Je suis là - Clélie Avit

Sinopse: Elsa n’a plus froid, plus faim, plus peur depuis qu’un accident de montagne l’a plongée dans le coma. Thibault a perdu toute confiance le jour où son frère a renversé deux jeunes filles en voiture. Un jour, Thibault pénètre par erreur dans la chambre d’Elsa et s’installe pour une sieste. Elle ne risque pas de le dénoncer, dans son état. Mais le silence est pesant, même face à quelqu’un dans le coma. Alors, le voilà qui se met à parler, sans attendre de réponse. Ce qu’il ignore, c’est que pour Elsa, tout est fini, jamais elle ne se réveillera. Mais tandis que médecins, amis et famille baissent les bras, Thibault, lui, construit une relation avec Elsa. Est-il à ce point désespéré lui-même ? Ou a-t-il décelé chez elle ce que plus personne ne voit ?
Prix Nouveau Talent 2015 de la Fondation Bouygues Telecom (Skoob)
AVIT, Clélie. Je suis là. Le Livre de Poche, 2016. 240p.


Quando li esse livro pela primeira vez, quase virei a noite lendo. Comecei a ler antes de dormir e não consegui parar até chegar ao final. Dessa vez demorei um pouco mais, mas só porque li a versão original em francês (que é uma língua que ainda estou aprendendo).

Elsa é uma alpinista que está em coma há cinco meses após um acidente em uma de suas escaladas. Sua família já não tem mais a esperança de que ela vá sair dessa situação e já estão inclusive discutindo a possibilidade de tirá-la do suporte de vida. Ela pode escutar tudo a sua volta e pela forma desanimada como ela relata as visitas da família, temos a impressão de que ela mesma está desistindo da vida. Até que Thibault, um estranho que entra em seu quarto por engano, começa a visitá-la.

Thibault só ia até o hospital levar sua mãe, ele se recusa a entrar no quarto de seu irmão que, depois de muito beber, causou um acidente que acabou matando duas adolescentes que tinham um futuro inteiro pela frente. Em uma das visitas, enquanto sua mãe estava com seu irmão, ele entrou em um quarto por engano, mas quando foi se desculpar percebeu que a paciente não podia respondê-lo pois estava em coma. Ele resolveu cochilar ali um pouco e desde então, quando leva sua mãe ao hospital, vai ao quarto de Elsa conversar com ela e as vezes dormir um pouco.

A narrativa é em primeira pessoa, alternada entre Elsa e Thibault. Eu amo livros assim, pois temos um pouco a visão do todo e ao mesmo tempo sabemos exatamente o que os personagens estão pensando. Além disso, a escrita da autora é extremamente fluida e nos prende do começo ao fim. Da primeira vez que li o livro, não imaginei que fosse gostar tanto.

Os personagens são muito bem desenvolvidos, adorei a relação entre os personagens principais. Um dos motivos que mais me prendeu à história foi a curiosidade em ver como Thibault afetava Elsa e a fazia querer sair do coma só para vê-lo. Ver também como ela afetava ele mesmo sem fazer nada (literalmente). Para mim essa evolução foi natural, não senti nada forçado, o que colaborou bastante no desenvolvimento da leitura.

Outra coisa que gostei, que pode desagradar alguns, é que a história é constante, não tem aquele pico que te faz ler 50 páginas em um minuto, mas também não tem aquela parte insuportável onde lemos praticamente uma página por dia. O desenrolar de tudo é bem sutil e o final, apesar de esperado, ainda consegue nos cativar um pouco.

Sei que ler a versão em francês pode trazer um desafio extra, mas sinceramente eu gostei ainda mais da versão original. Para quem sabe a língua, vale muito a pena o esforço. Infelizmente, mesmo sem querer, algumas coisas se perdem na tradução e, quando entendemos um pouco melhor o jeitinho francês, a história faz ainda mais sentido.

Je suis là (em português, Eu Estou Aqui) foi um livro que li por um acaso e que acabou me conquistando, é um dos poucos livros que li mais de uma vez e leria novamente. Ainda não tive a oportunidade de ler outras obras da autora, mas definitivamente o faria.
Ale Afonso
Ale Afonso

10 comentários:

  1. Já vi falar desse livro e achei até interessante pela ideia do enredo, mesmo que algumas coisas me deixaram com o pé atrás. É uma situação bem difícil. Muito drama envolvido. Que louco poder ler no original! Essa língua é uma bem interessante pra se aprender e certeza que ter lido assim foi uma experiencia de aprendizagem né. É bom poder pegar algum livro já lido pra aprender um pouco melhor como aquela outra língua funciona de verdade. Ver como é o original e o que pode ter mudado um pouco com a tradução também é bem legal ^^

    ResponderExcluir
  2. Que lindo, eu amo também quando a história é narrada em primeira pessoa porque é tudo mais emocionante.
    Essa é uma história muito linda, nunca li nada parecido e fiquei curiosa para saber mais sobre ela. Acho que os personagens criaram um elo forte mesmo sem intenção e isso ajudou aos dois. Com certeza vou ler

    ResponderExcluir
  3. Puxa, e tem gente que reclama de ler em português!
    Francês é uma das línguas mais lindas que existem e acredito que uma das mais difíceis também!
    Já tinha lido algo sobre este livro no passado, mas nem dei muita atenção não. Por isso agora, os olhos brilharam e com certeza, quero muito conhecer a história destes personagens que se cruzam desta forma inusitada!
    Beijo

    ResponderExcluir
  4. Parece ser uma historia muito bonita e emocionante, deve ser gostoso acompanhar o desenvolvimento dos protagonistas no hospital deve ser aos poucos assim é bem melhor e em saber como vai ser quando ela sair do coma. Parabéns por ler o original, nunca li nada além do português mesmo rsrs.

    ResponderExcluir
  5. Não conhecia Je suis là mas já quero ler pra ontem, amo histórias onde um dos personagens estam em coma!
    Bom saber que a narrativa é alternada entre Elsa e Thibault pois não curto narrativa em primeira pessoa principalmente os livros que mostram apenas a versão de um do protagonistas, eu sempre fico desesperada pra saber o que o outro está pensando rsrs
    Infelizmente não entendo francês então vou ter que ler a versão Eu Estou Aqui :(
    Abraços, valeu pela dica!

    ResponderExcluir
  6. Oi, Alessandra
    Ainda não conhecia o livro, mas adorei a trama.
    As únicas palavras que sei em francês são bom dia e tchau, mas aprender francês deve ser uma experiência fascinante.
    Gosto quando o enredo é narrado pelos personagens assim podemos conhecer mais sobre os mesmos, como será que é se apaixonar por uma pessoa completamente estranha.
    Quero conseguir ler a versão em português, uma pena que muitas coisas perdem o sentido na tradução.
    Beijos

    ResponderExcluir
  7. Achei a história bem interessante. Parabéns por ter lido no idioma original, isso é para poucos rsrs
    Gostei do enredo e de como a narrativa é alternada. Isso dá um dinamismo para a leitura, trazendo o ponto de vista de ambas as partes.
    Não conhecia essa história ainda.
    O bom de acompanhar blogs literários é isso: poder conhecer coisas novas rs

    Bjos

    ResponderExcluir
  8. Olá! Que chique ler em francês, acho lindo essa língua, gostaria muito de saber ler e principalmente falar fluentemente, a história parece bem interessante fiquei bastante curiosa em conferi tudo que foi dito aqui.
    Bjs

    ResponderExcluir
  9. Que livro, hein! Não sei se aguentaria ler um livro assim, apesar da curiosidade, pois fico torcendo para um final feliz e se isso não acontecer eu fico muito mal. Por issl prefiro livros que fugam um pouco do que é realista.

    ResponderExcluir

Agradeço muito sua visita e peço que participe do blog, deixando um recadinho. Opiniões, idéias, sugestões, são muito importantes para fazer o blog cada vez melhor!
Assim que possível, retribuirei a visita.

Beijos, Julia G.