O fim do mundo é aqui - Amy Zhang

Janie e Micah, Micah e Janie. Desde os primeiros anos da escola. Almas gêmeas em segredo. Melhores amigos que passavam as tardes na pedreira da cidadezinha onde cresceram juntos, a mais profunda de Iowa. Até que Janie desaparece, e tudo o que Micah pensava que sabia sobre sua melhor amiga é borrado de dúvida. Até que Micah acorda no hospital, e não se lembra de nada. Mas para montar o quebra-cabeça do desaparecimento de Janie e entender seu apocalipse particular, Micah Carter precisa recuperar suas lembranças, inclusive as mais difíceis, numa jornada devastadora. Adotando uma narrativa não linear, que vai e volta entre Antes e Depois e alterna as vozes dos dois protagonistas-narradores, Amy Zhang, autora do surpreendente Quando tudo faz sentido, conta a história de uma amizade marcada por obsessões e segredos dolorosos. E, mais uma vez, entrega um romance Young Adult original, sincero, comovente e impossível de largar até a última página. (Skoob)
ZHANG, Amy. O fim do mundo é aqui. Rocco Jovens Leitores, 2018. 272 p.


"Se tem um ponto no qual a ciência e a religião estão de acordo, é o fato de que o mundo vai acabar. Talvez o Sol apague ou a ira de Deus destrua tudo ou um lobo gigante devore a Terra, mas o que se mantém é a ideia constante de entropia. Tudo está desmoronando. Tudo está se encaminhando para o fim."

Janie e Micah são amigos, melhores amigos, muito mais do que amigos, porque eles são uma única alma, apenas em um átomo... e ninguém sabe. Ninguém sabia disso. Eles eram amigos apenas em segredos. Apenas quando eram eles. Não na frente dos outros, não na escola. Lá, eles eram Janie e Micah. Separados. Mas, quando eram só eles, longe de todos, eles não estavam separados, eles estavam juntos, eles eram Janie e Micah, Micah e Janie... até que não mais.

Até que Micah acorda no hospital e ninguém quer lhe dizer o que aconteceu com Janie, por que ele está ali, por que... houve um incêndio? Na nova casa de Janie, que ela odeia? Ele não lembra. Ele não lembra de nada, quase nada. Sofrendo de amnésia seletiva retrógrada, não lembrando de memórias passadas escolhidas a dedo, Micah só quer sua amiga e precisa lembrar, mas lembrar é pior do que esquecer.

Esquecer é fácil, é passar uma borracha, é fingir que nunca esteve lá; lembrar, por outro lado, é sofrer novamente. E dói. Dói, dói e Micah quer que pare, ele quer Janie. Mas ela não está lá.

"Esquecer é fácil. Lembrar é mais difícil, mas não tão apocalipticamente dolorido quanto saber que ainda tem mais por vir."

No início da leitura, eu fiquei um pouco irritada (talvez fosse a intenção do livro), porque Janie quer acreditar em contos de fadas e quer que os outros acreditem, mas... ela não acredita realmente. Lá, lá no fundo, ou talvez nem tentando tanto assim, Janie não acredita. E ignora tudo e qualquer coisa que não se encaixa no seu "mundo perfeito", porque não quer lidar com ele. E eu fiquei triste, porque... Deus, ela só queria ser feliz. Um feliz completo, um feliz de conto de fadas, e não existe tal felicidade. Ou talvez ela exista, mas nos pequenos detalhes, nos átomos e não nas supernovas, estando com as pessoas que você ama agora, nesse instante, e não procurando alguma que você possa amar e que vá ser perfeita, porque não existe perfeição. Mas Janie quer perfeição e eu queria bater nela.

E então, piora. Se eu me senti triste (e com raiva) por Janie não ver a realidade, se recusar a enxergá-la, eu não queria sentir mais nada quando ela começa a ver demais, quando o real é tudo que ela vê e que não há pessoas bonitas, não há pessoas decentes, não há almas maravilhosas. Ou então há. Mas ela não é uma delas, não depois do que acontece, e nunca mais será.

"O que se sente quando o mundo explode, no instante em que explode, é puro nada.
A explosão não dói nem um pouco. Não dói até bater no chão.
De novo."

Eu não esperava essa história. Eu li Quando tudo faz sentido da Amy Zhang e esperava algo na mesma linha e... não é bem assim. A primeira diferença é no narrador, que você sabe quem está narrado, o que não acontece em Quando tudo faz sentido, e não é poético como eu esperava (eu amo narrações poéticas, que parecem poesia, embora não goste de poemas/poesias... vai entender), embora tem seus momentos, porque o livro é narrado por Janie (passado, antes) e Micah (presente, depois), e em alguns momentos há partes do diários de Janie, que são lindos, são contos de fadas desconstruídos, feito com desenhos e costurado com pedaços da alma dela.

Em O fim do mundo é aqui, Amy Zhang traz temas fortes para serem debatidos e vai te conquistado aos poucos, te prendendo numa teia que te faz questionar bondade e maldade, saudável e doentio, culpados e vítimas, e desconstrói esses limites até que você não saiba dizer o que é um ou outro, fazendo-o se sentir desconfortável, porque não é "certo", não deveria ser, tem algo de errado, mas é normal. Está na sua vida, de algum modo, de algum jeito, mesmo que você não perceba. O quê? Amizades tóxicas.

"- Mais do que qualquer coisa.
- Mais do que tudo."

Enquanto eu lia, eu... eu não sei, não lembro o que esperava, mas com certeza não isso. Eu fui ler a sinopse agora do Skoob para colocar na resenha e eu realmente não lembrava dela, acho que nem a li antes; acredito que só vi o novo livro de Amy Zhang e pensei "é esse, eu quero". Eu li essa sinopse agora e está bem claro isso, todavia eu demorei para perceber o tema de amizades tóxicas enquanto lia o livro, porque é difícil notar essas fronteiras, sinceramente, embora devesse ser fácil.

Janie e Micah eram amigos, melhores amigos, não tenho dúvida quanto a isso, é uma das primeiras coisas que você nota quando ler, todavia isso não significa que eles eram bons amigos, que eles não podiam serem melhores. Eu realmente odeio (mais para evito) falar palavrões, mas, sim, não há outra palavra para Janie e Micah, Micah e Janie, do que eles estão f******. Tão, tão, tão...

Sobre o título do livro, O fim do mundo é aqui, eu me senti uma idiota quando entendi, porque é claro que o fim do mundo é aqui, onde mais ele seria?

AVISO: esse livro traz alguns gatilhos, como suicídio, assédio, abuso sexual, bullying, uso de álcool e drogas; se você não se sente confortável com tais temas/menções, é recomendado que você não o leia.
Bela Lima
Bela Lima

Apaixonada por livros, séries, fanfic's e quase qualquer coisa de origem oriental: animes, mangás, manhwas, manhuas, doramas (de preferências os coreanos)... Gosta de ouvir rock pop, tenta sobreviver na universidade e escreve histórias originais no tempo livre que sobra. E se não sobra escreve do mesmo jeito. Também é resenhista/administradora do blog Sou geek, sim!

10 comentários:

  1. Primeira resenha que leio deste livro e confesso que fiquei meio perdida..rs Não consegui me conectar com a resenha e nem com os personagens e por isso, não sei o que pensar.
    Uma amizade que poderia ser melhor, temas fortes que poderiam ter sido melhor aproveitados, mas no enredo final, um livro com conteúdo e é isso que a gente busca.
    Se puder e tiver oportunidade, quero sim, conferir esta história bem fora do comum.
    Beijo

    ResponderExcluir
  2. GENTE DO CÉU!!!! QUE RESENHA É ESSA? Parabéns!
    Ainda não li o 1° livro dela, mas estou com ele aqui pra ler e pensando até em passar na frente. E já vou colocar esse na lista de desejados.
    Quero sentir esses sentimentos que a história causa, quero me envolver e entender o que acontece.
    Gente, só quero ler e... se essa resenha me emocionou e me deixou de coração apertado, não quero imaginar o que a leitura desse livro vai fazer.

    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Fiquei curiosa com o livro e com raiva da tal da Janie deve ser aquelas personagens bem chatinhas. Muito bom os temas abordados estão sempre persente nas nossas vidas, essas amizades que fazem mal ao invés de bem são terríveis e o pior é que a pessoa que esta ao lado não enxerga. É uma leitura que nos deixa pensando sobre tudo e sobre todos.

    ResponderExcluir
  4. Olá! Nossa que livro é esse, essa foi a primeira resenha que leio dele, fiquei curiosa, porem ainda não decidi se quero ou ler esse livro, parece ser muito perturbador.
    Bjs

    ResponderExcluir
  5. Olá Bela!
    Pelo que andei acompanhando sobre esse livro o enredo trás fortes e delicados assuntos, o que me prendeu atenção, espero conseguir ler muito em breve, pois estou interessada na leitura de tanto ler comentários bons á respeito.
    Bjs!

    ResponderExcluir
  6. O início da resenha me confundiu um pouco. Mas depois fui entendendo aonde você queria chegar, com relação ao livro rsrs
    A história realmente traz temas bem interessantes, e eu gosto muito quando os atores colocam essas discussões à tona.
    O fim do mundo é aqui parece ser mesmo um bom livro, e eu fiquei curiosa para saber o que acontece no final... Mais um livro para a minha lista. Adorei

    ResponderExcluir
  7. Olá Bela, tudo bem? Quando foi lançado sua sinopse me chamou a atenção,mas é a primeira resenha que leio sobre o livro. Creio que me surpreendi por tratar de temas tão pesados, mas ainda sim premissa da historia me interessa, creio que deva ser uma leitura mais lenta. Adorei conferir a resenha!!

    ResponderExcluir
  8. Bela!
    Realmente a sinopse do livro é bem interessante e ainda envolve adolescentes, etc...
    Não conhecia, mas gostei, vamos ver se a leitura é tudo o que promete.
    Gostei da observação de alerta!
    cheirinhos
    Rudy

    ResponderExcluir
  9. Olá, Bela
    Tinha conhecimento sobre o livro, mas sua resenha foi a primeira que li a respeito.
    Já desejava o livro pela capa, agora quero ler para matar minha curiosidade. Tenho a impressão que essa amizade/relacionamento não fazia bem para Micah.
    Beijos

    ResponderExcluir
  10. Confesso que eu achei a pegada da autora nessa história um tanto quanto intensa não sei se teria por isso mas eu já li vários outros trabalhos da autora que apesar de não serem do mesmo seguimento e abordagem conseguiram me conquistar da mesma forma

    ResponderExcluir

Agradeço muito sua visita e peço que participe do blog, deixando um recadinho. Opiniões, idéias, sugestões, são muito importantes para fazer o blog cada vez melhor!
Assim que possível, retribuirei a visita.

Beijos, Julia G.