Respeitável Público - Henrique Schneider

Sinopse: Teodoro Alegria governa a cidade de Galateia a fogo e favores. Entre os ofícios pouco urgentes e a fome intratável, com a esposa e a filha tranquilas e um tanto tristes, ele vive como acha que deve ser. Eis que chega o Holywood, pobre na estrutura, rico na extravagância. O trapezista com olhos cor de púrpura, a cigana com aroma de sândalo, o dono do circo com dentes de ouro — todos dispostos a oferecer ao respeitável público um espetáculo com tradição e grandeza. No dia da estreia, uma força inexplicável surge como ameaça ao poder do prefeito. Destino? Sorte? Do picadeiro ao gabinete, nas ruas malcuidadas e nos cafés sonolentos, agora só se fala nisso. (Skoob)

Livro recebido em parceria com a Editora
SCHNEIDER, Henrique. Respeitável Público. Porto Alegre: Dublinense, 2015. 126 p.

Respeitável Público, de Henrique Schneider, foi o primeiro livro que recebi em parceria com a Editora Dublinense, e preciso confessar que estou em conflito com a história desde que terminei a última página. Gostei bastante da leitura, mas sinto que o autor queria passar algo nas entrelinhas, algo que me escapou, e eu não consigo, por conta disso, enxergar o sentido do todo. É um pouco frustrante, mas se tornou difícil parar de racionalizar sobre o livro.

A trama se passa em uma cidade do interior, Galateia, e tem como personagens principais o prefeito, Teodoro Alegria, e sua família. Totalmente opostos ao nome de família, nem Teodoro, nem Madalena, sua esposa, ou Alba Rosa, filha do casal, parecem ter um mínimo de luz própria. Enquanto ele se afunda na rabugisse, elas vivem no mundo do silêncio, dos sonhos e da melancolia. São personagens tão propensos a uma só característica que figuram como caricatos, exagerados. Nada existe em pouca quantidade naquela família, tudo é muito.

Como promessa de um fulgor àquela cidade estagnada, chega o circo Holywood. Sempre impregnado de magia, como não poderia deixar de ser, ainda que decadente, o circo traz consigo um ar de esperança e de mudança. A própria mágica do circo confere novidades à mesmice popular e, por óbvio, todos estão presente na inauguração.

O engraçado sobre a mágica do circo, nesta história, é que ela realmente existe e é quase imperceptível aos mais céticos, até ficar completamente inegável. Quando o dono do circo comentou sobre gêmeos siameses separados por um terremoto, ou sobre a mulher barbada que acidentalmente se barbeou, tudo que eu conseguia imaginar é que o pequenino homem possuía uma criatividade exacerbada para inventar desculpas tão esdrúxulas. Só que, em determinado momento do livro, tudo começa a ficar tão completamente esdrúxulo e irreal que só é possível pensar que, naquela trama, tudo é possível. O avô de Alba Rosa que o diga!

A obra faz ainda uma crítica suave sobre política e poder e retrata com maestria o descaso dos representantes eleitos com o povo, com ressalva, é claro, ao período eleitoral. Há um toque de ironia na escrita do autor que torna essas passagens mais leves e engraçadas, mas é um pouco triste ver como somos todos tratados diariamente como palhaços.

A escrita de Henrique Schneider possui uma característica toda própria, de construção indefinível. A leitura é, por isso, desafiadora, já que parece sempre dizer mais do que está escrito. O único problema que tive foi, como eu disse no início, a sensação de que eu perdi algum detalhe. Considerando que cada frase podia representar mais de uma coisa ao mesmo tempo, sinto que não percebi algum dos significados e minha leitura ficou incompleta. Claro que isso pode ser só cisma minha e não ter outro significado oculto a ser compreendido, mas eu realmente tive essa sensação.

A confecção do livro está linda, a começar pela capa. Os detalhes em preto na parte interna do livro dão um ar artístico à obra e é notável o cuidado dispensado pela editora para que tudo ficasse tão belo.

Respeitável Público trata-se de um livro nacional que, em suas pouquíssimas páginas, conseguiu ser mais rico que muitos dos livros que já li. Para quem quiser um livro intrigante e desafiador, mas ao mesmo tempo rápido e gostoso de ler, está mais do que recomendado.



Ju - Conjunto da Obra
Ju - Conjunto da Obra

Apaixonada pela leitura desde a infância, tantos livros lidos que é impossível quantificar. Alguém que vê os livros como uma forma de viajar o mundo e lugares mais incríveis que possam ser criados pela imaginação, sem precisar sair do lugar. Tem o blog como uma forma de dividir experiências e, principalmente, as emoções que as leituras despertaram, para compartilhar idéias e aproveitar sugestões de leitura, envolvendo mais e mais pessoas em um mundo onde a imaginação não tem limites.

16 comentários:

  1. Oi!
    Sou louca pra ler esse livro, gosto mto do gênero, o enredo me agrada mto!
    Parabéns pela resenha, tá dmais!
    Bjs!

    ResponderExcluir
  2. Confesso que pela capa não daria muito pelo livro. Mas ele parece ser interessante e um desafio ao mesmo tempo, devido ter outros significados a ser desvendado pelo leitor. Fiquei intrigada por essa família do prefeito ser assim mal humorada.

    ResponderExcluir
  3. Olá.
    Não conhecia o livro e nem o autor, mas a premissa é bem interessante. Não sei se chegarei a ler, mas acredito que será sucesso entre os fãs do gênero e para aqueles que procuram uma leitura rápida e inteligente. Muito esclarecedora sua resenha. Abraços.

    ResponderExcluir
  4. Meio estranho quando a gente não entende uma história assim ou fica com a sensação de ter perdido algo. Já tive uma experiência assim e olha, acho que reler ajuda. Quem sabe vem alguma coisa a mente... Ele não é muito grande, então até dá pra fazer isso.
    Parece ser legal, acho que iria gostar de ler essa história. Tem algumas críticas e um humor que não deixa ficar chato, então deve ser interessante.

    ResponderExcluir
  5. Oi!
    Ainda não conhecia esse livro mas gostei muito da historia, no começo não sabia muito para que lado ela iria, mas achei bem interessante esse ar de tudo é possível que o circo trás ao livro, deixando a historia ainda mais especial e achei bem interessante a critica que o autor faz !!

    ResponderExcluir
  6. Eu não conhecia esse livro, mas já gostei por se tratar de um tema diferente do que eu costumo ver por aí. Aliás, nunca li nada sobre circos, mas adorei saber que realmente existe um pouquinho de fantasia no meio, uma vez que a mágica é real. É realmente horrível quando ficamos com essa sensação que não pegamos a mensagem que o autor queria passar, não é? Fiquei assim quando finalizei o Peter Pan recentemente, como se fosse um aperto no peito. Enfim, gostei muito da sua resenha e você me verá mais vezes por aqui!
    Um abraço!

    http://paragrafosetravessoes.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Ola.
    Nunca tinha ouvido falar do livro, autor ou da editora. Mas fiquei bastante curiosa com o enredo.
    Gosto de tramas ricas e que trazem certas criticas sociais e este livro parece a pedida perfeita. Sem falar na originalidade do tema.

    ResponderExcluir
  8. Se não me engano já tinha visto uma resenha desse livro mas fiquei na dúvida se valeria a pena ler ou não, acho que sua resenha me tirou a dúvida e cheguei a conclusão de que não leria. A história parece ser bem trabalhada mas não gosto de ler alguma coisa e ficar sem entender alguns aspectos e também não gosto de exageros.

    ResponderExcluir
  9. Vou te falar que achei a capa linda ! Me lembra mesmo algo relacionado à estrutura de um circo. Mas, eu fiquei um pouco confusa com a sinopse!
    Se eu lesse ela antes de comprar, não efetuaria a compra.
    Fiquei triste com as características iniciais dos personagens, passam pra gente algo tao cinzento ne ?
    Depois da Zua resenha percebi que o circo não pertence a eles.. Porque pela sinopse, senti que essa era a informação passada. Agora deu pra entender mais um pouquinho, parece ser uma leitura intrigante !
    Beijos

    ResponderExcluir
  10. Eu não sou lá muito fã de qualquer história que tenha circos, mas até que achei o enredo legal. Não sei se leria pois fiquei com um pé atrás pelo que você disse sobre ter muitas coisas nas entrelinhas. Isso nem sempre me agrada muito. Ainda não consegui decidir se o livro vai ou não pra lista de desejados.

    Abraços :)

    ResponderExcluir
  11. Já estava bastante interessada em ler esse livro só pela sinopse, e agora depois de ver essa resenha fiquei ainda mais curiosa em conferi essa história que parece ser ótima.

    ResponderExcluir
  12. Ju!
    Gosto dos livros ambientados no circo, afinal, meu pai foi homem de circo e por suas histórias (verídicas), tudo é um tanto mágico mesmo.
    Talvez o autor queira passar uma mensagem mais pessoal, de acordo com a vivência e a crença de quem o lê, por isso a sensação de ter deixado 'escapar' algo.
    Gostei e quero ler.
    “Educar é semear com sabedoria e colher com paciência.” (Augusto Cury)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    TOP Comentarista de SETEMBRO com 3 livros + BRINDES e 3 ganhadores, participem!

    ResponderExcluir
  13. Oiie
    Eu nunca tinha ouvido falar no livro ou no autor antes da sua resenha, mas devo dizer que ADOREI o título! Ainda mais com a temática e a crítica política que parece existir dentro do livro. Fiquei muito curiosa para ver se eu consigo descobrir essa coisa das entrelinhas uaheuaheuahe
    Beijos

    ResponderExcluir
  14. Que livro lindinho, nunca vi falar dele e nunca li algo parecido também. Parabéns pela resenha, muito boa! 😘

    ResponderExcluir
  15. nunca tinha escutado falar nem da editora para vc ter noção
    adorei a ideia de usar um circo como pano de fundo a criticas, sem falar q eu tenho uma quedinha com histórias que se passam em circo

    ResponderExcluir
  16. Nunca tinha ouvido falar nesse livro,mas que ele parece ser bom ele parece.A resenha faz você querer saber mais sobre a história.Parabéns,ficou muito bom.

    ResponderExcluir

Agradeço muito sua visita e peço que participe do blog, deixando um recadinho. Opiniões, idéias, sugestões, são muito importantes para fazer o blog cada vez melhor!
Assim que possível, retribuirei a visita.

Beijos, Julia G.