Brutal - Luke Delaney

Sinopse: O que levaria alguém a golpear outra pessoa na cabeça e, na sequência, esfaqueá-la 77 vezes? O garoto de programa Daniel Graydon jamais imaginaria que encontraria tamanha perversão nos clientes com quem saía. Mas viu seu fim se aproximar ao ir contra sua regra de ouro: nunca levar os homens para casa. Seu parceiro sexual e algoz, porém, tinha algo de sedutor e era difícil recusar a proposta de uma noite regada a sexo, e muito bem paga. Daniel tornara-se apenas uma das vítimas de um personagem sombrio, cuja pulsão pela morte o levava a matar com regularidade e método. Cada morte representando um passo adiante no aperfeiçoamento da macabra arte de tirar vidas: cruel, dolorosa, limpa e sem pistas. Um desafio para a polícia de Londres e sua divisão de Crimes Graves do Grupo Sul, liderada pelo atormentado detetive-investigador Sean Corrigan. (Skoob)
DELANEY, Luke Brutal. Editora Rocco, 2015. 416 p.

A partir do assassinato de um garoto de programa, o detetive Sean Corrigan se depara com pistas de outros assassinatos que compravam a existência, há anos, de um serial killer extremamente inteligente, meticuloso e cruel. Começa, então, uma corrida para impedir que o assassino mate novamente. Essa é a premissa básica de Brutal, mas seu conteúdo é muito mais abrangente.

Delaney conseguiu criar dois trunfos enormes em sua obra: o primeiro, é que o autor já fez parte da força policial metropolitana de Londres, o que lhe rendeu bagagem suficiente para descrever, minuciosamente, como as coisas funcionam durante a investigação de um assassinato; o segundo trunfo, é que o livro tem sua narrativa principal feita em terceira pessoa, mas quando o assassino age, a narrativa passa para primeira pessoa. Isso cria um mistério, por não sabermos quem é o narrador, ou seja, o assassino, como também causa uma ânsia maior pela forma cruel com que ele escolhe e mata suas vítimas.

E essa parte, a das mortes, é particularmente angustiante. Delaney não economiza nos detalhes, no sangue, em nada. O leitor acompanha o assassino desde o início de seu planejamento, até a execução do ato. E quando começa a perpetuar o crime, ele compartilha seus pensamentos, seus sentimentos, por mais grotescos e nojentos que sejam. A repulsa é enorme!

"Se vocês fossem sequer capazes de entender a beleza e a clareza do que estou fazendo. Vejam só, meu próprio ser é um testamento à Natureza. A seu caráter impiedoso. Sua completa falta de compaixão. Sua violência. Vocês precisam deixar de lado as regras da Natureza e escolher viver segundo outras leis. Moralidade. Moderação. Tolerância. Eu não."

Sean Corrigan e o assassino são dois personagens inteligentes, que sabem perfeitamente como cada um deles age. Mesmo assim, eles não são infalíveis, nem são gênios do crime. Por isso, o leitor consegue acompanhar o que cada um faz, como faz e compreender como um deles consegue escapar e o outro procurar por pistas. Ou seja, o autor permite que o leitor consiga, por si só, descobrir as coisas.

Embora a narrativa seja detalhista, ela o é apenas em um nível necessário para o entendimento do que acontece. Na verdade, ela é bastante interessante, principalmente para quem não conhece como funciona a burocracia policial, ou como pensa um psicopata.

Mesmo assim, o que senti falta foi um pouso mais de suspense. Isso deve ao fato de que nenhum dos personagens principais, com exceção na parte final, corre risco de vida direto. O que senti durante a leitura, foi curiosidade e necessidade de chegar logo à prisão do assassino. Isso não chega a ser um ponto negativo, mas que poderia ter sido melhor explorado.

E o final de Brutal chega a ser surpreendente, não pela descoberta de quem é o assassino, porque o leitor consegue fazer isso antes do clímax, mas porque surge uma competição de egos entre o detetive e um outro personagem, que não termina, mas se prolonga para além do fim da história. Como Brutal é a primeira aventura de Sean Corrigan, acredito que essa rixa irá continuar no próximo volume da série. E isso é muito bom!
Carlos H. Barros
Carlos H. Barros

Carlos tem várias paixões: livros, gibis (muitos gibis), filmes, séries e jogos (muitos jogos de PC e consoles), fotografia, natação, praia e qualquer chance de viajar para conhecer novos lugares e pessoas. Lamenta o dia ter apenas 24 horas - é muito pouco -, e não saber desenhar. Autor também do blog Gettub

9 comentários:

  1. Gostei muito da resenha, amo livros policiais e os últimos que li do gênero não deixaram nada a desejar, então estou bem empolgada com o tema. Mas nem tudo é perfeito e fiquei desanimada quando vi que o livro vai ter sequência, estou tentando ao máximo evitar series por enquanto.

    ResponderExcluir
  2. Oie Carlos =)

    Não conhecia o livro, mas achei a premissa interessante e até mesmo um pouco original. Uma pena não ser livro único, por que de verdade ando cansada de séries.

    Beijos;***

    Ane Reis.
    mydearlibrary | Livros, divagações e outras histórias...
    @mydearlibrary

    ResponderExcluir
  3. Olá.
    Gostei muito da sua resenha, bem explicada e clara em relação aos pontos do desenvolvimento do enredo. Gosto muito do gênero policial. Esse livro, por tudo que você comentou, com certeza é uma boa leitura, forte e intensa. E acho mais interessante ainda se for uma série de livros. Ótima dica. Obrigada. Abraços.

    ResponderExcluir
  4. Oii!
    Adorei! Esse gênero sempre me surpreende, ainda mais qdo o autor sabe como prender o leitor nessas histórias de suspense!
    Qroo ler!!

    ResponderExcluir
  5. Gosto de historias assim que envolve assassinatos e o mistério que ronda sobre o assassino, mas esse é diferente o leitor descobre quem é pensei que o autor deixaria para o final. Deve ser angustiante a parte que ele comete os assassinatos, já que o autor não economiza nas descrições. Adoro finais que surpreende.

    ResponderExcluir
  6. Já estava bastante interessada em ler esse livro só pela sinopse, e agora depois de ver essa resenha fiquei ainda mais curiosa em conferi essa história, curto muito investigação, policial, suspense.

    ResponderExcluir
  7. Somente a premissa do livro me ganhou :)
    Sei que sempre fico impressionada quando leio livros com serial killer e com banho sangue. Estar dentro da cabeça do assassino é fascinante ao mesmo tempo que acho aterrorizante e até repulsivo como você citou. Como o livro faz parte de uma serie vou colocar em uma lista de "talvez um dia" :)

    ResponderExcluir
  8. Esse livro faz muito o meu gênero.Gosto muito de filmes e livros policiais e fiquei cheia de curiosidade em ler esse.
    Pena que faltou um suspense... Faz toda a diferença nesse estilo de livro.

    Valeu pela ótima dica!!!

    ResponderExcluir
  9. Já vi esse livro, mas nunca me interessei em ler. Mas quem sabe um dia, né?

    ResponderExcluir

Agradeço muito sua visita e peço que participe do blog, deixando um recadinho. Opiniões, idéias, sugestões, são muito importantes para fazer o blog cada vez melhor!
Assim que possível, retribuirei a visita.

Beijos, Julia G.