A Rainha Vermelha - Victoria Aveyard

Sinopse: O mundo de Mare Barrow é dividido pelo sangue: vermelho ou prateado. Mare e sua família são vermelhos: plebeus, humildes, destinados a servir uma elite prateada cujos poderes sobrenaturais os tornam quase deuses.
Mare rouba o que pode para ajudar sua família a sobreviver e não tem esperanças de escapar do vilarejo miserável onde mora. Entretanto, numa reviravolta do destino, ela consegue um emprego no palácio real, onde, em frente ao rei e a toda a nobreza, descobre que tem um poder misterioso Mas como isso seria possível, se seu sangue é vermelho?
Em meio às intrigas dos nobres prateados, as ações da garota vão desencadear uma dança violenta e fatal, que colocará príncipe contra príncipe - e Mare contra seu próprio coração. (Skoob)
AVEYARD, Victoria. A Rainha Vermelha. # 1. Editora Seguinte, 2015. 422 p.

Talvez A Rainha Vermelha, de Victoria Aveyard, não tenha uma trama muito original - são nítidas as semelhanças com outros livros de sucesso, como A Seleção, Jogos Vorazes, Academia de Vampiros, ou diversos outros ainda. Não foram raros os momentos em que eu me peguei comparando o livro de Aveyard a outras histórias, e depois de terminar a leitura, vi que algumas resenhas citaram essas comparações como um ponto negativo da obra. Sinceramente, para mim, isso pouco importou. Há muito tempo eu não lia uma distopia/fantasia que me envolvesse tanto, e conhecer o mundo de Mare Barrow foi simplesmente incrível.

A Rainha Vermelha é narrado em primeira pessoa pela protagonista Mare, uma vermelha que escapa ilesa de uma carga intensa de eletricidade, em um evento que reunia toda a nobreza prateada. O problema é que, no mundo de Mare, apenas os prateados têm poderes e, exatamente por esse motivo, apenas os prateados são dignos de viver com certo conforto. Como explicar o que aconteceu? Como Mare pode entender isso? E como justificar para tantas pessoas que uma vermelha pode ser poderosa? Para evitar problemas, Mare se vê envolvida com a família real, em uma vida de luxo e fingimento que a permite ver, pelo outro lado, as injustiças contra seu povo.

"Desço os degraus em meio a aplausos forçados, pensando apenas em não tropeçar. Mas meus pés caminham seguros e meu rosto permanece sério conforme passo por aquelas centenas de faces reservadas, ameaçadoras, desconfiadas. Mais uma vez estou sozinha diante dessas pessoas. Jamais me senti assim tão nua, mesmo coberta por camadas de seda e pó. Agradeço de novo pela maquiagem; ela é o escudo entre eles e a verdade sobre quem sou. Uma verdade que nem eu compreendo."

O enredo criado por Victoria Aveyard pode até não ser original, mas é, indiscutivelmente, surpreendente. A todo momento surgem situações inesperadas, reviravoltas que tornam impossível largar o livro por vontade própria. A trama é recheada de ação, de jogos de poder e de traições que deixam o leitor aflito por mais e mais. Afinal, todo mundo trai todo mundo. Esse foi o principal aprendizado de Mare neste volume e a história fez jus a ele, já que é difícil saber de onde virá o próximo golpe.

A construção social criada pela autora também foi outro aspecto positivo. Ainda que não houvesse uma referência exata sobre em que momento histórico se passa a trama, é possível imaginar que se trata de um futuro muito distante, em decorrência de algumas pistas tratadas nos diálogos. O principal, porém, é que Aveyard consegue deixar bem claro como a sociedade funciona na sua história, independente do período, e as regras sociais bem definidas permitem aos leitores se contextualizar, da forma que achar adequada, no espaço-tempo.

Mare foi uma personagem que me dividiu opiniões. Ao mesmo tempo em que gostei dela pelo fato de que era ela quem vivia os fatos e quem os narrava, em alguns momentos eu a achava uma covarde por ver tanta injustiça e só choramingar, sentir-se triste, sem fazer nada. Ela nem mesmo falava, não argumentava, não brigava. Claro que eu entendo que ela temia pela família e por si mesma, mas era irritante ver alguém que finalmente poderia ser ouvida não tomar qualquer atitude. Mesmo quando ela tomou a atitude de se juntar à Guarda Escarlate, a impressão que eu tive era a de que ela não se entregou cem porcento, que se manteve um passo atrás, de modo a recuar caso fosse necessário. Felizmente, a personagem amadureceu conforme entendeu o jogo por trás de cada ato prateado e, no fim, decidiu lutar - literalmente.

"Uma vez temi estas muralhas, assustada com tamanha beleza. Mas agora vejo as rachaduras. É como o dia da bomba na capital, quando percebi que os prateados não eram intocáveis. Daquela vez foi uma explosão; agora algumas balas quebraram as muralhas de diamante e revelaram o medo e a paranoia que escondiam. Prateados fugindo de vermelhos: leões fugindo de ratos. [...] Todo mundo pode trair todo mundo."

Não bastasse a briga entre vermelhos e prateados, emocionante por si só, o livro contempla ainda romance: um triângulo amoroso entre Mare e os dois príncipes. Pode até parecer cansativo se falar em mais um triângulo, como acontece em tantos livros, mas preciso destacar que, neste caso, há algumas diferenças que o torna interessante. A primeira delas é que o enfoque do livro é ação e aventura, tornando a história bastante dinâmica. A segunda, é que a própria protagonista está mais preocupada com seus problemas reais do que com seus problemas românticos, então não há muito drama nem choradeira. E por terceiro, os próprios príncipes são mistérios a serem desvendados, pois não se sabe suas intenções e suas índoles, o que torna mais difícil conhecer em quem confiar.

A Rainha Vermelha é uma história eletrizante, vibrante e deliciosa, como há muito eu não lia. Para quem gosta de enredos dinâmicos, trata-se de uma ótima dica. O segundo livro, A Espada de Vidro, já foi publicado, e parece ser tão incrível quanto este primeiro.

Recebido da Editora para resenha



Ju - Conjunto da Obra
Ju - Conjunto da Obra

Apaixonada pela leitura desde a infância, tantos livros lidos que é impossível quantificar. Alguém que vê os livros como uma forma de viajar o mundo e lugares mais incríveis que possam ser criados pela imaginação, sem precisar sair do lugar. Tem o blog como uma forma de dividir experiências e, principalmente, as emoções que as leituras despertaram, para compartilhar idéias e aproveitar sugestões de leitura, envolvendo mais e mais pessoas em um mundo onde a imaginação não tem limites.

12 comentários:

  1. Já tinha lido muitas resenhas positivas desse livro mas essa é a 1ª que eu leio que fala da semelhança com outras series de sucesso. Não sei se autora realmente "copiou" ou se foi pura coincidência, acredito que a formula para um livro de sucesso é sempre a mesma e depende só do autor se a história vai ser mais do mesmo ou se vai ter diferenciais para se destacar.

    ResponderExcluir
  2. Oii!
    Não li ainda, mas qro dmais saber os detalhes dessa história que tá incrível á cada livro, leio comentários sobre os livros, e tdos flam mto bem dle, não vejo a hora de conferir!
    Parabéns pela resenha, tá mto bacana!
    Bjs!

    ResponderExcluir
  3. Primeiro, eu gosto de como o livro se desenvolve, com essa história de vermelhos e prateados. Que bom que vice não viu problema, porque onde vou vejo criticas ferrenhas quanto à essa semelhança com outros livros. Sempre que leio uma resenha sinto vontade de conhecer essa historia. Essa série me parece ser maravilhosa e ei ainda vou conhecê-lá.Que bom que a leitura te agradou tanto !!
    Bom dia :)

    ResponderExcluir
  4. Oi Ju, como vai? Eu já vi inúmeras resenhas boas e outras ruins sobre o livro, mas desde que vi a capa dele na livraria, não tenho ligado muito para opiniões e estou procurando comprá-lo. Sei que a história vai me surpreender de qualquer forma, e que vou gostar. Sua resenha me encantou desde o começo, um beijo!
    O Reino Encantado de uma Leitora

    ResponderExcluir
  5. Olá!
    Eu já tinha vontade de ler, e saber que é estilo Jogos Vorazes, me deu mais vontade ainda.
    É a primeira resenha que eu leio falando disso! Será que as outras que eu li a pessoa não conhece?
    Só sei que estou bem curiosa para ler e conferir.
    Um super bjo!

    Alê - Bordados e Crochê
    Facebook
    Twitter
    Instagram

    ResponderExcluir
  6. oooi Juh, Quando entrei no blog e vi que você havia feito uma resenha sobre o livro "Rainha Vermelha", já fiquei mega feliiiz, pois é um dos que mais quero ler, Tá na mh pequena ENORME Lista de leitura kkkkkk ! Acredito que vou gostar da leitura desse livro, já que gosto de livros de fantasia, e fico ainda mais animada porque vai virar filmeeeeeeeee ♥ hahah E a capa é M-A-R-A-V-I-L-H-O-S-A !!♥♥ Ameeei os pontos que vc abordou. Aja money ainda mais com os lançamentos bafônicos desse mês... Mais que vicío booom é esse menina? :333 Beijiinhoos.

    ResponderExcluir
  7. Se tem um pouco de cada série citada então o livro deve ser pra lá de bom rsrs. Gosto de historias que surpreende e esse pelo visto esta cheio de surpresas. Que bom que a protagonista amadurece já estava com receio de não gostar dela. Mas não gostei do triangulo amoroso, embora esse pareça ser diferente dos outros.

    ResponderExcluir
  8. Olá Julia,
    Quero muito ler essa distopia, cada vez que vejo um conto ou novo volume sendo lançado a vontade de ler o quanto antes aumenta. Já vi vários comentários positivos a respeito da série, estou bem empolgada pra iniciar a leitura, especialmente pra conferir essa narrativa eletrizante, o suficiente para permitir que o livro seja lido sem interrupções, adoro isso!
    Beijos

    ResponderExcluir
  9. Hey, tudo bom?
    Adorei ler A Rainha Vermelha, a escrita me prendeu muito. O final foi tipo: UAU! Fiquei de boca aberta. Estou muito ansiosa para iniciar a leitura de A Espada de Vidro e também a de Coroa Cruel.

    ResponderExcluir
  10. Apesar de não ser original sempre tem aquelas surpresinhas, né? E também a escrita dos autores se diferencia. Já pensei muito em ler esse livro,já desisti, mas resolvi que vou ler. rs Mare logo de cara não foi uma personagem por quem senti simpatia e acho que vou ficar dividida também entre gostar ou não dela.

    ResponderExcluir
  11. Olá Ju!!!
    Eu gosto de distopias, porém tenho fugido um pouco delas pois realmente até agora só "Jogos Vorazes" e "A Seleção" me agradaram.
    Eu vejo muita coisa maravilhosa sobre esse livro, mas o enredo dele não me chama atenção e não sei se conseguiria ler.
    Porém, sua resenha tá incrível e maravilhosa como sempre.
    Você explanou muito bem todo o livro :)

    lereliterario.blogspot.com

    ResponderExcluir
  12. Oi Ju! Amei esse livro, história excelente, super eletrizante, estou doida pra ler os outros livros dessa série.
    Bjs

    ResponderExcluir

Agradeço muito sua visita e peço que participe do blog, deixando um recadinho. Opiniões, idéias, sugestões, são muito importantes para fazer o blog cada vez melhor!
Assim que possível, retribuirei a visita.

Beijos, Julia G.