Mundo cão - Matheus Peleteiro

Sinopse: Unindo elementos de literatura marginal com sentimentos altruístas, surge Mundo Cão, que narra, em primeira pessoa, a história de Pedro Contino, um jovem que so­fre desde cedo por conta das peripécias da vida, e, por mais que busque o melhor, vê, em sua sombra, o caos. Morador da favela Roda Vida, Pedro poderia ter traçado qualquer caminho, mas a vida escolheu um em especial. Mesmo em meio à ausência de recursos, é apresentado à literatura por um vizinho mais velho, e, por conta dela, cria uma importante consciência social. Guiado por músicas e livros, ele logo percebe como tudo funciona. Indigna-se e, amargamente, percebe que não tem poder para realizar uma mudança no mundo… (Skoob)
PELETEIRO, Matheus. Mundo Cão. Editora Novo Século, 2015. 168 p.


A escrita de Matheus Peleteiro possui traços únicos que tornam sua identificação clara. Ele utiliza uma narrativa crua, direta, por vezes, até rude, mas sem ser ofensiva. Poderia dizer que é sincera, sem rodeios ou floreios.

Pedro, o personagem principal e narrador, mora em uma favela de Salvador. Rodeado pela violência típica de quem tem por vizinhos traficantes, além de conviver com tiroteios e a constante visita da morte a conhecidos, o rapaz de 18 anos decide escolher seus próprios caminhos. E ele quase consegue, principalmente com a ajuda de Luis, um professor de Sociologia. Mas, apaixonado por Carol, uma garota que mora perto de seu barraco, ele encontra na bebida a coragem necessária para paquerá-la. A partir desse ponto, Pedro começa uma descida vertiginosa de encontro à perdição daquilo que mais desejava.

Os pensamentos de Pedro levam a narrativa de Mundo Cão bem próxima da realidade do que é viver em uma favela. O personagem é machista, preconceituoso, possui uma visão política e religiosa limitada ao que ele sente e a como as pessoas se comportam de forma dogmática à sua volta, mas isso não o transforma em alguém amoral, apenas real.

Por mais que sua mente e seu coração sejam recheados e boa vontade, boas ideias, bondade, quando você vive em um ambiente impregnado de maldade, de precariedade, de falta de qualquer indicação de que o certo pode obter resultados, você acaba se corrompendo, acaba sendo obrigado a se submeter ao meio, ao contrário de transformar esse meio.

Dizem que uma pessoa pode mudar o mundo, mas a realidade é que o mundo muda as pessoas. E um mundo corrompido, corrompe totalmente. É por esse caminho que Pedro acaba seguindo, levando a um final que era esperado, mediante as escolhas que o personagem é obrigado a tomar.

Além da escrita crua, o autor carrega toda a narrativa com várias referências a cantores e obras de outros autores, com o acréscimo de frases de efeito, bem colocadas e com um significado suficiente para se fazer pensar, sem parecer forçado. Isso consegue levar o leitor a e se perguntar se realmente conhece como o mundo funciona, e o quanto cada um de nós representa numa sociedade parcialmente corrupta.
Carlos H. Barros
Carlos H. Barros

Carlos tem várias paixões: livros, gibis (muitos gibis), filmes, séries e jogos (muitos jogos de PC e consoles), fotografia, natação, praia e qualquer chance de viajar para conhecer novos lugares e pessoas. Lamenta o dia ter apenas 24 horas - é muito pouco -, e não saber desenhar. Autor também do blog Gettub

5 comentários:

  1. Olá!
    já li essa livro e gostei muito. É ótimo quando você se depara com um livro que contém várias críticas, não apenas às favelas brasileiras, mas sobre a sociedade em geral. A escrita é muito simples, mas ao mesmo tempo me fez questionar sobre o Brasil e os Brasileiros. Gostei muito da resenha. Bjos!

    ResponderExcluir
  2. Oi Carl!
    Achei bem diferente esse livro, não tenho mto o costume de ler o gênero, mas acho que vale a pena conhecer sim, enredo tá bem bacana, dica anotada!
    Bjs!

    ResponderExcluir
  3. Carl!
    É mais um daqueles livros onde a ficção criada pelo autor, é retrato da sociedade real em que vivemos.
    E se a escrita é crua e relata tudo com realismo, deve ser um daqueles livros feitos para chocar o leitor.
    Uma semana esplendorosa!
    “O amor é a única loucura de um sábio e a única sabedoria de um tolo.” (William Shakespeare)
    Cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA DE JULHO 3 livros, 3 ganhadores, participem.
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Não conhecia o livro, mas a princípio o título me cativou, depois, lendo sua resenha, fiquei louca. O espaço geográfico da obra muito me interessa, quero saber como o autor trata essa realidade.

    ResponderExcluir
  5. Não faz muito o tipo de leitura que leio, e acho que talvez se me surgir a oportunidade talvez eu leia, mas não me interessou muito.

    Visitem meu blog!
    garotaeraumavez.blogspot.com.br
    Obrigada!

    ResponderExcluir

Agradeço muito sua visita e peço que participe do blog, deixando um recadinho. Opiniões, idéias, sugestões, são muito importantes para fazer o blog cada vez melhor!
Assim que possível, retribuirei a visita.

Beijos, Julia G.