Branca dos Mortos e os Sete Zumbis - Fábio Yabu

Créditos da foto: Altamente Ácido
"Você acredita em contos de fadas?" Pergunta Eduardo Spohr no prefácio. E continua, "Alguma coisa me diz que até o final deste livro você passará a acreditar". Para que o feitiço Yabu dê certo, é necessário que esqueça tudo o que você sabe sobre contos de fadas. Branca de Neve não é apenas uma jovem ingênua, mas também uma implacável caçadora de zumbis. Cinderela guarda um terrível segredo, que selará seu destino para sempre. Rapunzel está longe de ser uma reles menina isolada numa torre. E a morte da Pequena Vendedora de Fósforos revela uma tradição macabra de morte e psicopatia que vai muito além de uma inocente história infantil. Em Branca dos Mortos e os sete zumbis, Fábio Yabu resgata a tradição clássica dos contos de fadas dos irmãos Grimm e de Hans Christian Andersen, onde as histórias, mais que um simples entretenimento, servem como lições para moldar o caráter das crianças, na maior parte das vezes por meio do medo. Aqui, não há meias-palavras nem eufemismos. O mundo encantado de Yabu é atormentado, sombrio e com altas doses de tensão sexual. Branca dos Mortos e os sete zumbis foi lançado pela primeira vez sob o pseudônimo Abu Fobiya numa edição limitada com venda apenas pela Internet pelo selo NerdBooks, responsável pelo lançamento de autores como Eduardo Spohr e seu best-seller A batalha do apocalipse, e logo se tornou uma obra cult entre os fãs de literatura de terror. Agora, a Globo Livros revela os sortilégios contidos nesta coletânea para o grande público e o brinda com um conto inédito. Um livro para ler com as luzes acesas. Bons sonhos.
YABU, Fábio. Branca dos Mortos e os Sete Zumbis. São Paulo: Globo Livros, 2013. 200 p.

Para ser sincera, não sou fã de livros de terror. O motivo óbvio é o medo que eu sinto quando leio coisas do gênero. E quando eu digo medo, quero descrever aquele frio na barriga, suor frio e mil pesadelos que tenho em uma só noite (já podem me chamar de maria-mole). Acontece que apesar de tudo, resolvi pegar esse para ler e, por Deus, não me arrependo.

Por incrível que pareça, eu não fiquei com medo. O que senti, na verdade, foi certa repulsa e, muitas vezes, indignação. Mas não entenda isso como uma coisa ruim: a meu ver, essa é a intenção do autor. O livro reúne 11 contos que já conhecemos, mas de uma forma espantosamente macabra. Fábio Yabu muda a direção de todos os contos para uma coisa mais sangrenta e assustadora. E o mais interessante do livro é que o autor foge do tradicional feliz para sempre com muita originalidade, o que me surpreendeu bastante.

"A verdade é que, tivesse tido a oportunidade, e se
 esta fosse uma história feliz, Cindehella poderia ter seguido os
 passos do pai, ou se aventurado no desconhecido campo
 da alquimia, e assim contribuído para o avanço da ciência. 
Mas esta não é uma história feliz."

O mais legal da obra é que os contos conversam entre si. Um personagem ou estória de um é citado em outro. Sempre tem algum detalhe que dá a entender que todos eles estão ligados por um fio, tornando-os um. Apesar de ter gostado de todos os contos e o mais marcante ser Branca dos Mortos e os 7 Zumbis, os que mais me cativaram foram Cindehella e o Sapatinho Infernal, Samarapunzel e O Fim De Quase Todas as Coisas. Yabu usa e abusa da sua criatividade ao tornar estórias infantis em uma trama para recomendada para adultos, sem tirar a ideia principal dos contos de fadas que, aqui, se tornam contos de bruxas.

Não posso deixar passar em branco a arte de capa, que é maravilhosa, e as ilustrações do Michel Borges, que mostram com sutileza o que está por vir em cada conto. Branca dos Mortos e os 7 Zumbis é um livro divertido, de leitura bem rápida, fácil e contagiante, que faz você querer trocar as versões originais por essa maravilha criada por Fábio Yabu, que em sua primeira edição publicou sob o pseudônimo de Abu Fobiya.

Leia Mais
12 comentários
Compartilhe:

Pequenas Grandes Mentiras - Liane Moriarty

Sinopse: Pequenas grandes mentiras conta a história de três mulheres, cada uma delas diante de uma encruzilhada.
Madeline é forte e decidida. No segundo casamento, está muito chateada porque a filha do primeiro relacionamento quer morar com o pai e a jovem madrasta. Não bastasse isso, Skye, a filha do ex-marido com a nova mulher, está matriculada no mesmo jardim de infância da caçula de Madeline.
Celeste, mãe dos gêmeos Max e Josh, é uma mulher invejável. É magra, rica e bonita, e seu casamento com Perry parece perfeito demais para ser verdade.
Celeste e Madeleine ficam amigas de Jane, a jovem mãe solteira que se mudou para a cidade com o filho, Ziggy, fruto de uma noite malsucedida.
Quando Ziggy é acusado de bullying, as opiniões dos pais se dividem. As tensões nos pequenos grupos de mães vão aumentando até o fatídico dia em que alguém cai da varanda da escola e morre. Pais e professores têm impressões frequentemente contraditórias e a verdade fica difícil de ser alcançada.
Ao colocar em cena ex-maridos e segundas esposas, mãe e filhas, violência e escândalos familiares, Liane Moriarty escreveu um livro viciante, inteligente e bem-humorado, com observações perspicazes sobre a natureza humana. (Skoob)
MORIARTY, Liane. Pequenas Grandes Mentiras. Rio de Janeiro: Intrínseca, 2015. 400 p.


Existe certo contrassenso nos livros de Liane Moriarty. Havia notado isso em O Segredo do Meu Marido, mas em Pequenas Grandes Mentiras é tão gritante que é impossível não perceber. Colocado assim, o adjetivo pode dar a impressão de ser negativo; porém, é essa falta de lógica que Liane traz para seu enredo que o torna tão surpreendente, impertinente e maravilhoso.

Um aspecto interessante das obras da autora é o fato de que tudo parece uma grande brincadeira, já que  o texto é todo entremeado com humor, sagacidade e muita ironia. A composição deste livro, que não parece ir além de intrigas entre mulheres que querem superproteger os filhos, os quais, por sinal, estão alheios a toda essa baderna, tem, na verdade, muito a mostrar. No texto que à primeira vista se mostra raso, Liane consegue inserir assuntos relevantes e dar uma carga sombria e pesada às entrelinhas de sua narrativa.

“Ocorreu-lhe que havia muitos níveis de maldade no mundo. Maldades pequenas como suas palavras maldosas. Como não convidar uma criança para uma festa. Maldades maiores como abandonar a mulher e a filha recém-nascida ou dormir com a babá do filho. E havia o tipo de maldade que Madeline não vivenciara: crueldade em quartos de hotel, violência em lares de classe média e menininhas sendo vendidas como mercadoria, destroçando corações inocentes."

Em Pequenas Grandes Mentiras, sabe-se desde o início que alguém foi assassinado. Não se conhece quem, como e porquê, e é em torno desse mistério, e do desenrolar dos acontecimentos que levaram ao fatídico dia, que acontece a história. A construção dos capítulos contribui para aguçar a curiosidade: cada um deles, pelo ponto de vista de Celeste, Jane ou Madeline, narra os acontecimentos por ordem cronológica, com exceção do prólogo. Ao fim de cada texto, ainda, excertos de depoimentos dos personagens sobre o assassinato são inseridos, apenas para nos dar a entender alguns detalhes sobre a noite que culminou na tal morte, sem, no entanto, deixar escapar qualquer pista realmente conclusiva.

Ao mesmo tempo que se deseja saber quem foi a vítima, fica-se imaginando que tipo de situação poderia levar a um ato tão extremo, pois nenhuma inimizade das que rondavam a escola deveria ser tão grave a esse ponto. Mas é aí que reside a maestria de Moriarty: quanto mais o enredo se aproximava da noite do acontecimento, mais convencido se fica de qualquer um poderia ter sido assassinado. As brigas foram ficando mais sérias, as máscaras de civilidade que amenizavam as atitudes dos personagens no início da obra tinham sido deixadas de lado e algumas situações se tornaram não solucionáveis.

É possível se sentir muito próximo a Jane, Madeline e Celeste, as três protagonistas das história, visto que cada uma trazia consigo uma história complicada, uma carga que não era fácil superar. Por causa disso, torcia o tempo todo para que não fosse qualquer uma delas a pessoa assassinada. Só que esse era um dos grandes trunfos da autora e é claro que tudo poderia acontecer, o que me fez ficar com o coração em pedaços durante toda a leitura.

“- Mas você não era… - começou Madeline.
- Sim, tudo bem, mas e daí se eu fosse? - interrompeu Jane. - E daí? É o que estou tentando dizer. E se eu estivesse um pouco acima do peso e não fosse especialmente bonita? Por que isso é tão terrível? Tão repulsivo? Por que é o fim do mundo?
[…]
- É porque toda a autoestima de uma mulher é baseada em sua aparência – disse Jane. - Por isso. É porque a gente vive em uma sociedade obcecada pela beleza, na qual a coisa mais importante que a mulher pode fazer é ser atraente para o homem.”

O desfecho do livro foi simplesmente de tirar o fôlego e mesmo que eu já tivesse imaginado algumas das verdades que deveriam ser reveladas, não fiquei imune à surpresa. Liane Moriarty mais uma vez me fisgou, surpreendeu e, felizmente, presenteou-me com uma leitura deliciosa.
 

Leia Mais
21 comentários
Compartilhe:

Novidades #118: Lançamentos

Olá pessoal, como estão vocês?

Como comentei na semana passada, as coisas estavam bem complicadas no quesito tempo por aqui. Agora estão voltando ao normal aos poucos. Na semana que vem, tenho minhas últimas provas do semestre na faculdade e, ufa!, um pouquinho de descanso, então pretendo me dedicar mais atentamente ao blog e a visitar os amigos que eu não "vejo" há algum tempo. rsrs

Para hoje, trouxe para vocês duas novidades: Lançamentos da Companhia Editora Nacional e da autora Josy Stoque, ambos parceiros aqui do Conjunto da Obra :)


A Companhia Editora Nacional lançará, no dia 26/11 (quinta-feira), o livro Operação Harém, de Tony Chastinet. O evento de lançamento acontecerá na Livraria Cultura do Conjunto Nacional, em São Paulo.

Sinopse: Depois de ter o sonho de fazer dinheiro no exterior destruído, Ariane volta ao Brasil disposta a denunciar uma grande rede de prostituição de luxo e tráfico internacional de mulheres. É assim que começa Operação Harém, livro-reportagem do jornalista Tony Chastinet, que, instigado pelo anonimato da operação à época, foi buscar informações para encaixar as peças dessa brilhante investigação conduzida pela Polícia Federal e por agências de segurança internacionais. O leitor terá à mão os detalhes do esquema milionário e saberá um pouco mais da vida das mulheres que fazem o famoso book rosa. Mergulhará na grande rede da prostituição de luxo, onde não há limites para o poder e a ganância.

Romance Inédito de Josy Stoque será publicado online

Desde 4 de novembro, a autora Josy Stoque tem publicado os capítulos que escreve do próximo romance erótico policial. Se você é fã da autora ou das plataformas de leitura gratuita Wattpad e Widbook, não perca essa oportunidade. Não Sonhe com o Amanhã faz parte da Coleção Amanhã por se tratar do mesmo gênero e tema de Não Espere pelo Amanhã, no entanto, não se trata de continuação/sequência. Venha se aventurar em mais um enredo de ação e amor junto com personagens apaixonantes e engraçados. A inspiração deste é seriado Criminal Minds. Quem curte não pode perder!



Sinopse: “A procura pela felicidade nunca foi tão arriscada”
A delegada federal Pâmela Frigo e o delegado civil Cássio Nascimento cultivam uma amizade que o tempo tornou inabalável. A luta pela verdade e pela justiça os uniu de tal forma que não podem mais viver sem o outro. Juntos, eles cuidam de Ribeirão Preto, no interior de São Paulo, lugar que fizeram de lar depois de mudanças em suas vidas. No entanto, um assassino de mulheres surge, aterrorizando os moradores da cidade e levando o casal a ultrapassar seus limites para pegá-lo.



Leia Mais
8 comentários
Compartilhe:

Asterix e o Papiro de César - R. Goscinny e A. Uderzo

Sinopse: César decide publicar suas memórias, censurando um capítulo importante sobre as aventuras de Asterix. Sem saber, o capítulo é roubado e levado até a aldeia dos gauleses, que decidem levar o papiro até a floresta dos druidas, onde o conteúdo poderá ser decorado e passado de geração em geração (Skoob)
GOSCINNY, René. UDERZO, Albert. FERRI, Jean-Yves. CONRAD, Didier. Asterix e o Papiro de César. Editora Record, 2015. 50p.

Este é o prólogo de todas as edições dos livros de Asterix, o gaulês: "Estamos no ano 50 antes de Cristo. Toda a Gália foi ocupada pelos romanos ... Toda? Não! Uma aldeia povoada por irredutíveis gauleses ainda resiste ao invasor. E a vida não é nada fácil para as guarnições de legionários romanos nos campos fortificados de Babaorum, Aquarium, Laudanum e Petibonum ..."


Asterix reside com seus amigos em uma pequena aldeia gaulesa situada em uma península na Armórica, ao norte da antiga Gália. Para resistir ao domínio romano, os aldeões contam com a ajuda de uma poção mágica que lhes dá uma força sobre-humana, preparada pelo druida Panoramix. A exceção é Obelix, que caiu dentro de um caldeirão cheio da poção quando ainda era um bebê, e daí adquiriu permanentemente a superforça.


Asterix foi criado por Albert Uderzo e René Goscinny em 1959. Hoje, com 35 álbuns publicados e mais de 350 milhões de exemplares vendidos em todo o mundo, é um dos personagens mais populares e amados de sempre.

Após Goscinny falecer em 1977, Uderzo continuou, sozinho, a criação de novas histórias, lançando sempre um álbum por ano. Em 2010, já com 84 anos, Uderzo anunciou sua aposentadoria e passou a responsabilidade dos personagens para a dupla francesa, Jean-Yves Ferri e Didier Conrad, cujo primeiro trabalho pode ser conferido em Axterix entre os Pictos, de 2013.


Em Asterix e o papiro de César, lançado mundialmente em outubro, com uma tiragem de quatro milhões de exemplares, César decide publicar suas memórias das guerras romanas de conquista, e reserva um capítulo inteiro sobre sua frustração de não conseguir vencer os irredutíveis gauleses. Seu editor, para evitar uma humilhação pública, sugere o corte desse capítulo. Assim, vai a público a edição censurada, que vira um grande sucesso em Roma. Mas o capítulo censurado acaba sendo roubado e vai até as mãos dos gauleses.


A história é uma crítica sútil sobre as publicações atuais de livros e em como as notícias se espalham rapidamente, e as referências são muito engraçadas, como o uso de pombos no lugar do Twitter. Existe a preocupação da dupla de criação em manter todos os elementos usados pelos criadores dos personagens, mas eles não realizam a tarefa com tanta sutileza, e algumas piadas ficam forçadas.


Isso pode ser mais notado quando Asterix, Obelix e Panoramix, o druida da aldeia, viajam até uma floresta, para que os druidas possam memorizar o capítulo roubado, que narra todas as aventuras dos gauleses. Todas as tentativas de piada nesse trecho remetem para situações já vividas pelos personagens em outros álbuns. A parte em que os dois caçoam de Panoramix ficou exagerada e muito mal empregada dentro do contexto. É louvável a preocupação com a herança, mas acho que seria mais natural que surgissem ideias novas, uma vez que seguir a linha já fortemente estabelecida pelos criadores originais é quase impossível.


Para quem nunca leu Asterix, esta edição terá mais graça do que para aqueles que acompanham desde o primeiro número. Mesmo para esses, a aquisição do álbum é obrigatória. E mesmo com os pontos negativos citados acima, a história ainda é muito superior às versões cinematográficas dos personagens. A rapidez das piadas e das situações continua sem igual nos quadros belissimamente desenhados, e isso é muito difícil de ser transportado para os telões.


Asterix e o papiro de César é uma aquisição obrigatória para os fãs e novatos. Se você ainda não conhece os irredutíveis gauleses, estão perdendo o que de melhor existem em quadrinhos no mundo.

Leia Mais
9 comentários
Compartilhe:

Promoção: Natal Literário


O natal está chegando, e por isso o Conjunto da Obra resolveu se juntar a alguns blogs amigos e fazer uma promoção nessa data festival.
Que tal concorrer a vários prêmios? Serão dois ganhadores!

  • Primeiro lugar levará: 7 livros + 3 opções extras dentre marcadores, livretos e etc.
  • Segundo lugar: levará 3 livros e as demais opções extras. 


Prêmios:
Livro Para continuar + 5 marcadores - Seguindo o Coelho Branco, Marcadores + Degustação (livreto) Minha Velha Estante, Livro Minta que me Ama - Da Imaginação à Escrita, Livro No Limite do Perigo - Por uma boa Leitura, 10 marcadores + pôster Cidades de Papel - Coração Leitor, Marcadores + Livreto - My Little Garden of Ideas, Livro O Morro dos Ventos Uivantes - Inspirada por Palavras, Livro Louco por Você + 10 marcadores + 2 livretos - Electric Beans,  Livro No Limite do Perigo - Conjunto da Obra, Livro A Culpa é das Estrelas + marcadores -Estante Diagonal, Livro Pequenos Deuses - O Maravilhoso Mundo da leitura, Kit de Marcadores - Intuição Literária, Livro Eu e um outro - Saleta de Leitura,  Livro Entre Quatro poderes - Alegria de Viver e amar o que é bom


a Rafflecopter giveaway


Obrigatório:
Comente na postagem com email e informe na primeira opção do formulário o nome do blog que você comentou

Regras:
Residir em território brasileiro.
Após seguir as orientações iniciais do formulário várias chances-extras aparecerão. Quanto mais delas cumprir, maior será sua chance de ser sorteado.
Cada blog ficará responsável pelo envio do prêmio que por ele foi disponibilizado para o sorteio, não tendo qualquer responsabilidade por extravio ou perda por conta dos correios.
O ganhador terá 48 horas para responder ao e-mail enviado, caso contrário um novo sorteio será realizado.
Os blogs terão um prazo de 45 dias para o envio do prêmio após o anúncio dos sorteados.
O resultado sairá dia 02 de janeiro. 

Leia Mais
15 comentários
Compartilhe:

Conjuntando #50: Outubro em Fotos

Peops, sei que estou sumida essa semana, mas peço desculpas. Estou fazendo um curso para o trabalho durante o dia, e saio correndo para as aulas da faculdade à noite, então não me sobra nenhum intervalo para escrever algo interessante para vocês. Mas não se preocupem: semana que vem estarei de volta, por inteiro, ok?

Por isso, para hoje, só vou conseguir mostrar as fotos que apareceram no Instagram do blog no mês de outubro. Vamos conferir?

 

Quem quiser conferir as histórias por trás de cada foto, basta nos visitar por lá.


Leia Mais
8 comentários
Compartilhe:

Promoção: Aniversário Brooke Bells


Gente, foi meio sem querer essas várias promoções que estão rolando no blog ao mesmo tempo. >.< Juro!
Mas já que eu sei que vocês gostam, não tenho muito com o que ficar preocupada, né? rsrs Promoção nunca é de mais! E um segredinho: tem outras vindo por aí.

No dia 10 de dezembro o blog Brooke Bells completa 1 ano, e buscou em uma maneira de presentear o maior número de leitores. Por isso, em parceria com o Conjunto da Obra e outros blogs, irá realizar uma mega promoção de aniversário.
Serão 9 kits e, portanto, 9 ganhadores. Tenho certeza que o que vocês querem saber são os prêmios, certo? Então confira, participe e não se esqueça de chamar os amigos para participar também!






















- Nas opções do Facebook é obrigatório curtir as páginas e não apenas visitar, ok?
- É obrigatório ter endereço de entrega no Brasil;
- Os blogs tem um prazo de 45 dias para envio dos livros após o término da promoção;
- As 4 primeiras opções são obrigatórias para que sua participação seja válida;
- As inscrições são válidas de 18 de novembro a 18 de dezembro.

Boa sorte! 

Leia Mais
10 comentários
Compartilhe:

Belle - Lesley Pearse

Sinopse: Londres, 1910. Belle, de 15 anos, viveu em um bordel em Seven Dials por toda sua vida, sem saber o que acontecia nos quartos do andar de cima. Mas sua inocência é estilhaçada quando vê o assassinato de uma das garotas e, depois, pega das ruas pelo assassino para ser vendida em Paris. Sem poder ser dona de seu próprio destino, Belle é forçada a cruzar o mundo até a sensual Nova Orleans onde ela atinge a maioridade e aprende a aproveitar a vida como cortesã. A saudade de casa — e o conhecimento de que seu status como garota de ouro não durará muito — a leva a sair de sua gaiola de ouro. Mas Belle percebe que escapar é mais difícil do que imaginou, pois sua vida inclui homens desesperados que imploram por sua atenção. Espirituosa e cheia de desenvoltura, ela tem uma longa e perigosa jornada pela frente. A coragem será suficiente para sustentá-la? Ela poderá voltar para sua família e amigos e encontrar uma chance para a felicidade? (Skoob)
PEARSE, Lesley. Belle. Novo Conceito, 2012. 560 p.

Para ler Belle, o(a) leitor(a) precisa abandonar seus preconceitos sobre a profissão mais antiga do mundo, situar-se na época em que a história se passa, 1910, e compreender a posição da mulher nessa sociedade majoritariamente machista, onde elas sequer podiam votar.

Filha de Annie, a dona de um bordel, na Inglaterra, Belle, aos 15 anos, ainda não tem consciência da profissão da mãe e nem das garotas que moram na mansão. Para Belle, os homens que aparecem todas as noites para beber e dançar só querem esse tipo de diversão. Mesmo sendo proibida de sair do quarto após as cinco horas da tarde, quando os primeiros clientes chegam, ela aceita o que lhe é dito.

“– Mamãe sempre dizia que se você que muito algo você consegue – ele disse. – Tudo o que tem que fazer é planejar como irá consegui-lo. 
 Belle olhou seu sorriso, o rosto sardento, e ficou se perguntando se ele queria beijá-la. Ela não tinha experiência com essas coisas; garotos eram algo misterioso para ela que tinha crescido só com mulheres. Mas ele tinha um tipo de sensação estranha, como se estivesse derretendo, o que era ridículo porque estava congelando de frio.”

Isso até adormecer acidentalmente no quarto de uma das garotas, esconder-se debaixo da cama e descobrir toda a verdade. Mas ela também vira a testemunha de um assassinato. Por causa disso, Belle é sequestrada e vendida para um bordel na França, e depois para um de New Orleans, nos EUA. Começa então sua flagelação até conseguir retornar à sua cidade natal.

Belle não é uma personagem complexa, mas foi difícil compreender suas atitudes e seu jeito de pensar, mesmo me situando na época em que ela vive. Eu só consegui isso quase no final do livro, quando ela faz um resumo dos homens que conheceu para tomar uma determinada decisão.

No início do livro, quando Belle conhece Jimmy, um rapazinho um ano e meio mais velho do que ela, sente, pela primeira vez, o início do que é se apaixonar. Ela não consegue evoluir esse sentimento, porque é sequestrada. Então, o que deveria ser um aprendizado natural, se transforma em um inferno. Ela é estuprada por cinco homens, em cinco noites diferentes, dentro de um quarto do bordel da França. A partir daí, o que se lê é uma sequência de acontecimentos que ela enfrenta com certa letargia.

A princípio, como disse antes, não entendi esse comportamento. Não era essa a atitude que esperava da personagem. Ainda mais quando ela consegue sair dos EUA e voltar à Europa. Ao invés de correr para os braços da família, ela se deixa envolver por uma vida como prostituta de luxo. Fiquei confuso e, durante a maior parte da leitura, não consegui empatia com a personagem, mas, sim, apenas com aqueles que, durante mais de um ano, persistiram na busca pelo seu paradeiro, como Jimmy e Mog.

Mog foi uma prostituta no bordel onde Belle cresceu, mas abandonou essa profissão para se dedicar a ser o braço direito de Annie. Foi Mog quem cuidou e educou Belle desde sempre, compensando a indiferença da mãe natural. Quando Belle é sequestrada, Mog encontra ajuda de Jimmy, de Garth, o tio de Jimmy, e de Noah, um jornalista, para conseguir pistas de para onde Belle foi levada. E os quatro insistem nessa tarefa até conseguirem.

E minha antipatia cresce quando Belle se apaixona e quase se entrega para Etienne, um mercenário francês que é pago para levá-la até os EUA. Depois que é sequestrada, ele é o primeiro que a trata com carinho e consideração, mesmo diante da tarefa que realiza. É um homem bonito, cortejador, cavalheiro, que, mesmo estando sob seu cativeiro, trata Belle como um ser humano, como uma garota bonita e no início de sua sensualidade como mulher. Mesmo assim, não conseguia compreender como ela podia nutrir sentimentos por um homem, que a levava para ser prostituta em um bordel, poucas semanas após ela ter sido estuprada e ficado doente à beira da morte. Não batia, na minha cabeça, com as atitudes de uma pessoa real, que deveria estar traumatizada e com total repulsa pelo sexo masculino.

Mas no fim do livro, quando ela faz um resumo desses homens que passaram pela sua vida, finalmente consegui ver a capacidade narrativa e a verdadeira intenção da autora ao construir Belle.

Belle começou a conhecer o amor com Jimmy, mas o sentimento foi extinto pelo que ela passou em seguida. Ela simplesmente perdeu a capacidade de amar. Ela entregava sua paixão para quem a tratava com o carinho e a consideração que ela perdeu ao ser sequestrada.

Etienne era sua proteção, o homem viril que asseguraria seu bem estar. Ele era o herói que a salvaria, mesmo levando-a para a perdição, porque ela entendia que ele era casado, tinha filhos e precisava honrar o contrato para não ter a família assassinada.

Faldo, apesar de ser feio e de Belle se transformar em sua amante, era o homem que a tiraria do bordel de New Orleans e lhe daria chances de juntar dinheiro para voltar à Inglaterra. Sua afeição por ele era baseada no interesse, mas ela o tratava como se o amasse e sem fingimento. Seu sentimento por ele era real, dentro do que ela sabia sentir.

Jimmy era o símbolo de sua inocência e do que poderia ter sido o amor verdadeiro. Ela reconhece isso no fim do livro, quando compara o que sente por ele com o que sente por Etienne. Mas, da mesma forma que os outros, ela não sente amor eterno, mas o amor pelo momento. O momento de retorno ao lar, a uma vida que não condiz com o que ela se tornou e com o amor de Jimmy, que é mais puro e sincero do que ela pode compreender e retribuir.

A indiferença de Belle diante da vida que foi obrigada a aprender a viver, reflete, de forma sensível e perfeitamente plausível, o trauma pelo que passou. A sensibilidade da autora em demonstrar isso de forma tão singela e natural, é ímpar. Da mesma forma que ela descreve as cenas de relações sexuais, consentidas, pagas ou forçadas. Lesley Pearse escreve todas elas de maneira tão natural, tão sem exageros ou realces, que, mesmo as mais terríveis, não agridem de forma direta o leitor. E isso é um acerto, que não deixa a história cair no dramalhão insuportável de se ler.

Belle é um livro extremamente bem escrito, com uma personagem inesquecível e que demonstra, através da própria ingenuidade, como é possível sobreviver às situações mais perversas que uma mulher pode se submeter e ser submetida. E, graças a habilidade da autora de conseguir transmitir leveza nas piores cenas, você segue a história até o fim e termina com a sensação de que leu um grande épico.

“Se alguém é seu melhor migo, alguém que você não quer perder e que você deseja, e isso não é o amor, o que é?”

Belle é uma leitura obrigatória, um livro indispensável para abrilhantar sua coleção.

Leia Mais
8 comentários
Compartilhe:

Conjunto de Séries #6: The Blacklist


Todo mundo que me conhece um pouquinho sabe que eu não consigo assistir a muitos seriados. Faculdade, trabalho, casa para cuidar e tentar ter uma vida social adequada me tomam mais tempo do que eu tenho. O problema é que, quando eu começo a assistir a uma série e gosto, dificilmente eu consigo parar de assistir - adeus casa impecável, vida social, e o seja lá mais o que for.

The Blacklist entrou na minha vida por acaso: decidi ir ao mercado abastecer a despensa em uma sexta-feira à noite, e cheguei em casa tarde. Depois de guardar tudo em seu devido lugar e sentar um pouquinho no sofá, com a televisão ligada, o primeiro episódio começa a passar na TV Globo. Eu adorei, e fiquei curiosa para ver mais. Como agora assinei a queridinha Netflix (geralmente assisto filmes, mais "rapidos"), corri para ver se tinha por lá. Não é que tinha?


The Blacklist conta a história de Raymond "Red" Reddington, um dos criminosos mais procurados do FBI, que se entrega às autoridades com uma proposta um tanto incomum: ele entregará à equipe diversos criminosos e terroristas que, por vezes, nem mesmo são conhecidos. Em troca, quer um acordo de imunidade e só trabalha se for com a agente Elizabeth Keen. Não se sabe se existe ligação entre eles e Red também não revela o motivo dessa preferência.

A série poderia ser só mais uma de ação e espionagem, mas a mistura desses elementos a outras características a tornam irresistível. Cada episódio traz um caso relacionado a um dos integrantes da lista a ser pego, casos que geralmente são inteligentes e interessantes de acompanhar.

Além disso, a série intercala os acontecimentos da vida de alguns personagens, especialmente de Elizabeth Keen, que está mais envolvida em mistérios e segredos do que ela mesma poderia imaginar. Seu passado e seus pais, que ela não se lembra, seu casamento, e mesmo a exigência de Reddington para que seja ela a trabalhar com ele.


Outro aspecto que agrada bastante é a dualidade dos personagens. Nenhum deles é mocinho ou vilão; todos têm facetas boas e más, cruéis e solidárias. Isso é engraçado porque faz o espectador analisar o certo e o errado, ao assistir a série, mais por uma visão sentimental do que racional, e até mesmo os ideais são relevados em alguns momentos, pelo simples fato de que os personagens facilmente nos conquistam. Nenhum deles se mantém íntegro em todos os episódios, sempre há um deslize, sempre um movimento errado. Porém, até mesmo o errado é feito com tanta paixão que, naquele momento, nos parece certo.

Por causa disso, eu simplesmente me encantei com todos os personagens, sem exceção. Tom, Ressler, Harold, Aram, Dembe e Red. Red, aliás, é um dos mistérios mais intrigantes da série. É fácil suspeitar de seu papel na vida de Elizabeth, mas muitas outras vezes ele nos deixa na dúvida. Sua personalidade séria, sincera e irônica é o que traz mais diversão aos capítulos também.

A série já está na sua terceira temporada nos Estados Unidos, mas apenas as duas primeiras estão disponíveis na Netflix. Assisti às duas em pouquíssimos dias, e o final da segunda é tão surpreendente que estou até agora meio zonza - e angustiada de não poder ver a terceira logo.

Leia Mais
10 comentários
Compartilhe:

Novidades #117: Intrínseca em Novembro

Oi galerinha, como vocês estão? Animados com as muitas promoções que estão rolando aqui no blog? Tem muita coisa boa, né? E livros para todos os gostos. Para conferir, clique na aba Promoções aí em cima.

Só que o papo de hoje é outro: vocês já viram as novidades da Editora Intrínseca para este mês?

Tem estilos bem variados, para agradar todo mundo. Tem livro interativo, como Uma pergunta por dia, contos de Extraordinário, livro para quem ama gatinhos (e sempre via os livros dos cachorros publicados pela Editora), Crepúsculo/Vida e Morte, de Stephenie Meyer, que comentei no mês passado, livro do autor Guillermo Del Toro, que escreveu também Noturno, livro mais assustador que eu já li na vida - e muito mais. Vamos conferir alguns deles?



Uma pergunta por dia, de Potter Style: Todos os dias criamos uma imensa quantidade de registros em celulares, redes sociais e aplicativos. No entanto, quase nunca temos o hábito de retornar a eles. Às vezes podem parecer só besteiras, mas quantos desses relatos não mostrariam nosso crescimento e nossas mudanças em todos esses anos?
Uma pergunta por dia convida a registrar suas respostas a uma variedade de questões, das mais simples às mais complicadas, como "Para onde você quer fazer sua próxima viagem?" ou "Escreva a primeira linha da sua autobiografia". Em cada página há espaço para cinco respostas, uma por ano, ao longo de cinco anos. Com o passar do tempo, quando voltar a um dia já anotado, o dono do diário encontrará seus pensamentos anteriores, num exercício divertido e construtivo de recordar e refletir.

Caçadores de Trolls, de Guillermo Del Toro e Daniel Kraus: Uma história de terror idealizada por um dos artistas mais visionários da atualidade. Em Caçadores de trolls, Guillermo del Toro presenteia os leitores com uma aventura de dar arrepios, com ilustrações capazes de nos transportar para um mundo paralelo apavorante.
Jim Sturges é o típico adolescente na pacata cidade de San Bernardino: tem um pai superprotetor, um melhor amigo meio desajeitado e uma paixão platônica por uma menina que nem sabe que ele existe. Mas isso tudo muda quando um mistério de décadas ressurge, ameaçando a vida de todos os moradores da cidadezinha.
Um livro sobre os medos e criaturas que se ocultam onde menos se espera.

O Destino da Número Dez (Os Legados de Lorien, livro 6), de Pittacus Lore: O fim está próximo. Por anos, a Garde lutou contra os mogadorianos em segredo. Mas agora a invasão começou e os mogs vieram para ficar. John lidera a batalha em Nova York. Quando tudo parece estar contra os lorienos e a humanidade, Sam, seu melhor amigo, inexplicavelmente começa a desenvolver poderes - os Legados. Enquanto os dois tentam encontrar Cinco e Nove em meio ao caos e à destruição, eles se deparam com uma adolescente com habilidades que antes pertenciam apenas aos Gardes. Se ela é uma inimiga ou aliada, só o tempo dirá.
A Garde está enfraquecida, lutando para sobreviver. A única chance de vencer a guerra contra os mogadorianos de uma vez por todas é destruir seu líder - mas destruí-lo significa condenar Ella a um destino cruel. Se os Gardes não encontrarem uma forma de deter os mogs, acontecerá com os humanos o mesmo que aconteceu com os lorienos: todos serão aniquilados.

Cansei de ser gato - do capim ao sachê, de Amanda Nori e Stéfany Guimarães: Ele já foi unicórnio, alface, pão de forma, Frida Kahlo e Mestre dos Magos. Desde 2013, Chico arrebatou o coração de milhares de fãs ao encarnar personagens inusitados com sua versatilidade felina na página Cansei de Ser Gato no Facebook e no Instagram. Fez tanto sucesso que conquistou o estrelato e o posto de gato mais famoso da América Latina.
Com doses generosas de ironia, Cansei de ser gato: do capim ao sachê revela a surpreendente trajetória de Chico rumo ao sucesso na internet, desde sua infância modesta no interior até a chegada à cidade grande, onde passou frio e fome antes de encontrar um sofá para chamar de seu, constituir família e começar a se virar. Cansado de ser gato, Chico virou, entre outras coisas, bacharel, enfermeiro, Elvis Presley e Homem-Aranha. Conformado em pagar o preço da fama, Chico convive com os inconvenientes paparazzi e aparece em revistas, posando até para um ensaio sensual.
Sem perder o charme e, muito menos, o ar de superioridade, Chico expõe nesta biografia (mais ou menos) autorizada seu grande desejo de conquistar o mundo - a começar por você.

Como sempre, os lançamentos não param por aí. Quem quiser conhecer os demais publicados este mês, basta clicar na estante abaixo:

http://www.intrinseca.com.br/blog/2015/11/lancamentos-de-novembro/

Agora me contem: de que gostaram mais?

Leia Mais
11 comentários
Compartilhe:

Promoção: Aniversário Roendo Livros

Já cansaram de promoções aqui no blog? Não, né? Então lá vamos nós de novo!

O blog Roendo Livros completa hoje dois anos, e para comemorar essa data tão especial, se uniu ao Conjunto da Obra e outros 30 blogs maravilhosos para presentear dois sortudos com vários livros e mimos especiais.
  

Regras:
- Residir ou ter endereço de entrega em território nacional;
- O período de inscrição será do dia 11/11/2015 ao dia 12/12/2015;
- Cada blog será responsável pelo envio de cada item, como especificado na lista. O prazo de envio é de 40 dias úteis e nenhum blog se responsabiliza por danos, extravios ou retornos das encomendas;
- Os vencedores terão um prazo de 48 horas após o resultado para entrarem em contato o blog. Caso contrário, o sorteio será refeito;
- Serão apenas dois vencedores: o primeiro colocado escolherá 14 livros e o segundo colocado ficará com o restante;
- O primeiro colocado deverá, obrigatoriamente, escolher os livros A Mais Pura Verdade e Uma Chance Para Recomeçar, pois dois exemplares de cada obra foram cedidos para o sorteio;
- Os marcadores e mimos serão igualmente divididos entre os dois vencedores;
- O resultado da promoção será divulgado em até 10 dias após o seu término.



Roendo Livros - Preciso do Seu Amor | Lisossomos - Jane Austen, a Vampira 
Myself Here - Marcadores | Milkshake de palavras - Vampire Kisses 
 A Loka do Livro - Inverno de Cinzas | Primeiras Impressões - Marcadores
Every Little Book - A Breve Segunda Vida de Bree Tanner 
Obsession Valley - Por Um Momento Apenas | Gettub - Mago: Aprendiz
Livros Românticos - Sugar | Obcecada Pelos Livros - O Maravilhoso Agora
Guilda dos Leitores - Livro Surpresa | Gordinha Assumida - Destinos Cruzados
Conjunto da Obra - O Amor Mora ao Lado | Malucas Por Romances - Eternamente
O Maravilhoso Mundo da Leitura - Dois Garotos se Beijando
Da Imaginação à Escrita - Boa Noite, Estranho | Meu Amor Pelos Livros - Proteja-me
Meu Vício em Livros - A Mais Pura Verdade | Amores e Livros - Os Solteiros 
The Tony Lucas Blog - A Arte da Guerra | Winter Bird - Um Ano Inesquecível
Você é Tão Livros - Marcadores | Estilhaçando Livros - Uma Chance Para Recomeçar
Além da Contracapa - Uma Chance Para Recomeçar 
The House of Stories - O Restaurante no Fim do Universo
A Menina Que Lê - 365 Dias Extraordinários | Reality of Books - Uma Lição de Amor
Seja Cult - A Mais Pura Verdade | Livreando - Correr ou Morrer
Revelando Sentimentos - A Escolha


a Rafflecopter giveaway

Leia Mais
11 comentários
Compartilhe:

Promoção: Aniversário Um Oceano de Histórias



Olá, queridos leitores!

O blog Um Oceano de Histórias está completando 2 anos e junto ao Conjunto da Obra e outros sete blogs – Minhas ImpressõesImaginação Literária, Coisas de Diane, I Love my Books, Histórias existem para serem contadas, Milkshake de Palavras e Eu pratico livroterapia - sorteará doze prêmios para seis ganhadores! Vocês não vão querer ficar de fora, não é?

As regras são simples. Vamos, então, a elas: 
- O sorteio tem início hoje e termina dia 08/12;
- Ter endereço de entrega em território brasileiro;
- Deixar um e-mail para contato nos comentários;
- Preencher os formulários abaixo;
- Cumprir as entradas obrigatórias;
- As chances extras são opcionais, mas aumentam a probabilidade de vencer;
- O vencedor deverá responder o e-mail em até 72 horas. Não havendo resposta será realizado um novo sorteio;
- Cada blog terá o prazo de 60 dias para enviar o prêmio e, por esse motivo, eles podem chegar em momentos diferentes.

Leia Mais
20 comentários
Compartilhe: