O presente - Cecelia Ahern

Sinopse: Todos os dias, Lou Suffern luta contra o tempo. Ele tem sempre dois lugares para ir, tem sempre duas coisas a fazer. Quando dorme, sonha com os planos do dia seguinte, e, quando está em casa, com a esposa e os filhos, sua mente está, invariavelmente, em outro lugar.
Numa manhã de inverno, Lou encontra Gabe, um morador de rua, sentado no chão, sob o frio e a neve, do lado de fora do imenso edifício onde Suffern trabalha.
Os dois começam a conversar, e Lou fica muito intrigado com as informações que recebe de Gabe; informações de alguém que tem observado uniões improváveis entre os colegas de trabalho de Lou, como os encontros da moça de sapatos Loubotin com o rapaz de sapatos pretos...
Ansioso por saber de tudo e por manter o controle sobre tudo, Lou entende que seria bom ter Gabe por perto — para ajudá-lo a desmascarar associações que se formam fora de suas vistas — e lhe oferece um emprego.
Mas logo o executivo arrepende-se de ajudar Gabe: sua presença o perturba. O ex-mendigo parece estar em dois lugares ao mesmo tempo, e, além disso, Gabe lhe fala umas coisas muito incomuns, como se soubesse do que não deveria saber...
Quando começa a entender quem é realmente Gabe, e o que ele faz em sua vida, o executivo percebe que passará pela mais dura das provações.
Esta história é sobre uma pessoa que descobre quem é. Sobre uma pessoa cujo interior é revelado a todos que a estimam. E todos são revelados a ela. No momento certo. (Skoob)
AHERN, Cecelia. O presente. Ribeirão Preto, SP: Novo Conceito Editora, 2013. 320 p.


Lou havia se casado com uma mulher incrível e dedicada, mas a vida parecia separá-los dia a dia. Talvez ele não percebesse, mas era apenas consequência de sua conduta: Lou precisava, a todo o tempo, estar em dois lugares fazendo coisas diferentes para dar conta de suas tarefas e garantir seu emprego, bem como uma possível promoção. Mas, para isso, ele tinha de abdicar de alguma coisa, e mesmo aquilo que se propunha a fazer nunca tinha a sua devida atenção, e a família ficava em segundo plano, para depois. Mas depois... quando?

Em um dia como qualquer outro, Lou ofereceu um café para um mendigo que sempre estava em frente ao prédio onde trabalhava: Gabe. O fato de Gabe saber tanto sobre todos o intrigou. O café acabou se tornando uma oferta de emprego, com segundas intenções por parte de Lou, mas logo Gabe estava infiltrado em tudo o que ele fazia. Apesar de parecer inofensivo, alguma coisa naquele sujeito o incomodava, e Lou não podia imaginar como Gabe mudaria sua vida.

“Lou sentiu a agressividade no ar. A família lhe dava as costas e falava sobre lugares onde ele nunca estivera, sobre pessoas com quem ele nunca conversara. Ficou ali, sentindo-se deslocado, enquanto os outros riam de piadas que ele não entendia, piadas internas que traziam lembranças a todos, menos a ele. Era como se estivessem falando uma linguagem secreta, um idioma que Lou era totalmente incapaz de compreender. Após algum tempo, ele parou de fazer perguntas que nunca eram respondidas e parou também de escutar, e percebeu que ninguém se importava com isso também. Estava distante demais da família para tentar entrar, numa única noite, num lugar onde não havia nenhuma vaga disponível.” (p. 243)

Depois de muito tempo sem ler nada escrito por Cecelia Ahern, O Presente veio com uma bela mensagem sobre o que realmente importa na vida. A autora virou de pernas para o ar, durante a história, os conceitos que ela própria construiu no início da obra e conseguiu mostrar que não há pessoas boas ou más, apenas escolhas, que nos levam aos caminhos que traçamos. Isso porque a autora soube construir personagens que pareciam engessados em certas características que causavam repulsa, especialmente Lou, mas mostrou também que eles tinham qualidades e com o tempo, os erros e acertos, não houve como ficar à parte ou não torcer por cada um deles.

Lou parecia preso em algum tipo de armadilha do tempo, em sua corrida constante, e mesmo que ele achasse que estava tudo sob controle, sempre havia algo que era deixado para trás, sempre algo importante. E Cecelia conseguiu mostrar de uma forma belíssima que pode haver outra chance, ainda que pareça tarde demais. Mostrou também que coisas além de nossa compreensão podem fazer diferença no nosso caminho, ainda quando não acreditamos.

“– Você tem 14 anos e acha que tem todo o tempo do mundo, mas não é assim. Nenhum de nós tem. Nós gastamos o tempo com a mesma força e indiferença que as pessoas que fazem compras nas liquidações de janeiro gastam seu dinheiro. [...] 
– Mas você pode ganhar mais dinheiro. Quem se importa? 
[...] 
– Bem, isso faz com que o tempo seja mais precioso que o dinheiro, mais precioso do que qualquer coisa. Você nunca pode ganhar mais tempo.  Quando uma hora passa, uma semana, um mês, um ano, você nunca consegue recuperá-los.” (p. 313)

A linguagem utilizada pela autora traz várias frases e passagens de peso, bem como cenas encantadoras, de partir o coração. Um mistério ronda a história, e os núcleos de cruzam de forma inesperada. O final do livro é uma mistura de amor, felicidade e tristeza, que me fez sentir como se tivesse perdido uma parte de mim mesma, mas ganhado tantas outras, que me transformei, ao menos um pouco. A história talvez não faça ninguém ficar grudado nela, mas se a leitura for feita de coração aberto, muita coisa pode se aproveitar dela.

Não quero falar muito do livro para não soltar nenhuma informação que não deva, então a resenha corre o risco de parecer pela metade. De qualquer forma, quero deixar claro que é uma leitura que vale a pena, por que além de ter a escrita deliciosa da autora, traz consigo reflexões sobre nossos atos e sobre como eles refletem em nossa vida.




Ju - Conjunto da Obra
Ju - Conjunto da Obra

Apaixonada pela leitura desde a infância, tantos livros lidos que é impossível quantificar. Alguém que vê os livros como uma forma de viajar o mundo e lugares mais incríveis que possam ser criados pela imaginação, sem precisar sair do lugar. Tem o blog como uma forma de dividir experiências e, principalmente, as emoções que as leituras despertaram, para compartilhar idéias e aproveitar sugestões de leitura, envolvendo mais e mais pessoas em um mundo onde a imaginação não tem limites.

13 comentários:

  1. Oi Júlia muita gente não gostei desse livro da Cecelia, mas eu adorei principalmente a mensagem que ele traz. Achei o final bem triste e esperava que fosse diferente.
    A única coisa que não gostei foi que até agora não sei o que ou quem é o Gabe. Provavelmente a intenção da autora era deixar essa pergunta no ar, mas acho que merecíamos algumas pistas mais claras.

    Beijos
    Caline - http://mundo-de-papel1.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Acho que você falou muito bem sobre o livro. Eu o li recentemente e achei muito válida a mensagem que a história transmite. Muito atual também. Mas o livro não chegou a me emocionar de fato, nem o achei surpreendente. De todas as formas, gosto da narrativa da autora, leve e que torna a leitura deliciosa.

    Um beijo, Livro Lab

    ResponderExcluir
  3. Parece um livro bem inspirador, Julia. Do tipo que nos faz pensar em nós mesmos, em nos jogar em uma autoavaliação, para que possamos rever nossos atos e melhorar nossas escolhas futuras, para que tracemos caminhos melhores.
    Ótima resenha!

    Sacudindo Palavras

    ResponderExcluir
  4. EI Julia,

    Ah que lindo, eu gosto muito da autora e não li ainda por falta de tempo mesmo. Mas espero conseguir ler em breve.
    bjs

    ResponderExcluir
  5. OI Ju*
    Li muitas resenhas positivas deste livro e estou louquinha para ler. Essa capa é maravilhosa.

    Beijos*

    ResponderExcluir
  6. Se você teve dificuldade até em falar mais sem contar spoilers, é porque a história é boa mesmo e só lendo para ter ideia de toda emoção do livro. Da autora, eu só li P.S. Eu te amo e gostei bastante. Acho que posso esperar uma boa leitura com esse livro.

    ResponderExcluir
  7. Cecelia tem essa grande vantagem em seus livros, emociona, da aquele "suspense" na história e ainda deixa toda uma mensagem positiva, apesar de muitas vezes fazer as lágrimas virem com força. foi a primeira resenha de O Presente que li tão simples e delicada, amei Ju. acredito que Lou reflete um pouco do que cada pessoa carrega um pouquinho, vamos as vezes deixando tudo pra depois e aí o tempo passa né. quero muito ler esse livro =)

    ResponderExcluir
  8. Não achei a resenha pela metade, não! Pelo contrário, acho que escreveu bem sobre o livro e suas impressões na leitura dele. Confesso que a escrita da Cecelia não me atrai nem um pouco, só li P.S: Eu te amo e não gostei da leitura. Mas esse livro parece ser cativante ><

    Beijos
    http://mon-autre.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. O livro parece ser uma graça e deu vontade de lê-lo. E a resenha não ficou pela metade não, está ótima.

    Adorei aqui e estou seguindo. Aguardo a sua visitinha.

    M&N | Desbrava(dores) de livros

    ResponderExcluir
  10. Oie Ju =)

    Estou tentando tirar a "má impressão" que fique da autora por causa de P.S Eu te amo, mas até agora eu não me animei muito de ler nenhum dos outros livros dela =/

    Esse livro parece ter uma história cativante e humana, e isso já me deixa um pouco mais animada.

    E sua resenha ficou perfeita como sempre <3! Adorei

    Beijos;***

    Ane Reis.
    mydearlibrary | Livros, divagações e outras histórias...
    @mydearlibrary


    ResponderExcluir
  11. Adorei a sua resenha, amei a capa do livro e estou interessada em ler. Pois parece ser uma historia daquelas que a gente pega não vai querer largar!! Beijos e parabéns pelo blog!!

    ResponderExcluir
  12. Apesar de nossas opiniões finais sobre O Presente terem sido diferentes, acho que, no fim, tiramos as mesmas experiências. Como você disse, não é um livro fantástico, mas é bom, sim.

    Beijo,
    Nádia
    https://www.facebook.com/alemdolivro

    ResponderExcluir
  13. Olá Julia,

    Li esse livro e gostei demais, aliás os livros dessa autora são ótimos e realmente vale muito a leitura....parabéns pela sua resenha...abraços.

    devoradordeletras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir

Agradeço muito sua visita e peço que participe do blog, deixando um recadinho. Opiniões, idéias, sugestões, são muito importantes para fazer o blog cada vez melhor!
Assim que possível, retribuirei a visita.

Beijos, Julia G.