Grey - E. L. James

Foto: Carlos Barros

Na voz de Christian, e através de seus pensamentos, reflexões e sonhos, E L James oferece uma nova perspectiva da história de amor que dominou milhares de leitores ao redor do mundo. Christian Grey controla tudo e todos a seu redor: seu mundo é organizado, disciplinado e terrivelmente vazio – até o dia em que Anastasia Steele surge em seu escritório, uma armadilha de pernas torneadas e longos cabelos castanhos. Christian tenta esquecê-la, mas em vez disso acaba envolvido num turbilhão de emoções que não compreende e às quais não consegue resistir. Diferentemente de qualquer mulher que ele já conheceu, a tímida e quieta Ana parece enxergar através de Christian – além do empresário extremamente bem-sucedido, de estilo de vida sofisticado, até o homem de coração frio e ferido. Será que, com Ana, Christian conseguirá dissipar os horrores de sua infância que o assombram todas as noites? Ou seus desejos sexuais obscuros, sua compulsão por controle e a profunda aversão que sente por si mesmo vão afastar a garota e destruir a frágil esperança que ela lhe oferece?

JAMES, E. L. Grey. Rio de Janeiro: Intrínseca, 2015. 524 p.

Quando eu li Cinquenta Tons de Cinza há uns dois anos atrás (e só primeiro volume da série, não consegui ler os outros dois de jeito nenhum), fiquei tentando imaginar o porquê de tanto sucesso. Como diz a minha mãe, tem gosto para tudo. Mas enfim, o ponto em que eu quero chegar é que mesmo tendo detestando a visão de Anastasia Steele para essa história, minha curiosidade para saber a visão do enigmático Christian Grey estava gigante. 

Todo mundo sabe quando uma história faz sucesso demais e tal história é originalmente narrada pela personagem feminina, podemos esperar a visão masculina. Há quem ame, há quem odeie, mas o fato é que iremos ler a mesma coisa. Eu mesma não coloco lá muitas expectativas nesses livros, já que sei exatamente o que vai acontecer. No caso de Grey, o único diferencial foi conhecermos o interior de Christian, sempre muito introspectivo. Nesse ponto a autora acertou, já que Grey é um personagem muito mais interessante e melhor construído do que a mocinha. 

Aqui, encontramos uma narrativa muito mais sombria e infinitamente mais escrachada do que em Cinquenta Tons de Cinza, afinal, querendo ou não é um homem narrando e os pensamentos dele são muito mais fortes. Conhecemos um pouco da misteriosa relação de Christian com Elena, detalhes sobre a sua infância antes e depois de ser adotado e várias outras coisas que deixaram a maioria dos leitores mortos de curiosidade, mas ainda assim não achei suficiente.  

Eu sei que já devia estar acostumada nessa altura do campeonato, mas meu Deus, o linguajar dele me irritava completamente. Okay, nas muitas cenas de sacanagem, dominação e todas essas coisas que eu já estava esperando eu não me assustava, mas o jeito de ele conversar normalmente era muito vulgar. Os pensamentos então, acho melhor nem comentar. Mas uma coisa que eu gostei de ler foi o avanço do sentimento de Christian pela Ana, aqui eu pelo menos tive a impressão de que foi real. 

Gente, vocês que são fãs que me desculpem, mas eu preciso falar: COMO QUE UMA CRIATURA ACEITA FAZER UM CONTRATO DE DOMINAÇÃO EM UM RELACIONAMENTO PELO AMOR DE DEUS? Porque nossa, com certeza o sonho de TODA mulher é que todos os aspectos da vida dela sejam controlados por um homem, nossa sem ora. Não consigo nem pensar que existem mulheres que aceitam esse tipo de coisa... Quem em sã consciência entra em um quarto cheio de brinquedos masoquistas e acha lindo? Deus me livre. Para mim isso está longe de ser um relacionamento normal, quanto mais saudável. 

Infelizmente eu esperava alguma coisa diferente. Sim, eu juro que esperava. A impressão que tive foi que a  E. L. James simplesmente pegou o arquivo de Cinquenta Tons de Cinza e mudou uns pensamentos aqui e acolá. Esperava muito mais da sua infância conturbada, como já disse antes e, principalmente, da sua vida antes de conhecer Anastasia. Como já disse antes, cada pessoa tem um gosto diferente, mas acho bem triste um livro tão fraco fazer tanto sucesso, ainda mais se compararmos com algumas outras obras brilhantes que não tem tanta visibilidade.

Ana Clara
Ana Clara

Amante de livros sonha em ter uma biblioteca gigantesca em casa. Lê qualquer coisa que colocarem na frente, desde biografias a rótulos de shampoo. Detesta cachorros e, para ela, os gatos são as criaturas mais fantásticas do mundo. Quando o assunto é música, não cansa de mostrar seu amor pelos Beatles, além de ser fã de fé dos Engenheiros do Hawaii. Também é apaixonada por MPD e louca por O Teatro Mágico do último fio de cabelo até a planta dos pés. Se quiserem saber mais, acompanhem também o blog Roendo Livros.

12 comentários:

  1. Eu sempre tive muito preconceito com esses livros, acho um absurdo machista essa história de dominação e etc e nunca tive vontade de ler, acho que se lesse esse livro na visão do personagem masculino ia ficar com mais nojo ainda.

    ResponderExcluir
  2. Oi, Ana!
    Quando começou o boom desse livro e sobre BDSM, eu dei uma pesquisada no assunto pra ter a mente mais aberta pra história.
    Realmente, essa história de dominador/submisso não rola comigo, mas tem muita gente que se sente melhor com uma relação assim. Na verdade, tem muita gente que se realiza como pessoa e seu lado sexual com uma relação do tipo. Eu nunca vou entender, mas, também não julgo.
    Beijos
    Balaio de Babados

    ResponderExcluir
  3. Ana!
    Como diz maridão: O mundo é completo e tem de tudo que imaginamos e o que não imaginamos também...
    Talvez para nós que tivemos uma educação mais rígida, não concebemos as atitudes, o contrato, o relacionamento, etc... porém, tem gente que gosta desse tipo de prática...
    Desejo um 2016 carregado de saúde, realizações e muito sucesso em tudo que empreender.
    “O Ano Novo começa literalmente quando nos desprendemos dos velhos vícios que carregamos dentro de nossos corações.Façamos do dia primeiro de janeiro um dia de libertação e começo de uma vida de superação e busca por dias melhores.” (Alison Aparecido Ferreira)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Oie Ana =)

    Sinceramente eu não tenho nenhum interesse em ler a série Cinquenta Tons e até mesmo o filme não consegui assistir até o final. Na verdade nem na metade cheguei.
    Uma pena a leitura de Grey não ter surpreendi você, como o esperado. Infelizmente as vezes acontece.

    Beijos e Feliz Ano Novo!
    ;***

    Ane Reis.
    mydearlibrary | Livros, divagações e outras histórias...
    @mydearlibrary

    ResponderExcluir
  5. Oi Ana eu tenho a trilogia cinquenta tons de cinza eu amo os livro eu fiquei com vontade de ler esse e ver a estoria contada pelos olhos do Christian eu só queria que a capa tivesse sido os olhos do Jamie Dornan ia ficar incrível bjs.

    ResponderExcluir
  6. Bom, acho melhor guardar para a minha mais profunda opinião.
    Ana, eu ano sei explicar, mas quando antes de começar todo o alvoroço com os livros, toda vez que os via achava a capa bonita mas algo literalmente fazia os olhar com cara feia, depois ficaram famosinhos e isso continuou, ai veio o filme e não conseguia entender tudo aquilo, dai pensei da mesma forma como foi em crepúsculo (por mais que me atraia o conteúdo, preciso entender o motivo de tanta agitação), mas diferente de Crepusculo, eu detestei, tipo já vi filmes não tao pesados, com cenas mais leve que cumpriram bem melhor seu papel, sem contar que Ana me lembrava a Bela (o que não tem nada haver), mas como sou brasileira e não gosto de começar nada e ficar sem terminar, la depois que cumprir todas a minha metas continuarei, ai chega o livro "Gray", pensei, vamos ver se melhora, serio, continuo ainda não gostando e so sei que sinto uma certa pena de Chrsitian, não sei explicar.

    Bjsss

    ResponderExcluir
  7. Eu li a trilogia 50 tons e gostei muito, quando terminei o terceiro livro fiquei super curiosa em ler a história pelo ponto de vista do Christian, pois no final dele teve um aperitivo, eu encarei a obra como uma fantasia, na vida real nada disso acontece tendo um final feliz, mas gosto não se discute né, ganhei esse livro e não vejo a hora dele chega pra começar a ler.

    ResponderExcluir
  8. Li os três e também não entendo como pode fazer tanto sucesso, vai entender, mas como disse gosto é gosto. Não gosto quando tem outro livro contando a versão do personagem acho que fica repetitivo, a não ser que os fato sejam diferentes visto por ele, mas acho que não é o caso.

    ResponderExcluir
  9. Não li o livro ainda, mas diga-se de passagem, estou ansiosa para ler!! Li a trilogia e gostei!! Agora este na visão do Cristian, nos faz entender e compreender porque ele é tão possessivo!! Há uma estória por trás de seu comportamento!! Com certeza está na minha lista!

    ResponderExcluir
  10. o Livro 50 Tons de cinza, nunca me prendeu a leitura, pelo fato de não gostar muito do gênero literário abordado no livro, por isso não irei ler os outros livros lançados, mas para quem e fan ou gosta do gênero do livro vai adora essa leitura.

    ResponderExcluir
  11. Maravilhosa resenha.
    Não li os livro anteriores, vou primeiro ler o ponto de vista dele, quando comecei a ler o primeiro livro na página 50 ja estava morrendo de tédio, então acho que vou tentar ler o dele e depois o dela.

    ResponderExcluir
  12. amo a trilogia 50 tons , mas Grey não me impactou tanto quanto esperava , gostei mais ainda prefiro mais a versão da Ana .

    ResponderExcluir

Agradeço muito sua visita e peço que participe do blog, deixando um recadinho. Opiniões, idéias, sugestões, são muito importantes para fazer o blog cada vez melhor!
Assim que possível, retribuirei a visita.

Beijos, Julia G.