Especial #8: E para quem não gosta de carnaval?




Apesar de termos nascido no chamado "país do carnaval", é mais comum do que pensamos conhecer alguém que não gosta desta data.

Barulho, trânsito, bêbados... Seja lá qual for o motivo, nem todo mundo curte os dias de folia e prefere outras formas de entretenimento no feriado.

Assim sendo, resolvi trazer algumas dicas de leitura que não fogem ao tema e são super nacionais, mas que não ficam apenas na festança. Afinal, se você está aqui, lendo isso, é quase óbvio que gosta, ao menos, de livros. Faço uma observação para dizer que ainda não tive oportunidade de ler nenhum desses livros, eles foram selecionados para esta coluna de acordo com o assunto que abordam.


Nelson Motta

Quase todo mundo deve ter ouvido comentários sobre a série global O Canto da Sereia. Tanto os que assistiram quanto os que não tiveram oportunidade, podem conferir também a versão literária dessa história.




Esqueça os detetives de outrora, que circulam por ruelas escuras e frias, envoltos em trajes soturnos e enigmáticos. O investigador baiano Agostinho Matoso, o insaciável Augustão, prefere calças brancas e camisas floridas, freqüenta os ensaios do Olodum e nunca enfrentará questões de magnitude com a cara limpa - um cerveja gelada, por favor, uma rede, quem sabe um baseado, Miles Davis e Jorge Benjor, porque há que se matutar, e muito para decifrar o crime que paralisou a cidade.
Nunca se viu nada parecido na Bahia. O assassinato da musa do carnaval em plena terça-feira gorda, eletrizou Salvador - quem teria motivos para matar a linda Sereia, que aos 22 anos se tornara uma estrela exuberante do pop nacional? A princípio ninguém, mas a lei do suspense clássico também vigora neste noir baiano: incluindo o mordomo, são todos suspeitos.
Plugado no computador, seu bom e velho Macintosh, Augustão vai rastrear a vida dos principais envolvidos nesta trama insólita. Os criadores de Sereia, seus produtores artísticos, a fiel empresária, o chefe político local, a mãe-de-santo mais poderosa da Bahia - a vida de cada um será vasculhada pelo sagaz investigador, capaz de cometer deliciosas irresponsabilidades para atingir seus objetivos.


Jorge Amado

Não é segredo para ninguém que o autor baiano sempre colocava em suas obras a essência brasileira. E como não falar do carnaval? Pelo menos dois livros tocam no assunto: O país do Carnaval e Dona Flor e seus dois maridos.



Romance de estreia, escrito quando Jorge Amado tinha dezoito anos, O país do Carnaval (1931) é, apesar do título irônico, mais sombrio e introspectivo que a maioria dos livros que fizeram dele o ficcionista mais popular da literatura brasileira. A narrativa começa no navio que traz de volta ao Brasil o jovem filho de fazendeiro Paulo Rigger, depois de sete anos em Paris, onde cursara direito e absorvera comportamentos e ideias modernas. Nos primeiros dias que passa no Rio de Janeiro, Rigger tenta compreender um país onde já não se sente em casa, um país que tenta timidamente superar seu atraso oligárquico e ingressar na era industrial e urbana. De volta a Salvador, ele participa de um grupo de poetas fracassados e jornalistas corruptos que giram em torno do cético Pedro Ticiano, cronista veterano. Todos se sentem insatisfeitos e buscam um sentido para a existência: no amor, no dinheiro, na política, na vida burguesa ou na religião. Nesse romance de geração, as dúvidas e angústias dos personagens espelham a situação do país, que naquele momento passava pela Revolução de 30 e procurava redefinir seus rumos.





Num domingo de Carnaval, Vadinho parou de sambar e caiu duro. Uma vida de boemia chegava ao fim: cachaça, jogatina e noites de esbórnia arruinaram o jovem malandro. Dona Flor acorreu em prantos ao corpo do marido, fantasiado de baiana. Em sete anos de casamento, sofrera com as safadezas de Vadinho, mas o amava.
Viúva, Florípedes Guimarães concentra-se nas aulas de cozinha na escola Sabor e Arte. Um ano depois da morte de Vadinho, porém, o desejo do corpo lhe incendeia o recato da alma.
O farmacêutico Teodoro Madureira surge como pretendente. Do namoro e de um noivado púdico, eles passam ao casamento. Cerimonioso e equilibrado, o segundo marido é o oposto do primeiro. Dr. Teodoro vive para a farmácia e para os ensaios de fagote. Flor é feliz com ele, mas sente um vazio que não sabe definir.
Certa noite, depois de um ano de casada, dona Flor toma um susto: Vadinho está nu, deitado na cama, rindo e acenando para ela. O fantasma do malandro passa a viver com o casal.
No melhor estilo de crônica de costumes, Dona Flor e seus dois maridos descreve a vida noturna de Salvador, seus cassinos e cabarés, a culinária baiana, os ritos do candomblé e o convívio entre políticos, doutores, poetas, prostitutas e malandros.


Luiza Trigo

Ainda que não seja muito conhecido, Carnaval parece ser um livro divertido... e bem brasileiro!

Gabi decide passar o carnaval com as primas no Recife: praias, música, amigos, sol, diversão... A receita ideal para Gabriela curar a dor de cotovelo depois de ver o ex-namorado beijando uma garota. Para falar a verdade, ela nem gostava mais dele, e era capaz de enumerar seus defeitos sem pestanejar; mas vê-lo assim aos beijos mexeu com o coração da menina. Decidida a esquecer o ex de uma vez, Gabi faz as malas e deixa o Rio para uma semana de muita curtição no Nordeste. Ela só não contava com a possibilidade de se apaixonar de verdade em pleno Carnaval! Carnaval conta a história de Gabi, Felipe, Pedro, Juju e Bel, e de um Carnaval inesquecível emoldurado pelas belezas de Pernambuco. Em meio a festas animadas, shows, esticadas até Porto de Galinhas e deliciosos mergulhos e banhos de piscina, Gabi acaba se envolvendo com Pedro, um garoto superfofo e gente boa. Mas quem vai mexer de verdade com o coração da menina é Felipe, pena que ele não esteja solteiro... Apesar das confusões à vista, a química entre Gabi e Felipe é mais forte, e os dois vivem um intenso amor de carnaval. Mas será que esse amor tem chances de sobreviver ao tempo e à distância, quando a quarta-feira de cinzas chegar, e com ela os últimos dias da viagem de Gabi? Carnaval é um romance juvenil com o qual qualquer adolescente vai se identificar.


Vários Autores

E para finalizar, um livro de Histórias do Carnaval, com contos de vários autores nacionais renomados, como Machado de Assis e Clarice Linspector.







Para além do estereótipo do Brasil como o “país do carnaval”, é impressionante observar como essa festa importada da Europa se adaptou e se expandiu em nossas terras. A literatura, decerto, não ignorou o fato e registrou a forte presença do carnaval na cultura brasileira.

Estão reunidos neste livro seis contos de alguns dos nossos maiores escritores: “Um dia de entrudo”, de Machado de Assis; “O último entrudo”, de Raul Pompéia; “O meu carnaval”, de Lima Barreto; “O bebê de tarlatana rosa”, de João do Rio; “Uma senhora”, de Marques Rebelo; e “Restos do carnaval”, de Clarice Lispector. Essas histórias nos permitem acompanhar momentos da trajetória do carnaval no Brasil. É uma boa oportunidade para pensarmos em como essa festa adquiriu uma feição tão brasileira e se tornou emblemática da miscigenação e de nossa identidade cultural.




Eu vou curtir meu feriado com um pouquinho de cada coisa. E vocês, o que farão?




Ju - Conjunto da Obra
Ju - Conjunto da Obra

Apaixonada pela leitura desde a infância, tantos livros lidos que é impossível quantificar. Alguém que vê os livros como uma forma de viajar o mundo e lugares mais incríveis que possam ser criados pela imaginação, sem precisar sair do lugar. Tem o blog como uma forma de dividir experiências e, principalmente, as emoções que as leituras despertaram, para compartilhar idéias e aproveitar sugestões de leitura, envolvendo mais e mais pessoas em um mundo onde a imaginação não tem limites.

31 comentários:

  1. Adorei o post, eu sou uma falsa brasileira porque nunca vi um garota que quase nada a agrada como eu, eu odeio o carnaval porque fica muita gente grudada prefiro ficar em casa segura rs.
    adorei os livros, principalmente os do Jorge amado
    beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Lola, com esse post encontrei muito mais gente do que imaginava que nao gosta de carnaval, então é super normal, nem se preocupa! rsrs

      Excluir
  2. Oi Ju!
    Não sou a maior entusiasta do carnaval, mas também não me importo.
    Eu fiquei curiosa pra ler O Canto da Sereia. Não assisti à minissérie, mas ouvi os bons comentários quando ela foi ao ar!
    Beijão!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mi, eu só assisti ao último capítulo, acredita? Agora já sei o final :(

      Excluir
  3. Não sabia que tinha esse tanto de livros relacionados ao carnavel
    Mas amei as dicas

    Beijos
    @pocketlibro
    pocketlibro.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Angela, para ser sincera, nem eu! rsrs
      Fiz a mesma pesquisa ano passado para fazer um post do gênero, mas não consegui livros suficientes. Esse ano eles simplesmente apareceram ;)

      Excluir
  4. Oi Ju!

    Não sou tãaaaao fã do carnaval, mas gosto bastante! Te confesso que nesse feriado não peguei em livros, por falta de ânimo talvez... Mas fiquei curiosa a respeito de "Histórias do Carnaval", estou lendo uma obra de Machado de Assis!

    Beijão!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Sofia, também foi um dos que mais me interessou.

      Excluir
  5. Eu leria Carnaval, da Luiza Trago. Nunca ouvi falar no livro mas parece bem divertido :D
    E O Canto da Sereia tb tenho vontade de ler!
    Eu amo carnaval, mas tb amo os livros rsrs

    Bjs,
    Kel
    www.itcultura.com.br

    ResponderExcluir
  6. oi querida,
    gostei muito das dicas. Fiquei querendo ler O Canto da Sereia e Dona Flor. Já tinha lido outro do Jorge Amado, o capitães da areia, e adorei, então deve ser bom.
    boa semana
    ;*

    dudsparrow.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  7. Livros maravilhosos! queria todos eles, principalmente os do jorge amado e "o canto da sereia", não tive tempo de ver a minissérie, e de qlqr forma n é a mesma coisa kkkk
    bjs.

    ResponderExcluir
  8. Oi Julia!

    O post caiu perfeitamente para mim,não gosto de carnaval.O Canto da Seria deve ser muito bom, a minissérie mostrou uma história repleta de suspense,gostei muito.Ótimas dicas.

    Bjos

    http://www.roubandolivros.com

    ResponderExcluir
  9. Não sou fã de carnaval. Até gosto de dar uma espiada na TV para olhar os carros alegóricos(são muito bonitos) mas é só.
    Porém acho que leria este livro "carnaval", achei a capa fofa!

    Bia | www.livroseatitudes.com.br

    ResponderExcluir
  10. Oi Julia!
    Fiquei com bastante vontade de ler O Canto da Sereia depois da série que passou na Globo, mas infelizmente acho que não terei oportunidade. Dos outros livros citados o que mais tenho curiosidade em conhecer é Carnaval, que parece um chick-lit bem leve.
    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Também tenho essa impressão Dessa ;) Também leria.

      Excluir
  11. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  12. Adorei as dicas *-* Queria muito ler O Canto da Sereia, sempre que vejo na livraria, eu quase compro :)

    Beijos. Tudo Tem Refrão

    ResponderExcluir
  13. Oi, Julia!
    Apesar de morar no Rio de Janeiro, eu fujo o máximo que posso do carnaval. Não curto e odeio mais ainda a quantidade de pessoas que invadem a cidade nessa época. Tem festa em qualquer esquina e pra quem quer ficar quietinho curtindo o feriado essa época é horrível.rs
    O Canto da Séria chamou muita atenção depois da série da Globo (que eu adorei!).Nunca li nenhum dos livros que você indicou e vou deixar anotado aqui para ler futuramente.
    Beijos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É Dé, acho que no seu caso só subindo a serra mesmo! rsrs
      Também estou curiosa por esse livro, tomara que tenhamos oportunidades de ler.

      Excluir
  14. Oi Julia, tudo bem?
    Confesso que até gosto um pouco de carnaval hahaha fico empolgada com os desfiles, acho tudo lindo e um dia ainda quero sair em alguma escola.
    Mas meu feriado foi bem literário... Não li nenhum dos que você indicou, mas consegui ler três livros que eu estava com muita vontade!
    Beijos, Carol - Le-Rêveur

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Uau Carol, três livros em um feriado? Eu empaquei em uma leitura não tão proveitosa, esperava ter lido mais.

      Excluir
  15. Oi, do Jorge Amado apenas li Gabriela...gostei das dicas aqui!
    Beijos
    http://marlicarmenescritora.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  16. Não gosto muito de livros sobre carnaval, prefiro ficar de fora completamente. haha Mas obrigada pelas dicas!
    Beijos!
    Nataly Nunes
    http://critiquinha.com/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. rsrs, também é uma boa opção Nataly. Mas tem alguns livros aí que gostaria de ler, não pelo Carnaval em si, mas pela história.

      Excluir
  17. Eu não gosto de carnaval, mas sim de axé :)
    E conheço muita gente que não curte carnaval..

    ResponderExcluir
  18. Oi Julia, tudo bem flor?
    Meu carnaval foi bem literário pra falar a verdade , gosto da data pra aproveitar o tempo e curtinha uma preguiça em casa, mas gostei bastante das suas dicas. Tenho muita vontade de ler O Canto da Sereia, mas mais por causa da série que foi bem interessante. Carnaval parece ser um chick-lit bem legal e bem brasileiro rsrs.
    Abraços,
    Amanda Almeida

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Amanda, o meu também foi basicamente literário, e curti muita preguicinha em casa ;D

      Excluir
  19. Legal o post eu também não gosto do carnaval sempre sai pra ir acampar nessa data e claro levo um bom livro comigo hehe

    bjos

    ResponderExcluir
  20. Quem não gosta de carnaval é uma boa época pra aproveitar o feriado e ler livros, assistir filmes e séries e quem pode fazer viagens! Qualquer feriado é ótimo... sempre tem um jeitinho pra faze-lo valer a pena! :D
    Mas no meu rolou muita preguiça hahaha

    ResponderExcluir

Agradeço muito sua visita e peço que participe do blog, deixando um recadinho. Opiniões, idéias, sugestões, são muito importantes para fazer o blog cada vez melhor!
Assim que possível, retribuirei a visita.

Beijos, Julia G.