Eu estive aqui - Gayle Forman

Sinopse: Quando sua melhor amiga, Meg, toma um frasco de veneno sozinha num quarto de motel, Cody fica chocada e arrasada. Ela e Meg compartilhavam tudo... Como podia não ter previsto aquilo, como não percebera nenhum sinal? A pedido dos pais de Meg, Cody viaja a Tacoma, onde a amiga fazia faculdade, para reunir seus pertences. Lá, acaba descobrindo muitas coisas que Meg não havia lhe contado. Conhece seus colegas de quarto, o tipo de pessoa com quem Cody nunca teria esbarrado em sua cidadezinha no fim do mundo. E conhece Ben McCallister, o guitarrista zombeteiro que se envolveu com Meg e tem os próprios segredos. Porém, sua maior descoberta ocorre quando recebe dos pais de Meg o notebook da melhor amiga. Vasculhando o computador, Cody dá de cara com um arquivo criptografado, impossível de abrir. Até que um colega nerd consegue desbloqueá-lo... e de repente tudo o que ela pensou que sabia sobre a morte de Meg é posto em dúvida. Eu estive aqui é Gayle Forman em sua melhor forma, uma história tensa, comovente e redentora que mostra que é possível seguir em frente mesmo diante de uma perda indescritível. (Skoob)

FORMAN, Gayle. Eu estive aqui. Arqueiro, 2015. 228 p.

Comprei Eu estive aqui por impulso. Estava na livraria Leitura de minha cidade para tomar o desjejum, uma vez que lá servem um chocolate quente delicioso, e vi na banca de lançamentos o livro de Gayle Forman. Como não havia lido nenhuma obra dela, mas havia gostado do filme Se eu ficar, revolvi conhecer o estilo da autora. Foi uma coincidência que o tema tratado por ela seja um complemento do tema da resenha de duas semanas atrás, Reencontro, de leila Kruger.

Em Reencontro, você acompanha o sofrimento da personagem principal ao combater a depressão. Em Eu estive aqui, você acompanha o outro lado, o lado de quem assiste uma pessoa próxima arruinar a vida sem entender o motivo por ela fazer isso. Ou seja, realmente é o complemento para o entendimento de uma doença moderna. Assim, o leitor fica com a percepção real de duas visões distintas e de como nos comportamos de forma confusa quando lidamos com a depressão.

Quando Meg comete suicídio, Cody, a personagem principal, não consegue compreender o motivo. A amiga era alegre, popular, inteligente, estava em uma boa faculdade, era paquerada e paquerava, ou seja, tinha uma vida plena, se não perfeita. A forma como ela faz, meticulosa, planejada, deixa Cody ainda mais perplexa. Cody era sua melhor amiga e não aceita o fato de ter ficado de fora do problema que poderia ter originado ato tão extremo. Ao acatar um pedido dos pais de Meg e buscar os pertences de Meg na faculdade, Cody descobre e-mails, um relacionamento com um cantor e outros detalhes que indicam que Meg pode ter sido obrigada, ou influenciada, a cometer suicídio. Por causa disso, Cody começa a buscar a verdade.


"Sinto a tentação de cheirar os lençóis. Se fizer isso, talvez seja suficiente para apagar tudo. Mas você só consegue prender a respiracão até certo ponto. Em algum momento, terei que soltar o cheiro dela; então, vai ser como aquelas manhãs, em que acordo e me esqueço antes mesmo de lembrar."

Eu estive aqui precisa ser analisado de dois pontos de vista distintos: como obra literária, ele é fraco, sem um enredo que cause interesse crescente ou personagens que cativem. O relacionamento de Cody com Ben, o cantor que se relacionou com Meg, é previsível e sem muito interesse. Os problemas familiares dela, também não tem qualquer novidade e, de certa forma, não interessam e nem influenciam em nada a história. Na verdade, tudo o que é narrado em paralelo à busca de Cody pela verdade, passa a sensação de que está lá para preencher páginas, mesmo o livro tendo poucas. Mas existe um outro ponto de vista, que, como se descobre nos agradecimentos finais da autora, é o de denúncia. E, por isso, é uma leitura indispensável.

O livro não tem a mesma profundidade nem o envolvimento emocional de Reencontro, mas isso é positivo, porque é dessa forma que se comportam as pessoas que se relacionam com quem sofre de depressão. A revelação final, que explica o motivo do suicídio, pode parecer forçada ou, até mesmo, sem propósito, mas, sem entrar em detalhes para não estragar a leitura, existe um sentimento de vergonha naqueles que sentem essa doença e naqueles que tentam ajudar quem tem essa doença. Isso é um equívoco terrível e que pode desencadear consequências devastadoras. A depressão deve ser tratada como o que ela é, sem preconceito, sem medo do que ou outros vão pensar. Só dessa forma é possível ajudar quem está pedindo por socorro, desesperadamente.

Cody sofre com o sentimento de culpa por não estar ao lado de Meg quando ela precisou de ajuda. Cody não sabia que ela precisava de ajuda, mas acha que seria uma variável que poderia ter mudado o destino da amiga. E, de certa forma, ela tem razão. Ninguém é culpado pela ignorância, mas não se pode desviar do fato de que se não fosse por ela, as coisas poderiam ser diferentes. E a ignorância pode ser resolvida com um pouco mais de atenção e interesse pelos outros no dia a dia.

"Certa tarde, estou me preparando para tomar banho depois do trabalho e, enquanto reviro o armário de remédios em busca de uma gilete nova, vejo um dos frascos enormes de Tylenol que Tricia costuma comprar na farmácia. Graças à minha pesquisa, sei que Tylenol é uma forma terrivelmente dolorosa, mas barata, de se matar. Desligo o chuveiro. Vou para o meu quarto. Espalho os tabletes brancos na minha colcha. Eu deveria tomar quantos? Quantos eu consigo engolir de uma só vez? Como impedir que acabe vomitando tudo?"

Somado a isso, existe a estupidez humana. A inclusão social na Internet é como uma arma: se usada da forma errada, pode ser uma coisa terrível. Não se pode censurar o conteúdo, mas se pode perseguir e condenar aqueles que passam dos limites e usam a rede para causar estragos, de forma direta ou indireta. Como acompanhamos no livro, existem, sim, grupos de apoio ao suicídio. Não aqueles grupos que te ajudam a enfrentar seus problemas, mas, sim, aqueles que te dão ideias e formas de cometer o suicídio. Eles te enchem de mensagens, onde afirmam que você será mais feliz morto do que enfrentando seus medos. É absurdo, irracional, doente, nojento a existência de sites e fóruns com esse propósito, mas eles estão por aí, fáceis de serem achados e prontos para te ajudar a fazer uma enorme, gigante besteira. E essas pessoas, mesmo que não te obriguem a cometer suicídio, deveriam sofrer as penalidades pelo que publicam. Infelizmente, isso não acontece.

Gayle Forman denuncia na forma de uma história o comportamento preconceituoso dos familiares com quem sofre de depressão. Denuncia como alguém com depressão passa despercebido perto dos amigos, principalmente pela vergonha que sente pela possibilidade de descobrirem. Denuncia a existência de fóruns que ajudam pessoas com depressão a cometerem suicídio, distribuindo documentos com venenos eficazes e até o que se sente quando são ingeridos. Por essas coisas, realmente não importa a qualidade da história como ficção, mas sim o que ela apresenta.

Então, leia Eu estive aqui. Como disse lá em cima, é uma obra indispensável. E mais: preste bastante atenção no que é dito nas páginas de agradecimento ao final.
Carlos H. Barros
Carlos H. Barros

Carlos tem várias paixões: livros, gibis (muitos gibis), filmes, séries e jogos (muitos jogos de PC e consoles), fotografia, natação, praia e qualquer chance de viajar para conhecer novos lugares e pessoas. Lamenta o dia ter apenas 24 horas - é muito pouco -, e não saber desenhar. Autor também do blog Gettub

19 comentários:

  1. Olá, Carlos.
    Ainda não tinha me interessado por nenhum livro da autora, mas esse me despertou um certo interesse, principalmente porque fiquei bem curioso para saber o que tinha no tal arquivo. haha
    Apesar desse livro não ter a profundidade dos demais, acho que leria apenas esse. Eu sei, essa minha curiosidade ainda vai me matar. rs

    Desbrava(dores) de livros - Participe do nosso top comentarista de junho. Você escolhe o livro que quer ganhar!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá!
      O que tem nos arquivos é absurdo. E o pior: real!!!
      Leia para conferir ;)
      Abs

      Excluir
  2. Oi Carlos,
    eu também não havia lido nenhum livro da autora até semana passada, quando eu li Para onde ela foi. Decidi ler o livro porque eu vi o filme Se eu ficar e achei legalzinho, embora eu tenha ficado um pouco decepcionada tendo em vista toda a fama do livro e do filme, esperava mais. Como Para onde ela foi é continuação do livro Se eu ficar, me interessei e passei a conhecer a autora e tive a mesma impressão que você com relação à relevância literária da escrita. É uma boa história e no fim até desejei que ela tivesse dado maior continuidade, mas a narração deixa um pouco a desejar. Depois irei resenhar o livro no meu blog, se tiver interesse.
    Abraço.
    Moara

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Moara!
      Claro que irei passar para ler sua resenha! Obrigado pela visita ;)
      Abs

      Excluir
  3. Oie Carlos =)

    Desde que li Para Onde Ela Foi, fiquei encantada com a narrativa da Gayle Forman.
    Esse livro já está na minha lista e espero poder ler ele em breve *-*
    Ótima resenha!

    Beijos;***

    Ane Reis.
    mydearlibrary | Livros, divagações e outras histórias...
    @mydearlibrary

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Anne!
      Obrigado pela visita! Não deixe mesmo de ler. Vale muito!!!
      Bjs

      Excluir
  4. esse é o grande mal da maioria das pessoas. julgar e chamar a depressão de frescura, de que ñ é nada, de que passa logo. a autora foi feliz em abordar o tema não como um romance, e sim com a certa apatia e com a culpa de que alguns tratam a doença. apesar do enredo ser um tanto fraco, a mensagem que a autora passa é certeira e válida. vou ler com certeza!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aninha,
      Tem toda a razão! Nesse livro, o que importa mesmo é a mensagem e o alerta.
      Bjs

      Excluir
  5. Oi, Carlos!
    Eu adoro a Forman! É uma das minhas escritoras favoritas atualmente. Por coincidência, vou iniciar a leitura deste livro hoje.
    Eu acredito que realmente seja um bom livro e como estudante de Psicologia, é provável que irei gostar da obra.
    Espero não me decepcionar.
    Abraço!

    "Palavras ao Vento..."
    www.leandro-de-lira.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Leandro!
      Nossa, se está cursando essa matéria, com certeza irá apreciar o livro. Recomendo!
      Abs

      Excluir
  6. Já estava bastante interessada em ler esse livro pela sinopse e pela autora, amei Se eu ficar e Para onde ela foi, agora depois de ver essa resenha fiquei ainda mais ansiosa em conferi essa história que parece super emocionante.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Milena!
      Não irá se arrepender. É uma ótima leitura!
      Abs

      Excluir
  7. Olá Carlos,

    Li um livro da autora e gostei bastante, apesar de esperar bem mais, esse não tinha muitas expectativas até ler a sua resenha, espero poder ler também, gostei dos temas abordados...abraço.

    http://devoradordeletras.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Marco!
      Obrigado pelo comentário. Vale muito a leitura!
      Abs

      Excluir
  8. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  9. Oi Carlos,

    Depois de ler sua resenha, fiquei bastante interessada no livros, ainda não li nenhum livro da autora, apesar de ter dois livros dela em minha estante.
    Mas é impressionante como a internet é uma arma perigosa pra quem tem depressão, concordo com você em vários pontos e como já tive a doença sei exatamente o que se passa na cabeça de um doente. Mesmo tendo tudo nada é suficiente para aumentar nossa alto estima.
    Com certeza irei comprar o livro e o livro "Reencontro" que você sita na resenha será minha próxima leitura .
    Parabéns pela resenha.


    http://thehouseofstorie.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, dona do The House of Stories, mais conhecida como Bella!
      Sim, também já passei por isso, e a cura parece que nunca vai acontecer. Mas acontece. Viva para nós que conseguimos vencer \o/ kkkkkkkkkkk
      Bj Bella!

      Excluir
    2. kkkkkkkkk Viva para nós.
      Carl serio minhas resenhas favoritas feitas por você é essa e a do reencontro. Parabéns mesmo e como você já sabe sou sua fã.
      bjs Carl

      Excluir

Agradeço muito sua visita e peço que participe do blog, deixando um recadinho. Opiniões, idéias, sugestões, são muito importantes para fazer o blog cada vez melhor!
Assim que possível, retribuirei a visita.

Beijos, Julia G.