A Era de Ouro do Pornô - Zeka Sixx

Sinopse: Max tem vinte e nove anos e mora sozinho em um apartamento em Porto Alegre. Faz bicos como tradutor e sonha em ser escritor, enquanto passa os dias bebendo, esperando o fim de um bloqueio criativo que o aflige há três anos. Você já leu essa história milhares de vezes, certo? Não exatamente. "A Era de Ouro do Pornô", primeiro romance de Zeka Sixx, autor do livro de contos "O Caminho dos Excessos" (Edição do Autor, 2015), parte de uma premissa aparentemente batida para se revelar uma fábula maldita, encharcada em álcool, sexo, cultura pop e niilismo. Mais do que Max, o anti-herói central, é a cidade de Porto Alegre, com seus habitantes - do sexo feminino, em especial -, o verdadeiro personagem do romance. O enredo se desdobra como uma montanha-russa, indo do sonho ao pesadelo num virar de página. "A Era de Ouro do Pornô" é uma sátira a uma geração que colocou sobre seus próprios ombros a necessidade de ser criativamente relevante. (Skoob)

SIXX, Zeka A Era de Ouro do Pornô. Editora Multifoco, 2016. 160 p.

Filmes pornográficos existem desde que se inventou a câmera de filmar, ainda na época do cinema mudo. Para o leigo, eles são feitos sem qualquer tipo de preparo, de qualidade e são marginalizados pela sociedade, embora a maioria dessa mesma sociedade já tenha visto, em algum momento, algum desses filmes, na Internet ou na televisão.

Uma informação que a maioria das pessoas não conhece é que os filmes pornô são divididos em categorias, que definem o tipo de sexo que será visto. Por exemplo, se o filme possui sadomasoquismo, se é homossexual feminino ou masculino, se há penetração anal, se acontecem fetiches de fluidos corporais (!), se quem filme é quem realiza o ato, e assim por diante.

Em A Era de Ouro do Pornô, o autor faz um passeio sexual por todos esses gêneros, sempre com mulheres diferentes e com muitos detalhes e explicações. Não é uma viagem para qualquer leitor, porque não há a supressão de adjetivos quanto ao que está acontecendo com os personagens. O sexo é apresentado de forma direta, sem meias palavras, bruto, independente de qual categoria ele se aplique. E várias dessas relações sexuais podem embrulhar o estômago do leitor mais sensível, ou limitado por suas paredes pré-concebidas.


Vou confessar que até ler a obra de Zeka Sixx, Jim Carbonera era o único autor, que eu conhecia, que conseguia transmitir uma história sem um enredo definido de forma interessante, com acontecimentos do cotidiano, com um linguajar rude, mas descolado. Sixx vai a um nível um pouco abaixo, utilizando diálogos mais crus ainda, com situações totalmente livres que qualquer preconceito, transformando a vida do personagem principal em uma sequência de eventos desprovidos de planejamento futuro, onde o que importa é o momento, é o que está acontecendo, é com quem ele está transando.

Os sentimentos de Max, o narrador e personagem principal, são moldados pelos encontros com as diversas mulheres que passam pelo seu dia. Sim, porque seus relacionamentos não costumam durar mais do que algumas horas, apenas o suficiente para conseguir transar. Mas isso não quer dizer que ele abandona a mulher. Suas parceiras são tão efêmeras quanto ele, e sabem perfeitamente o que irão receber e o que irão entregar. Não há subterfúgios para levar alguma delas para a cama. As conversas de conquista são diretas, francas, sinceras, e ambos os lados sabem perfeitamente o que esperar um do outro.

A Era de Ouro do Pornô não é apenas uma descrição de alguns dias na vida de Max, mas uma explicação minuciosa da quantidade de tipos de sexo que um casal pode praticar, ou assistir numa biblioteca de filmes pornográficos. É uma rápida, que deve ser apreciada sem qualquer tipo de preconceito.

Ah, e um detalhe importante: muito bem escrita, tanto a nível de narrativa, quanto de gramática e ortografia, algo que está ficando raro, mesmo nas publicações de grandes editoras, cada vez mais displicentes na revisão das obras.
Carlos H. Barros
Carlos H. Barros

Carlos tem várias paixões: livros, gibis (muitos gibis), filmes, séries e jogos (muitos jogos de PC e consoles), fotografia, natação, praia e qualquer chance de viajar para conhecer novos lugares e pessoas. Lamenta o dia ter apenas 24 horas - é muito pouco -, e não saber desenhar. Autor também do blog Gettub

14 comentários:

  1. Olá, Carlos.
    Eu também me vi envolvida pela obra do autor assim que pus a mão no exemplar. Mesmo lendo livros eróticos nada me prepararia para a gama de sensações que A Era de Ouro do Pornô me fez sentir, sem contar que eu simplesmente amei a forma crua e nua como o autor dita sua narrativa.
    Beijo, Visite o Leitora Encantada

    ResponderExcluir
  2. Oie
    Eu já havia lido outra resenha sobre este livro, e confesso que não é o tipo de livro que me chama atenção. Mas gostei de ter mais informações sobre e sua opinião sobre a obra.

    Beijinhos
    http://diariodeincentivoaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. O livro parece bem interessante, essa resenha me deixou ainda mais curiosa em conferi isso tudo, não tenho preconceito com nenhum tipo de leitura.

    ResponderExcluir
  4. Oii Carlos! Já tinha lido uma resenha desse livro, comecei ler esse gênero á pouco tempinho, não como este tão forte e intenso, mas tô gostando, qqr dia qro ler esse tbm...
    Bjs!

    ResponderExcluir
  5. Uau! Essa palavra que veio na minha mente ao ler a sinopse e a resenha desse livro. Parece cativante e ao mesmo tempo real.
    Adoro esse estilo de leitura, e é mesmo ainda banalizado pela sociedade. Mas não deixa de ser uma leitura completa e maravilhosa! Adoraria ler esse livro 😉
    Abraços

    ResponderExcluir
  6. Acredita que o meu exemplar desse livro chegou hoje?? O autor fez uma parceria comigo e me enviou de cortesia, estou louca pra conferir por ter um tema não muito abordado. é bem curtinho e acredito que será uma leitura bem rápida. Fico feliz em saber que posso elevar um pouco as minhas expectativas.
    Um abraço!

    http://paragrafosetravessoes.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Carlos!
    Já li os livros do Jim e gostei, justamente pela forma crua os escreve e acredito que gostaria de ler esse pela diversidade de formas sexuais que o autor imprime, embora não seja leitura para o momento, quero coisas menos superficiais.
    “A vida guarda a sabedoria do equilíbrio e nada acontece sem uma razão justa.” (Zíbia Gasparetto)
    cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
  8. Por mais que tenha sido bem escrito e seja interessante, esse não é o tipo de livro que eu costumo ler. Talvez eu dê uma chance um dia, mas não por enquanto. Ótima resenha!

    Abraços :)

    ResponderExcluir
  9. Não costumo gostar de livros desse gênero, acho que eles sempre seguem uma receita que não funciona para mim mas esse me pareceu ser diferente dos outros e além disso parece ser muito bem escrito, não sei se leria mas ele despertou minha curiosidade.

    ResponderExcluir
  10. Parece interessante ver esse outro lado do porno de uma forma mais crua e realista, pois o livro deve ser bem descritivo nos detalhes. Fiquei curiosa em ler parece ser diferente dos que estamos acostumados a ver com certa frequência.

    ResponderExcluir
  11. Oi!
    já tinha ouvido falar desse livro, mas nunca prestei muita atenção nele. Já li livros eróticos e não sou preconceituosa por isso fique bastante curiosa principalmente porque você diz que o autor usa uma linguagem crua e realista. Parabéns pela resenha.
    Beijos!!!

    ResponderExcluir
  12. começando pelo fim adorei o comentário sobre a questão da gramática e ortografia
    as vezes eu achava que era implicância minha de achar erros. mas, pelo jeito não
    eu não conhecia o livro parece ser bem interessante
    estou dividida, por ser um livro mais realista.
    em algumas coisas eu sou bem extremistas: ou documentários ou uma ficção (como será que eu posso explicar? )... e esse é pelo jeito no meio termo

    ResponderExcluir
  13. Sou conhecida por "Maria Capa",quem me deu esse nome? Eu mesma,pelo simples fato de ir pelas capas dos livros(mesmo que não deveria),mas o que me chamou a atenção nesse livro não foi capa,não foi autor e sim o nome. Um nome chamativo de alguma forma,pois ele desperta a curiosidade(até que muito). Eu tinha que ler sua resenha para entender e gostei tanto,pena que esse livro é um dos que não posso comprar já que né? Ficar amostra numa casa onde se existem pais não seria legal. Porém penso em baixar em pdf(coisa que não gosto,mas penso em fazer). Gostei muito da resenha,parabéns,você escreve muito bem. :D

    ResponderExcluir
  14. Oi,a resenha é bem interessante,mas nunca tive interesse em livros com essa temática.

    ResponderExcluir

Agradeço muito sua visita e peço que participe do blog, deixando um recadinho. Opiniões, idéias, sugestões, são muito importantes para fazer o blog cada vez melhor!
Assim que possível, retribuirei a visita.

Beijos, Julia G.