De Volta a Blackbrick - Sarah Moore Fitzgerald

Sinopse: Neste livro sensível e delicado, a autora utiliza o universo fantástico para falar sobre memória. O protagonista é Cosmo, um menino que vive com o avô e muitas vezes tem pouca paciência com ele. Na verdade, o avô sofre de Mal de Alzheimer e está perdendo a memória. Um dia, ele dá uma chave a Cosmo e pede que ele vá até a mansão de Blackbrick. O menino descobre que o local é, na verdade, um portal para o passado, e lá encontra o avô aos 16 anos. Com a nova convivência, ele vai conhecer de verdade sua história. (Skoob)
FITZGERALD, Sarah Moore. De Volta a Blackbrick. Rio de Janeiro: Galera Record, 2016. 240 p.


Eu sou totalmente apaixonada por infanto-juvenis e sempre que tenho oportunidade, leio algum. Não precisou muito para eu querer desesperadamente ler De Volta a Blackbrick: um tema delicado, a doença de Alzheimer, atrelado a um mistério super envolvente. A história e os personagens são tão cativantes que eu a li em um piscar de olhos, numa sentada. 

Cosmo — "que tipo de mãe dá um nome desse para um filho?" — mora com os seus avós. Após a morte de Brian, seu irmão, Cosmo foi definitivamente abandonado pela mãe, que foi morar em Sydney para trabalhar. As coisas poderiam ser até aceitáveis não fosse um detalhe (que de detalhe não tem nada): a cada dia que passa ele vê seu amado avô, Kevin, perder uma batalha para o Mal de Alzheimer. 

Em um raro momento de lucidez, Kevin entrega para Cosmo uma chave e dá instruções para que ele encontre os Portões Sul de Blackbrick, onde, segundo ele, o garoto iria encontrá-lo. Tendo prometido ao avô que iria ao menos tentar chegar até lá, apesar de achar que o velhinho realmente estava ficando louco, Cosmo não teve outra alternativa se não pegar um táxi e conferir a veracidade da história do avô. Para sua surpresa, ele realmente encontra Kevin, mas em uma versão muito mais nova. Cosmo vê nessa aventura uma grande oportunidade de modificar alguns eventos futuros para tentar reverter a situação do avô. 

"Só porque não podemos mais ver alguém não 
quer dizer que essa pessoa não seja parte de nós. Há aqueles
que se foram e morreram, e há aqueles que sequer 
chegamos a conhecer, e certas coisas a respeito deles 
ainda assim estão enterradas em 
nós como se fossem fósseis em âmbar."

A narrativa é dada em primeira pessoa sob a visão de Cosmo, que apesar de aparentar pouca idade, é inteligente até demais. Apesar de ser bem racional, foi difícil para o menino ver o avô daquele jeito, tanto que ele não conseguia aceitar de forma alguma. Os sentimentos dele foram retratados de uma forma tão intensa e verdadeira que foi impossível não se colocar no lugar dele, principalmente porque o meu bisavô perdeu uma grande e longa luta para a doença. 

O mundo de fantasia criado por Sarah Moore Fitzgerald foi totalmente delicioso de acompanhar. Os personagens são super bem construídos, sem exceção. Gostei, principalmente, da forma como a autora conseguiu interligar o passado ao futuro e como as ações de Cosmo no tempo que ficou em Blackbrick contribuíram passa isso. A única coisa que me deixou super decepcionada foi o destino de Maggie, uma das personagens mais adoráveis que tive o prazer de ler. O pior de tudo foi ver que ninguém fez nada para ajudá-la... 

Fazia um bom tempo que um livro infanto-juvenil não me cativava tanto. Apesar de ter uma linguagem super simples e própria do gênero e de todos os clichês, é impossível não se apegar a ele. Com certeza De Volta a Blackbrick conseguirá agradar até mesmo os leitores mais instruídos.
Ana Clara
Ana Clara

Amante de livros sonha em ter uma biblioteca gigantesca em casa. Lê qualquer coisa que colocarem na frente, desde biografias a rótulos de shampoo. Detesta cachorros e, para ela, os gatos são as criaturas mais fantásticas do mundo. Quando o assunto é música, não cansa de mostrar seu amor pelos Beatles, além de ser fã de fé dos Engenheiros do Hawaii. Também é apaixonada por MPD e louca por O Teatro Mágico do último fio de cabelo até a planta dos pés. Se quiserem saber mais, acompanhem também o blog Roendo Livros.

9 comentários:

  1. Achei a historia do livro bem criativo e eu leria sim porque não? o personagem se envolve com as historias contadas ao avô mesmo não acreditando nele ainda sim sai a procura dessa aventura e descobre da existência do portal, achei importante também a autora citar nessa doença e ao respeito que o neto tenha, muitas pessoas não sabem como lidar com isso ainda, enfim achei muito linda essa resenha um livro digno de ser lido!!!
    Bom final de semana.

    ResponderExcluir
  2. Ana Clara!
    Além de gostar dos livros infantos-juvenis, porque são sempre carregados de aventuras, o tema Alzeimer me interessa muito porque mainha a tem e fico me consumindo ao vê-la perder a memória... é bem difícil!
    Gostaria de ler o livro.
    “Conhecimento sem transformação não é sabedoria.” (Paulo Coelho)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/
    TOP Comentarista de OUTUBRO com 3 livros + BRINDES e 3 ganhadores, participem!

    ResponderExcluir
  3. Olá, ao contrário de você não gosto muito de fantasias, ainda mais quando personagem ainda é novo, sabe?!
    Li a sua resenha e fiquei contente que você tenha gostado tanto, percebi que foi uma leitura leve e rápida. Imagino que os fãs tenham se deliciado com essa leitura 😉
    Abraços

    ResponderExcluir
  4. Gosto de livros infantos-juvenis e me interessei por esse, pois adoro fantasia. Além de abordar uma doença que é importante para todos nós sabermos mais sobre ela é sempre bom estar informado. Fiquei curiosa com esse portal que o leva ao passado, adoro viagens no tempo, fiquei me perguntando se ele conseguirá mudar alguma coisa, vou ter que ler para saber como termina rs.

    ResponderExcluir
  5. Gosto muito de livros infantos juvenis, geralmente leio quando estou lendo algum livro mais pesado para dar um equilbrada,
    Achei muito bonita a capa desse mas não gostei da história, apesar de parecer sem bem escrito não chamou minha atenção.

    ResponderExcluir
  6. Oii Ana! Que lindo esse livro!! Já conhecia, mas nunca tinha lido uma resenha dle...Maravilhoso!!
    Sua resenha tbm está linda! Parabéns!
    Vou qrer ler siim!
    Bjs

    ResponderExcluir
  7. Se eu nem lesse nada sobre a sinopse, mas apenas captasse as emoções que você deixou transparecer nessa resenha já iria querer ler esse livro com certeza, achei a premissa muito bonita, colocar um menino e seu avô para se reconhecerem novamente em meio à doença degenerativa dele. Que lindo. E como nesse momento estou bem saudosa com meu avô isso me emocionou e muito! parabéns pela resenha!
    Adriana Holanda Tavares
    "Que brilhe a tua Luz!"

    ResponderExcluir
  8. Já tinha visto apenas uma resenha desse livro e eu adorei a premissa dele. Ainda não tive oportunidade de adquiri-lo, mas para um infanto-juvenil, ele traz lições a mais do que esperamos, o que me deixou ainda mais surpreendida. Adorei a resenha.
    Um abraço!

    http://paragrafosetravessoes.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Estou doida pra ler esse livro, curto muito infanto-juvenil e fantasia, essa é a primeira resenha que leio dele e me deixou ainda mais curiosa em conferi essa história.

    ResponderExcluir

Agradeço muito sua visita e peço que participe do blog, deixando um recadinho. Opiniões, idéias, sugestões, são muito importantes para fazer o blog cada vez melhor!
Assim que possível, retribuirei a visita.

Beijos, Julia G.