamou bastante a minha atenção.
    Achei meio chato o autor não dar dicas do que essas criaturas possam ser, mas não temos respostas para tudo na vida né? Porque com os livros seria diferente rsrs
    Boas leituras!

    ResponderExcluir
  3. me pareceu um livro interessante e inteligente. lendo a resenha, é como se a gente já ficasse na tensão do que vai acontecer. achei muito legal o autor "esconder" os nomes dos filhos da protagonista, é bem instigante! acho que apesar de toda essa situação de tensão, medo, crueldade, Malorie é corajosa e tenta sair disso tudo. não sou uma grande fã de livros distópicos ou com um certo toque assim, mas esse eu quero ler, ele é bem diferente, gostei =)

    ResponderExcluir
  4. Gostei das sua impressões sobre o livro.
    Também não fiquei decepcionada com o final, mas queria saber o que causou tudo!

    Beijinhos
    Rizia - Livroterapias

    ResponderExcluir
  5. Olá Julia,

    Só leio resenhas positivas desse livro e a cada uma que leio fico mais curioso, espero ter a oportunidade de ler, parabéns pela resenha....bjs.

    devoradordeletras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  6. Oi Carlos

    Esse livro é fantástico e me deixou grudada páginas após páginas. Mas diferente de você o final para mim foi um problema. Eu sei bem o que o autor queria abordar, toda a questão psicológica do medo e de perder algo que é tão essencial para nós. Entretanto, concluir a história sem dar um desfecho a tudo me pareceu injusto com os leitores, foi por isso que eu esperei quase a leitura toda e não me conformo de ter chegado ao final sem uma explicação.

    Abraços
    Mundo de Papel

    ResponderExcluir

Agradeço muito sua visita e peço que participe do blog, deixando um recadinho. Opiniões, idéias, sugestões, são muito importantes para fazer o blog cada vez melhor!
Assim que possível, retribuirei a visita.

Beijos, Julia G.