O sorriso da hiena - Gustavo Ávila

Sinopse: Atormentado por achar que não faz o suficiente para tornar o mundo um lugar melhor, William, um respeitável psicólogo infantil, tem a chance de realizar um estudo que pode ajudar a entender o desenvolvimento da maldade humana. Porém, a proposta feita pelo misterioso David coloca o psicólogo diante de um complexo dilema moral. Para saber se é uma pessoa má por ter presenciado o brutal assassinato dos seus pais quando tinha apenas oito anos, David planeja repetir com outras famílias o mesmo que aconteceu com a dele, dando a William a chance de acompanhar o crescimento das crianças órfãs e descobrir a influência desse trauma na vida delas. Até onde ele será capaz de ir? É possível justificar um ato de crueldade quando, por trás dele, há a intenção de fazer o bem? (Skoob)
ÁVILA, Gustavo. O sorriso da hiena. Produção independente, 2015. 304 p.

Artur é detetive da polícia civil e tem Síndrome de Asperger, uma condição psicológica caracterizada por dificuldades de interação social e comunicação não-verbal, além de comportamentos repetitivos e interesses restritos. Entretanto, ela também pode proporcionar uma habilidade lógica acima da média, o que facilitou seu trabalho em resolver uma série de assassinatos, deixando-o famoso no meio policial.

David, aos oito anos de idade, preso a uma cadeira, presenciou o assassinato de seus pais: ele, afogado no próprio sangue após ter a língua arrancada; ela, com um tiro na cabeça. Vinte e quatro anos depois, após uma infância sofrida entre surras de pais adotivos e passagens por orfanatos, ele começa a repetir a forma usada para matar seus pais em crianças da mesma idade que ele tinha.

Willian é um renomado psicólogo infantil, que auxilia a polícia no tratamento de crianças traumatizadas por crimes que presenciaram. Ele é conhecido por sua tese de doutorado, que dissertava sobre os resultados de um estudo sobre crianças que passaram por algum trauma, e acabou sendo publicada, virando um sucesso no meio.

Após o primeiro crime de David, ele entra em contato, por e-mail, com Willian e lhe oferece uma proposta: ele irá matar mais quatro pais de filhos de oito anos, e Willian deverá se encarregar de cuidar dessas crianças pelos dez anos seguintes, avaliando o comportamento delas e criando um estudo que poderá auxiliar em uma vida melhor para todas as outras que sofrem de forma igual. Em troca, ele precisa apenas se manter em silêncio.

Enquanto Artur se empenha em tentar descobrir e capturar o assassino, William fica em cima do muro, sobre se permite que David continue a matar em prol de um pretenso bem maior, ou o denuncia à polícia.

"Dentro da sua casa, o verdadeiro assassino estava na frente da TV. O queixo tremia, fazendo-se ouvir dentro do crânio a batida dos dentes. Com os punhos fechados cravava as unhas na pele grossa da palma das mãos. Movimentou o corpo em um giro em direção à porta de saída, deixando a voz do repórter ecoar pelo cômodo."

A premissa de O sorriso da hiena é controversa e angustiante. Apesar de David ser o assassino, William demonstra que é o verdadeiro monstro, uma vez que ele em nenhum momento se sente compelido a salvar os pais das crianças, mas apenas no que sua consciência, bem pequena, irá sofrer e o que o estudo poderá proporcionar para sua carreira. Uma pessoa equilibrada sabe perfeitamente discernir entre o bem e o mal. Quando essa escolha fica difícil, é porque quem escolhe tem um desvio de conduta. E quando esse desvio não pode ser justificado por um passado sofrido e traumatizado, então essa pessoa está do lado errado do que nós consideramos como certo. O verdadeiro monstro do livro é, sem dúvidas, William.

A narrativa e os eventos obrigam o leitor a efetuar uma leitura rápida, na ansiedade de descobrir como a história irá terminar. Infelizmente, toda a trama é aplicada de forma não revisada, deixando enormes furos que influenciam diretamente no desfecho. Não é questão do leitor que nota esses furos ser um Sherlock, porque eles são demasiado óbvios e incomodam bastante. Não gosto de criticar algo sem dar exemplos, porque acho que eles são necessários para estabelecer uma justificativa e não deixar aquela sensação de que o resenhista está sendo exigente. Por isso, a seguir, poderei soltar leves SPOILERS, mas sem comentar o desfecho ou qualquer evento surpresa. Siga por sua conta.

"Com um gesto rápido tapou a boca e as narinas da criança com um pano umedecido em clorofórmio, fazendo com que o garoto despertasse assustado, debatendo-se de forma impotente contra o invasor que segurava seu corpo. No quarto pouco iluminado a máscara de cartolina ganhava uma tonalidade fantasmagórica."

Artur é um personagem que começa da forma que sua condição exige. Entretanto, ao longo da trama, e apesar de sua inteligência descrita, ele deixa escapar pistas claras. Como por exemplo, negligenciar os interrogatórios de testemunhas secundárias, que poderiam ter visto o assassino e poderiam descrevê-lo fisicamente, deixando essa tarefa em segundo plano, para auxiliares inexperientes e que deixam, facilmente, escapar algum detalhe.

O primeiro garoto a ter os pais mortos, tem uma mancha de sangue no rosto feita pelo dedo do assassino. Hoje, é fácil tentar conseguir uma impressão parcial dessa mancha, mesmo com os recursos precários brasileiros, mas isso foi deixado de lado. Artur também chega à conclusão de que o assassino está realizando um estudo baseado em... nada. Os assassinatos são efetuados de forma igual. Quando se realiza um estudo, a forma como ele é realizado muda, exatamente para obter o resultado de cada variante. Quando não se muda, o resultado é igual e deixa de ser um estudo.

Um ponto incômodo na narrativa, é a necessidade constante do autor em explicar raciocínios e ações que não necessitam de explicação, como se o leitor não tivesse inteligência para abstrair sozinho o resultado da ação. Por exemplo: em determinando momento, William faz algo que deixa claro que ele conhece a identidade do assassino. Por um descuido, Artur não fica sabendo dessa atitude do psicólogo. O autor explica que, por isso, o assassino escapa, sendo que isso está claro! E isso se repete mais vezes.

Em um outro momento, uma personagem segue a pista de um outro assassino, sem comunicar à delegacia, sem passar o endereço, nem para seu parceiro, e entra na casa do criminoso sem pedir ajuda ou deixar qualquer indício de onde ela está. Acho que nem no Brasil os policiais são tão inconsequentes.

Essas falhas se repetem, como o personagem que é suspeito do primeiro crime e ninguém levanta sua ficha criminal, ou quando um outro personagem vai até David sabendo que ele o irá matar, e tem uma conversa sem sentido e se deixa matar sem um real objetivo. E em como Artur, sabendo que esse personagem teve contato direto com David, não nota seu desaparecimento e nem se importa em voltar a interrogá-lo. Ou mesmo quando, já no final do livro, e já ser do conhecimento de Artur a identidade do assassino, David usa seu nome verdadeiro em uma lista de convidados em um evento público.

Poderia mencionar mais exemplos, como no pedido de David para William ir visitar uma criança cujos pais assassinou, mesmo antes da polícia ficar sabendo. Ou no fato de não pesquisarem a compra de um forno crematório. Mas, na minha opinião, a falha mais chata é exatamente no último diálogo que Artur tem com William, quando o detetive coloca abaixo, com uma frase, toda a proposta do livro.

Acredito que, se todas essas falhas fossem tratadas, O sorriso da hiena seria um livro muito bom, um suspense digno de ser filmado. Entretanto, e mesmo com elas, indico a leitura, porque, ao contrário de outros livros nacionais do mesmo gênero sendo lançados por grandes editoras, O Sorriso da hiena fica bem na frente em termos de suspense e ação. E mais: por ser uma obra totalmente independente, merece, quase obrigatoriamente, sua aquisição e incentivo para uma publicação a nível mais abrangente. Só espero que, se isso acontecer, o autor possa corrigir essas falhas.
Carlos H. Barros
Carlos H. Barros

Carlos tem várias paixões: livros, gibis (muitos gibis), filmes, séries e jogos (muitos jogos de PC e consoles), fotografia, natação, praia e qualquer chance de viajar para conhecer novos lugares e pessoas. Lamenta o dia ter apenas 24 horas - é muito pouco -, e não saber desenhar. Autor também do blog Gettub

32 comentários:

  1. Oi, Carlos!
    Essa foi a primeira resenha que li desse livro e gostei muito. Deu pra saber exatamente o que me espera na leitura.
    Apesar dos pontos negativos que você mencionou, ainda pretendo ler esse ano.
    Parabéns pela resenha!
    Beijos
    Balaio de Babados

    ResponderExcluir
  2. Estou doida pra ler esse livro, curto muito um suspense, essa é segunda resenha que leio dele e me deixou ainda mais curiosa em conferi essa história.

    ResponderExcluir
  3. Caramba, parece ser um livro realmente interessante (apesar das falhas que você citou)! Ele apresenta uma premissa bem diferente, me chamou muito atenção já que gosto de leituras do gênero. E a capa também é muito legal, haha

    http://magoevidro.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  4. Eu achei a capa do livro maravilhosa. E amo histórias sobre crimes e fiquei louca para ler esse, mesmo você tendo apontado algumas falhas acho que meu amor por crimes falou mais alto e quero muito ler. :)

    ResponderExcluir
  5. Oi Carlos, eu não conhecia esse escritor gostei muito da sinopse o livro parece ter suspense com certeza vou ler bjs.

    ResponderExcluir
  6. sabe o que me deixou O___O o livro é nacional! gente, um autor nacional que consegue fazer um livro tão tenso, tão pesado, é no mínimo curioso. vou logo falar que amei a capa! o título e a sinopse me dram arrepios! gosto de livros assim, acho inteligente e essa linha que o autor seguiu, quase fazendo um "anti herói" é muito interessante. acho que ele só pecou pelo excesso. esse erros apontados na resenha, acredito que com um apoio ou uma equipe que dê alguns toques, facilmente ele resolverá isso sem preder a essência do livro. espero mesmo que o livro seja lançado por uma editora mais abrangente, merece muito ser lido. eu vou atrás com certeza!

    ResponderExcluir
  7. Oie
    Pelo visto este livro é daqueles que só paramos de ler quando chegamos até o final, parece ser muito instigante, gostei da premissa. Ainda não tinha visto este livro.

    Beijos
    http://diariodeincentivoaleitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Adoro suspense, essa trama policial, pena que tem seus pontos fracos, mas mesmo assim me interessei pela historia, fiquei curiosa com o desfecho dela. Achei que Willian iria ajudar a policia, mas deixa o lado mais sombrio falar mais alto rs.

    ResponderExcluir
  9. Caraca, gostei muito da resenha <3 e me interessei bastante pelo livro, já que tem uma temática de suspense que eu sou apaixonada <3 <3 <3 vou dar um jeito de comprar pra conferir XD ótima resenha
    https://reclusidadesdiarias.wordpress.com/

    ResponderExcluir
  10. Olá!
    Já tinha lido uma resenha em outro blog, onde a moça disse que esse era sem dúvida o seu livro preferido, que todos tinham que ler aquilo, etc. E depois de ler a sua resenha tive sérias dúvidas quanto a isso. Como o autor deixa furos tão óbvios na história que acaba deixando com um tom amador? Os personagens parecem ser excelentes, porém a repetitiva tentativa de explicar o óbvio pode ser cansativo. Agora estou na dúvida se vou adquirir ou não. Bela resenha!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Natália, apesar dos furos e desses outros problemas, principalmente porque é uma produção totalmente independente, vale a leitura, sim ;)

      Excluir
  11. Como sou estudante de psicologia fiquei muito interessada na trama desse livro, e fiquei super curiosa para conhecer mais sobre esse tema, já estudei um pouco sobre como surge os psicopatas e em fins, porém nesse livro traz um tema de uma forma mais aberta, gostei muito e pretendo ler.

    ResponderExcluir
  12. Carlos!
    Gosto muito dos thrillers psicológicos e aqui temos a oportunidade de analisar o próprio psicólogo e seu comportamento diante dos assassinatos do outro protagonista.
    Bom demais.
    Bem explícita sua resenha.
    “Saber é compreendermos as coisas que mais nos convêm.” (Friedrich Nietzsche)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    Top Comentarista fevereiro, 4 livros e 3 ganhadores, participe!

    ResponderExcluir
  13. É a primeira resenha de livro que cita a Síndrome de Asperger. Prefiro histórias que nos fazem tecer a lógica. Talvez, as falhas, foram propositalmente deixadas, para instigar o leitor devido a Síndrome do detetive....

    ResponderExcluir
  14. Uool! Uma das melhores resenhas que li viu Carlos! Parabéns! Pensando bem o mundo tá cheio da maldade humana! Precisando ler um livro assim, urgente! Bjs!

    ResponderExcluir
  15. Bem, eu li até a parte dos Spoilers, preferi não arriscar.
    Eu achei a premissa super interessante.
    Interessante conhecermos o assassino, saber do trato com o psicólogo.
    E o detetive lá sem saber de nada, hahahaha.
    Eu achei os personagens tão interessantes, tão diferentes.
    Um detetive com síndrome de asperger... que bacana.
    Fiquei curiosa para saber mais dele.
    pena que o livro não foi bem revisado e deixa tantos furos.
    Isso atrapalha com certeza.
    mas vai que uma editora se interessa e dai nos vem algo bem redondinho mais pra frente?!!!
    Curti muito no geral!

    ResponderExcluir
  16. Sua resenha está muito boa, pena o livro ter essas falhas comentadas por você, mas depois do seu incentivo para a leitura pretendo ler, pois gosto de histórias com suspense.

    ResponderExcluir
  17. Olá!
    Nossa que história forte!
    Sua resenha foi ótima, até demais, pq pude senti a presença dos personagens, e pra mim a história e cruel demais...não leria!
    Um super bjo!

    Alê - Bordados e Crochê
    Facebook
    Twitter
    Instagram

    ResponderExcluir
  18. Desde que vi a capa deste livro já aguçou minha curiosidade, na hora começaram a pipocar idéias sobre o que seria, agora minha curiosidade deu um pulo de 100%, essa trama e o conflito do personagem em fazer algo ruim por um bem final deve ser interessantíssimo, não sou fã de thrillers, mas pela resenha deve valer muito a pena a leitura, mesmo com as pequenas falhas.

    ResponderExcluir
  19. Pela história eu fiquei muito curiosa para ler o livro, mas quando li as falhas que você comentou, minha curiosidade diminuiu significativamente. De qualquer forma, se eu tiver uma oportunidade, posso dar uma chance à esse livro, sendo ele nacional e de publicação independente.

    Abraços :)

    ResponderExcluir
  20. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  21. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  22. Nossa, a capa e a premissa me cativam muito, muito boas mesmo! Não conhecia o livro e fiquei muuuuito curioso para lê-lo depois dessa resenha. Adoro enredos de suspense com ação. Abraços.

    ResponderExcluir
  23. Amei do fundo da alma este livro kk Nunca tinha ouvido falar, mas amei, logo de cara. Sou mega apaixonada por histórias deste estilo e com certeza vou ler na primeira oportunidade. Adorei mesmo, infelizmente tem algumas falhas como você disse, mas isso não tirou a vontade de eu ler. Beijos.

    www.potato-purple.blogspot.com
    www.youtube.com/potatopurpleblog

    ResponderExcluir
  24. Esse livro me pareceu ser a mistura de A Sangue Frio com Viva Para Contar, JÁ QUERO!! Sem duvida alguma irei coloca-lo na minha lista de leitura!

    ResponderExcluir
  25. Uau, fiquei muito de cara com esse livro, já quero ler!

    wecansaysomething.blogspot.com

    ResponderExcluir
  26. Quero muito ler esse livro, a premissa é intrigante e todos que leem gostam :)

    ResponderExcluir
  27. Não conhecia o livro, mas fiquei bem curiosa! Já vai para minha listinha! Obrigada!

    ResponderExcluir
  28. Olá Carlos!!!
    Juro que o livro parece bom, mas eu acho que me sentiria perdida com tanta coisa e coisas que não fariam sentindo me deixariam perdida.
    Contanto, o livro pode ser melhorado e se o autor corrigi-lo tenho certeza que fará sucesso.
    Parabéns pela resenha :D

    lereliterario.blogspot.com

    ResponderExcluir

Agradeço muito sua visita e peço que participe do blog, deixando um recadinho. Opiniões, idéias, sugestões, são muito importantes para fazer o blog cada vez melhor!
Assim que possível, retribuirei a visita.

Beijos, Julia G.