Quarto - Emma Donoghue

Sinopse: Para Jack, um esperto menino de 5 anos, o quarto é o único mundo que conhece. É onde ele nasceu e cresceu, e onde vive com sua mãe, enquanto eles aprendem, leem, comem, dormem e brincam. À noite, sua mãe o fecha em segurança no guarda-roupa, onde ele deve estar dormindo quando o velho Nick vem visitá-la. O quarto é a casa de Jack, mas, para sua mãe, é a prisão onde o velho Nick a mantém há sete anos. Com determinação, criatividade e um imenso amor maternal, a mãe criou ali uma vida para Jack. Mas ela sabe que isso não é suficiente, para nenhum dos dois. Então, ela elabora um ousado plano de fuga, que conta com a bravura de seu filho e com uma boa dose de sorte. O que ela não percebe, porém, é como está despreparada para fazer o plano funcionar. (Skoob)
DONOGHUE, Emma. Quarto. VERUS, 2011. 350 p.

Embora a narrativa de Quarto seja feita por uma criança de 5 anos, a compreensão do que ela descreve, de forma inocente e distante do que realmente acontece, só pode ser feita por um adulto. E quando isso acontece, é angustiante, revoltante, causa repulsa a ponto de criar lágrimas.

A leitura da história de Jack e sua mãe, cujo nome nunca é revelado, não é fácil. A autora não tem pressa em soltar as pontas que transmitem ao leitor o tamanho do sacrifício que a mãe é obrigada a suportar para manter Jack vivo e longe do Velho Nick, o monstro que os aprisiona. E quando solta, faz de forma sútil, mas chocante. Por exemplo: nas noites em que Nick desce ao quarto, Jack dorme dentro de um armário, sem visão do que acontece. Ele apenas ouve o ranger da cama e o silêncio de sua mãe, e fica contando quantas vezes as molas do colchão soltam chiado.

"Nada assusta a Mãe. Menos o Velho Nick, talvez. Quase sempre ela só o chama de ele, eu nem sabia o nome pra ele até ver um desenho sobre um cara que chega de noite, chamado Velho Nick. Eu dou esse nome ao de verdade porque ele vem de noite, mas ela não parece o cara da TV, que tem barba e chifres e outras coisas. Uma vez perguntei à Mãe se ele é velho e ela disse que ele tem quase o dobro da idade dela, o que é bem velho."

A cada revelação feita por Jack sobre o ambiente que o cerca e sobre as condições físicas de sua mãe, deterioradas devido as tentativas de fugas e de manter o Velho Nick longe, o estômago revira. E na metade do livro, quando ela, finalmente, consegue elaborar um plano para escapar, e que funciona na base da sorte, o leitor pensa que a história ficará mais leve, mas se engana. Porque a partir daí, acompanhamos a dura adaptação de Jack e sua mãe ao serem inseridos no mundo: ela, novamente; ele, pela primeira vez.


Os dois, cada um a seu modo, precisam enfrentar a vida fora do quarto. A Mãe, o reencontro com a família que a considerava morta, os julgamentos da mídia e das pessoas que acompanham sua história após o resgate de dentro do quarto e, principalmente, o trauma por tudo o que sofreu. Jack, por sua vez, precisa compreender e aceitar que o mundo não se resume às quatro paredes onde nasceu e onde viveu por cinco anos, mas que é, a seus olhos, quase infinito e cheio de surpresas, inseguranças e medos.

As partes em que acompanhamos os testes médicos, porque ele não possuía qualquer anticorpo, uma vez que nunca esteve em contato com o ambiente externo ao quarto ou com outras pessoas, a descrição de que ele desce escadas sentado, uma vez que nunca desceu uma, ou que não sabe o que é o vento, ou as folhas, ou um menino de sua idade, são comoventes.


Em um trecho do livro, é perguntado à Mãe se ela não deveria ter pedido ao Velho Nick que deixasse Jack na porta de algum orfanato quando ele ainda era um bebê, ao invés de cria-lo dentro do quarto, à mercê de um lunático sádico. Jack não é apenas filho dela, mas sua âncora para continuar viva e lutando pela liberdade. Ele é sua esperança, porque por ele, ela consegue encontrar forças. E pouco depois, quando ela tenta algo desesperado, compreende-se que as coisas de que ela abriu mão, agora que Jack está a salvo, são demasiado pesadas.

"Dessa vez eu entrei, fiquei todo achatado no vidro, mas mesmo assim fui respingado. A Mãe pôs o rosto na cascata barulhenta e deu um gemido comprido. – Você está sentindo dor? – gritei. – Não, só estou tentando desfrutar da minha primeira chuveirada em sete anos."

Quarto não é uma leitura fácil apenas por tudo o que disse acima, mas também porque exige do leitor a paciência de acompanhar a ação sob o ponto de vista de Jack. A autora quer transmitir ao leitor as condições em que eles vivem, o relacionamento simbiótico que eles compartilham, a fragilidade de condição psicológica que possuem e o desespero que a mãe passa a cada falta de temperamento do Velho Nick.

Em determinado momento, pensei que muitos leitores poderiam abandonar a leitura com base nessa dificuldade. Que seria menos arriscado se a narrativa tivesse sido feita em terceira pessoa, e, talvez até, com mais capacidade de se aprofundar dos detalhes que escapam dos olhos de Jack. Entretanto, o leitor perderia o choque de procurar no meio das palavras de Jack o que realmente acontece ao seu redor. E esse é o grande ponto focal do livro, que o torna ímpar!


Foi feita uma adaptação de Quarto para o cinema, com o título de O quarto de Jack, e que irá estrear em breve. O roteiro foi escrito pela autora, então leia primeiro o livro e depois assista à película sem medo. O trailer está logo abaixo:

Carlos H. Barros
Carlos H. Barros

Carlos tem várias paixões: livros, gibis (muitos gibis), filmes, séries e jogos (muitos jogos de PC e consoles), fotografia, natação, praia e qualquer chance de viajar para conhecer novos lugares e pessoas. Lamenta o dia ter apenas 24 horas - é muito pouco -, e não saber desenhar. Autor também do blog Gettub

20 comentários:

  1. Ontem eu tive meu primeiro contato com essa estória, e foi por um trailer no cinema logo antes de assistir O Regresso, e fiquei apaixonada pela premissa!
    Achei muito muito muito inovador e interessante, quase como uma releitura atual da Alegoria da Caverna, de Platão.
    Gosto muito de livros em primeira pessoa, ainda mais com características tão singulares como esse.
    Com certeza pretendo lê-lo! :)

    http://magoevidro.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Estou doida pra ler esse livro, curto muito um drama, parece mega emocionante e essa resenha que me deixou ainda mais ansiosa em conferi essa história, doida também para assistir o filme e só pelo trailer estou apostando que a atriz que faz a mãe ganha o Oscar.

    ResponderExcluir
  3. Apesar da dificuldade, a premissa é MUITO interessante e eu estou louco para ler o livro e ver o filme, sou muito curioso para fazer isso. A narração e a escrita da autora parecem ótimas! Abraços, amei a resenha :)

    ResponderExcluir
  4. adoreii a resenha, nunca tinha lido nada sobre o livro, ele pareceu ser mto interessante *-* Gosto de livros como esse *-*

    ResponderExcluir
  5. Oii! Que lindo! Resenha mais linda! Só li comentários positivos, qro mto ler! Bjs!

    ResponderExcluir
  6. Vi o trailer desse filme um dia desses e achei muito bom, sabia que tinha sido inspirado num livro mas não fiquei com muita vontade de ler, mas sua resenha está sensacional e acho que o livro também merece atenção.

    ResponderExcluir
  7. Oi Carlos sinceramente a sinopse do livro não me chamou a atenção, eu não leria esse livro e nem assistira o filme, a historia não é o gênero que eu gosto de ler bjs.

    ResponderExcluir

  8. Esse livro deve ser interessante aborda um assunto que acontece de verdade. Deve ter sido muito triste para a mãe esse período que passou no quarto e Jack deve ser muito fofo e inocente, devido não conhecer o mundo lá fora, é um livro que pretendo ler e assistir o filme.

    ResponderExcluir
  9. Olá!
    Já fiquei angustiada com a sua resenha! Vc descreveu super bem...já consegui visualizar o menino dentro do armário!
    Nossa que situação triste e deprimente! Cruel e doentia...e pensar que isso acontece!
    Quero ler sim o livro! Mas já sei que vou chorar e muito!
    Um super bjo!

    Alê - Bordados e Crochê
    Facebook
    Twitter
    Instagram

    ResponderExcluir
  10. Eu ouvi falar primeiro do filme e não tinha entendido bem do que tratava, ou acabei esquecendo. Depois soube que havia um livro, mas não me interessei em pesquisar. Sua resenha me deixou muito curiosa com essa história, e agora ela entrou na minha lista de desejados e quero lê-lo o mais rápido possível.

    Abraços :)

    ResponderExcluir
  11. Só conheci esse livro após a adaptação cinematográfica, no qual quero muito assistir, no entanto quero muito ler o livro, já que é uma história emocionante, cheio de momentos difíceis, quero muito saber qual vai o final dessa trama, to louca para ler esse livro, já ta na minha lista de desejados.

    ResponderExcluir
  12. Ainda não conhecia esse livro, mas me interessei logo de cara. O assunto é bem diferente dos que estou acostumado a ler. Não gostei muito de saber que é narrado em primeira pessoa pelo garoto. Geralmente livros assim prefiro que seja em terceira pessoa. Mas quem sabe eu leia, pois me interessei bastante.

    ResponderExcluir
  13. Carlos, já tenho meu exemplar de Quarto há um tempo, mas nunca senti que era o momento certo para ler. Hoje, por conta do filme, já li várias resenhas sobre, mas a sua foi aquele "empurrãozinho a mais" que realmente me deixou com vontade de me entregar à leitura. Acredito que hoje eu tenha maturidade o suficiente para um livro tão denso quando Quarto parece ser. Seus comentários realmente me deixaram ansiosa!
    (Esses dias baixei um app para pc que chama Stremio, O Quarto de Jack está lá, legendado, caso você queira assistir. O app é gratuito, mas bem no estilo Netflix que nós tanto amamos, rs. Vale a pena!)

    Beijo! ♥ Primeiro Livro

    ResponderExcluir
  14. Engraçado que lendo tua resenha vi o filme passando na minha cabeça. Quebrei uma regra minha de sempre ler antes de assistir, mas parece que valeu a pena e os dois são muito, muito próximos mesmo.
    É uma história que nos deixa com o coração na mão o tempo inteiro, mas acredito que o livro é ainda melhor e com certeza irei ler.

    ABS
    http://mundo-de-papel1.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  15. Eu estou desesperada pra ler esse livro! Preciso de Quarto pra ontem! Adoro a premissa, acho muito legal o fato de ser narrado por uma criança, e vejo tanta gente gostando do livro...

    ResponderExcluir
  16. Só fiquei sabendo desse livro por conta do filme, achei a trama muito boa, fiquei curiosa para poder ler!

    ResponderExcluir
  17. Quero muito esse livro! Essa semana pretendo ver o filme, mas o livro é indispensável!

    ResponderExcluir
  18. Olá Carlos!!!
    Eu juro que eu estava lendo a sinopse e meu estômago já estava revirando, eu acho que eu não conseguia ler o livro porque mesmo sendo uma criança contando eu saberia as coisas que estariam acontecendo realmente.
    Então seria um livro que repassaria pra mim, mas no tudo a história parece ser bem interessante e forte.
    Parabéns pela resenha :3

    lereliterario.blogspot.com

    ResponderExcluir
  19. Nunca li uma história assim de superações tão extremas,mas o livro parece ser muito bom apesar de ser sobre um tema pesado.Deve ser ainda mais angustiante por ser pelo ponto de vista da criança.Estou super curiosa para ler e para ver o filme também.Bjs

    ResponderExcluir

Agradeço muito sua visita e peço que participe do blog, deixando um recadinho. Opiniões, idéias, sugestões, são muito importantes para fazer o blog cada vez melhor!
Assim que possível, retribuirei a visita.

Beijos, Julia G.