Inácio: O Cantador-Rei da Catingueira

Sinopse: Inácio de Catingueira, menino-escravo, um dos precursores do repente no sertão da Paraíba, deixou sua história na boca do povo, como memória cultural coletiva. E é a partir da tradição oral que a história surge neste livro, como uma biografia romanceada, mais ligada às tradições do que a fatos documentados e informações oficiais, trazendo traços da cultura de um povo que, há muito, é renegado pelo racismo e pelo preconceito. (Skoob)
HOLANDA, Arlene. Inácio: O Cantador-Rei da Catingueira. Editora Gaivota, 2014. 76 p.


Através de uma narrativa simples, sem muitos floreios, Arlene Holanda dá a conhecer a breve história de Inácio, um escravo, filho apenas de mãe, uma vez que o pai era desconhecido, mas suspeitava-se ser o senhor do engenho, que tornou-se um dos maiores repentistas do nordeste.


Metade das poucas páginas que compõem este livro, concentram-se em explicar como funcionavam as fazendas e o regime de escravatura da região. Logo em seguida, somos apresentados ao nascimento de Inácio, a venda de sua mãe, uma vez que a esposa do fazendeiro sentia ciúmes dela, sua exclusão por parte dos outros escravos e, finalmente, a descoberta do talento repentista.


Foi através dos duelos entre cantadores, que Inácio construiu sua vida. Se não como homem totalmente livre, pelo menos o mais próximo que a época permitia. Seu senhor permitia que ele se ausentasse e acumulasse os bens que adquiria das pelejas e apresentações, o que permitiu que construísse uma moradia própria e mantivesse algum dinheiro consigo.


O acontecimento mais famoso, e que até hoje perdura pelas histórias da catingueira, foi o duelo que ele travou com o maior repentista da época, Romano da Mãe D'Água, e que durou dias. Uns dizem três dias. Outros dizem até oito dias. O que se tem certeza, é que Inácio venceu o duelo e imortalizou seu nome.


A pequena obra, Inácio: O Cantador-Rei da Catingueira, possui ilustrações belíssimas, além de reproduções de alguns dos versos usados pelo repentista. A leitura é extremamente rápida e agradável, indicada para qualquer um que ame o Brasil e a diversidade cultural que possuímos. Sem mencionar o quão bem seria se a obra fosse inserida em nossas escolas.
Carlos H. Barros
Carlos H. Barros

Carlos tem várias paixões: livros, gibis (muitos gibis), filmes, séries e jogos (muitos jogos de PC e consoles), fotografia, natação, praia e qualquer chance de viajar para conhecer novos lugares e pessoas. Lamenta o dia ter apenas 24 horas - é muito pouco -, e não saber desenhar. Autor também do blog Gettub

9 comentários:

  1. Oi, Carlos!!
    Adorei conhecer esse livro que fala um pouco da história do Brasil eu gostei muito da premissa do livro que conta a vida de um escravo que é um dos precursores do repente no sertão da Paraíba, nossa sem dúvida é uma obra bem instigante!!
    Beijoss

    ResponderExcluir
  2. O título do livro não me chamou atenção, não seria um livro que pararia para prestar atenção mas depois da resenha mudei da ideia. Gosto muito de história, adoro livros inseridos nesse contexto e é sempre bom conhecer mais a história do seu país.

    ResponderExcluir
  3. Uma vez vi resenha desse livro e achei interessante porque diziam que servia até como uma forma diferente de estudo, já que falava de umas questões bem interessantes do país. Achei legal e ele é bem fácil e rápido de ler não é mesmo? É uma leitura válida e gostaria de ver como ele é.

    ResponderExcluir
  4. Eu não conhecia este livro, mas lendo um pouco mais sobre a história em sua resenha, não sei se leria, a história não faz muito meu estilo de leituras, mas quem sabe futuramente eu leia.

    ResponderExcluir
  5. Carlos!
    Muito feliz em ver retratado no livro o repente nordestino, um dos nossos maiores orgulhos.
    Gostaria de ler para acompanhar o nascimento e crescimento de Inácio e se tem ilustrações, ainda melhor.
    “Há mais, muito mais, para o Natal do que luz de vela e alegria; É o espírito de doce amizade que brilha todo o ano. É consideração e bondade, é a esperança renascida novamente, para paz, para entendimento, e para benevolência dos homens.” (Desconhecido)
    Boas Festas!
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    TOP Comentarista de DEZEMBRO ESPECIAL livros + BRINDES e 4 ganhadores, participem!

    ResponderExcluir
  6. Não conhecia esse livro, fiquei bastante interessada em ler, curto muito a cultura nordestina e história com ilustrações.

    ResponderExcluir
  7. Oi Carl.
    Gostei bastante da resenha, mas acho que esse não é um livro para mim, apesar de gostara muito dessas figuras que o livro tem, achei a premissa interessante principalmente por contar a história de um escravo, coisa que não vemos muito por ai, mas no momento acho que não leria.
    Boa Tarde.

    ResponderExcluir
  8. Apesar de uma historia interessante sobre a época dos escravos, não sei se leria, não chamou muito minha atenção. Achei legal o senhor do Inácio dar certa liberdade pra ele, pois naquela época os escravos sofriam e muito, muito menos conseguiam algum dinheiro.

    ResponderExcluir
  9. Uma professora falou sobre esse livro bem rapidamente, nem deu tempo gravar o nome.. Lendo a resenha me bateu aquela vontade de ler, já vai entrar na lista!

    ResponderExcluir

Agradeço muito sua visita e peço que participe do blog, deixando um recadinho. Opiniões, idéias, sugestões, são muito importantes para fazer o blog cada vez melhor!
Assim que possível, retribuirei a visita.

Beijos, Julia G.