As mil noites - E. K. Johnston

Sinopse: Clássico da literatura universal, as histórias de As mil e uma noites estão no imaginário de todos — do Oriente ao Ocidente. É impossível que alguém nunca tenha ouvido falar sobre Ali Babá e seus quarenta ladrões, ou sobre Aladim e o gênio da lâmpada. Ou sobre Sherazade, a mulher sagaz e inteligente que se casou com um homem cruel, e, por mil e uma noites, driblou a morte narrando contos de amor e ódio, medo e paixão, capazes de dobrar até mesmo um rei. Em As mil noites, a história se repete, mas com algumas diferenças…
Quando Lo-Melkhiin chega àquela aldeia — após ter matado trezentas noivas —, a garota sabe que o rei desejará desposar a menina mais bela: sua irmã. Desesperada para salvar a irmã da morte certa, ela faz de tudo para ser levada para o palácio em seu lugar. A corte de Lo-Melkhiin é um local perigoso e cheio de beleza: intricadas estátuas com olhos assombrados habitam os jardins e fios da mais fina seda são usados para tecer vestidos elegantes. Mas a morte está à espreita, e ela olha para tudo como se fosse a última vez. Porém, uma estranha magia parece fluir entre a garota e o rei, e noite após noite Lo-Melkhiin vai até seu quarto para ouvir suas histórias; e dia após dia, ela continua viva.
Encontrando poder nas histórias que conta todas as noites, suas palavras parecem ganhar vida própria. Coisas pequenas, a princípio: um vestido de seu lar, uma visão de sua irmã. Logo, ela sonha com uma magia muito mais terrível, poderosa o suficiente para salvar um rei... (Skoob)
JOHNSTON, E. K. As mil noites. Editora Intrínseca, 2016. 320 p.

Já ouviram falar de Sherazade, a mulher que se casou com um homem cruel e conseguiu sobreviver por mil e uma noites? Provavelmente sim, mas se não ouviu falar dela, com certeza já viu algo sobre as histórias que ela contava para o marido noite após noite, como Aladim, Ali Babá, ou outras. As mil noites, de E. K. Johnston, tem uma premissa semelhante: para salvar a irmã da morte certa, a protagonista se casa com um rei que já teve centenas de esposas, todas mortas por alguma razão inexplicável. As semelhanças com a história original, porém, se encerram por aí, pois a autora envereda por um caminho completamente diferente, mas tão instigante quanto.

A primeira coisa que preciso comentar sobre esse livro é sobre como fiquei impressionada com a construção de uma trama tão rica sem o uso de nomes para os personagens, com exceção de Lo-Melkhiin, o rei. Narrado pela voz da protagonista, o texto identifica os demais personagens pela relação de parentesco: minha irmã, minha mãe, a mãe da minha irmã, a mãe de meu marido, e por aí vai. É estranho no início, pois parece faltar um aspecto principal dos personagens, mas com o tempo se acostuma e o mais interessante é que não há qualquer dificuldade para saber de quem se está falando. Além dos capítulos principais, apenas alguns poucos capítulos (oito, para ser mais exata) possuem outro narrador, e contribuem para explicar os elementos sobrenaturais existentes na trama.

O sobrenatural, aliás, é a principal inovação trazida por E. K. Johnston. Vou ser sincera e confessar que eu esperava tudo, menos isso. Não achava que a história de As mil e uma noites pudesse ser contada com magia e seres fantásticos, mas isso se fez possível, lindamente. De alguma forma, a fantasia se encaixou perfeitamente na história, e deu um tom de encanto aos mistérios e à força das areias do deserto.

"[...] uma garota de cada aldeia e distrito dentro dos muros da cidade, e então o ciclo recomeçaria. Muitas garotas haviam sido perdidas, e eu não queria perder minha irmã para ele. As histórias eram claras com relação a duas coisas: Lo-Melkhiin sempre levava uma garota, e ela sempre, sempre morria."

As mil noites tem uma narrativa fluida, gostosa de acompanhar. A leitura é bem rápida, mas não pelos motivos comuns. A obra é interessante e envolvente, deixa o leitor ansioso por saber o que acontecerá com os personagens, e se diferencia porque não é daquelas tramas intensas cheias de ação e reviravoltas, assim como não é repleta de romance. Sua maior qualidade está, na verdade, na intensidade dos sentimentos que provoca, na paixão inserida em cada palavra. O que dá complexidade ao texto é a força da crença, assim como o amor, a magia e a esperança. É difícil explicar, porque não é algo concreto que dá corpo à narrativa, mas o encantamento trazido pela fé de tantos personagens.

Outro aspecto interessante e relacionado à fé é a correlação, implícita no texto, com a força das mulheres. Apesar de apenas insinuar, em certo trecho do livro, quanto poder a oração das mulheres tem, vi muito mais ali do que a simples força do pensamento. Johnston incutiu a ideia, sem em momento algum deixar isso claro, do quanto as mulheres são poderosas quando se unem, quando se voltam ao mesmo objetivo. Adorei a reflexão discreta, e espero que mais pessoas tenham notado isso.

As mil noites não é, portanto, um livro de romance ou de guerra; é um livro sobre irmandade, união e amor, nas suas mais puras formas.

De resto, só me resta observar o quanto a edição deste livro é linda. Além da linda combinação de cores da capa e das letras douradas, a parte interna da capa é toda decorada e colorida, e os capítulos iniciam com rendas intrincadas. Se as publicações da Intrínseca tendem sempre a agradar, para essa vale uma menção especial.


Ju - Conjunto da Obra
Ju - Conjunto da Obra

Apaixonada pela leitura desde a infância, tantos livros lidos que é impossível quantificar. Alguém que vê os livros como uma forma de viajar o mundo e lugares mais incríveis que possam ser criados pela imaginação, sem precisar sair do lugar. Tem o blog como uma forma de dividir experiências e, principalmente, as emoções que as leituras despertaram, para compartilhar idéias e aproveitar sugestões de leitura, envolvendo mais e mais pessoas em um mundo onde a imaginação não tem limites.

20 comentários:

  1. Estou curtindo bastante ler releituras nesses últimos meses.
    As Mil Noites já está na minha listinha de desejados e espero conferir em breve.
    Parece ser uma leitura ótima. Fiquei ainda mais animada depois de ler sua resenha.
    E essa edição está linda demais mesmo. Compraria o livro só pela capa rs
    Beijos,
    Caroline Garcia

    ResponderExcluir
  2. Oi Ju
    Que interessante este livro, eu ainda não li As Mil e uma noites, mas numa aula de literatura na facul a prof cometou sobre e achei muito legal o livro. Fiquei com vontade de ler esta releitura, pelos teus comentários parece ser bom.

    Beijinhos
    http://diariodeincentivoaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Oi, Ju!!
    Essa edição realmente é linda!! Adoro releituras de histórias principalmente essa da As Mil e Uma Noites!! Adorei conhecer mais dessa história e sem dúvida fiquei com uma vontade enorme de ler As mil noite!!
    Beijoss

    ResponderExcluir
  4. O livro começou a me ganhar logo na capa. Linda demais!
    Gosto muito dos contos das mil e uma noites e saber que a autora conseguiu com maestria misturar magina na história só me fez gostar ainda mais *_*

    ResponderExcluir
  5. Ué, não tem nome dos personagens? Que louco! Deve dar uma sensação de se entrar na cabeça da personagem então. Achei legal esse detalhe.
    E estou querendo muito ler esse livro pelo contexto da história de As mil e uma noites, achei interessante fazer uma trama assim. Também parece interessante ver como a religião influencia a vida da personagem e pelo jeito não é uma coisa chata que fica batendo na mesma tecla, tem todo um modo mais sutil e velado de se tratar desse assunto. Parece muito bom ^^

    ResponderExcluir
  6. esse livro é no mínimo interessante. a autora (?) fez um trabalho instigante tirando o foco da história original e criando um livro que mexe mesmo com a imaginação de quem ler sem apelar, pelo contrário, achei estranho mas muito legal a maioria dos personagens não terem nomes hahaha muito original! a capa é belíssima! edição super bem caprichada. aparecendo oportunidade eu leio com certeza!

    ResponderExcluir
  7. Já estava bastante interessada em ler esse livro só pela sinopse, e agora depois de ver essa resenha fiquei ainda mais curiosa em conferi essa releitura dese clássico da literatura universal.

    ResponderExcluir
  8. Fui atraída por esta belíssima obra que, apesar de ser mais uma releitura dos clássicos contos das mil e uma noites, traz uma trama em prosa bem diferente de sua referência, com elementos fantástico e muito mistério. E achando que a estória foi contada de uma forma bem peculiar, acredito que irei me surpreender com a leitura.
    Beijos!!

    ResponderExcluir
  9. Já fiquei obcecada com o livro já logo de cara achei incrível essa o livro todo bem trabalhado e super consistente, não vou prometer ler o livro por agora mais espero poder ler em breve.
    Até mais!!!

    ResponderExcluir
  10. Ju eu ainda não tinha lido nenhuma resenha do livro, gostei mto!
    A capa foi o q me prendeu atenção logo de começo, enredo tá bem bacana tbm...
    Vai direto pra lista!
    Bjs!

    ResponderExcluir
  11. Segundo livro que vejo que usa o conto de Mil e Uma Noites como pano de fundo, mas são coincidências que param por aí já que cada escritor deu seu toque pessoal a história. Narrações em primeira pessoa são sempre estranhas pra mim, demoro um pouco pra engrenar a leitura, e achei mais estranho ainda se referir a um personagem não pelo nome, mas, sim, pelo grau de parentesco.

    ResponderExcluir
  12. Oie Ju =)

    É sempre assim, um autor lança um livro com uma temática do nada surgi vários livros seguindo o mesmo tema. Agora a nova moda é livros com a temática das histórias das Mil e Uma Noite e lendas árabes.

    Eu particularmente estou adorando, afinal mesmo amando mitologia grego/romana admito que livros com ela de plano de fundo já não me chamam tanto a atenção.

    Pretendo ler esse livro em breve, pois todas as resenhas que leio dele são bem positivas e isso me deixa bem curiosa rs...

    Beijos;***
    Ane Reis | Blog My Dear Library.

    ResponderExcluir
  13. Uma capa tão simples, mas que me chamou tanto a atenção.
    Quando bati o olho no título não dei nada para história, mas lendo seu post fiquei morrendo de vontade de ler "As Mil Noites" e claro, já adicionei ele no Skoob. Fiquei curiosa para saber as histórias que ela conta, porque acredite ou não, não sei nem a história de Aladim (já ouvi falar, mas não me lembro de detalhe algum), Assim que tiver a oportunidade, lerei.

    ResponderExcluir
  14. Eu não conhecia este livro, mas inicialmente a capa me chamou muito a atenção!
    Lendo um pouco mais sobre a história, acabei me interessando pelo livro, e ficando bem curiosa para saber o que vai acontecer, então sem dúvidas eu leria As Mil Noites.

    ResponderExcluir
  15. Eu já conhecia a história e achei bem legal que a escritora quis mostrar um lado mais profundo pro conto. Mas tenho uma objeção, porque não colocar um nome ? será que não fica confuso na hora da leitura ? Se bem que você iria comentar se teve dificuldade nesse quesito. Eu particularmente acho a história interessante mas se iria ler já é outra história porque eu escuto muitos boatos bons em relação ao livro e já li muitas resenhas legais mas nada ainda me chama atenção pra esse livro. Quem sabe um dia.

    ResponderExcluir
  16. Já começa com mistério em torna das noivas mortas fiquei super curiosa em saber o que acontece se o rei é realmente culpado e achei bem diferente os personagens não terem nomes, como adoro sobrenatural e fantasia é um prato cheio pra mim, vou querer ler rs. Parece uma historia que passa sentimentos bons ao leitor.

    ResponderExcluir
  17. Gostei mto da resenha. Não conhecia o livro. Adoro q tenham sido incluídos os seres sobrenaturais (amo fantasia). Mas o q mais me chama atenção nesse livro é a questão da força das mulheres! Foi pra lista com certeza!

    ResponderExcluir
  18. Nhóim, gosto de livros que não focam em romance e falam sobre união e irmandade.
    Acho que no início eu me irritaria bastante com o fato dos personagens não terem nome, mas ainda bem que depois de um tempo dá pra entender bem a quem se refere

    Beijos,
    Kemmy - Duas Leitoras

    ResponderExcluir
  19. As mil e uma noites sempre foi uma daquelas histórias que eu sempre conheci e nunca tive curiosidade de saber mais, até que minha professora de português resumiu a história e eu fiquei muito curiosa na época. Li os livros e me encantei. Quero ler este também, com certeza!

    Ps. Não entendi quando você disse que não tem fantasia nas mil e uma noites e que a Johnston que colocou, porque, até onde eu sei, nas história que a Sherazade conta tem fantasia sim

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bianca, que eu recorde, nas histórias que a Sherazade conta tem fantasia, mas não na história dela mesma, sabe? No caso do livro, a protagonista mesmo se vê envolvida com magia "real". Não sei se consegui explicar.

      Beijos

      Excluir

Agradeço muito sua visita e peço que participe do blog, deixando um recadinho. Opiniões, idéias, sugestões, são muito importantes para fazer o blog cada vez melhor!
Assim que possível, retribuirei a visita.

Beijos, Julia G.