Antes da Tempestade - Dinah Jefferies

Sinopse: "Para conhecer o amor verdadeiro é preciso ser arrasado por ele.” Rajputana, Índia, 1930. Desde a morte de seu marido, a jovem inglesa Eliza tem como única companhia sua câmera. Determinada a se firmar como fotógrafa profissional, ela acaba de aceitar um convite do governo britânico para se hospedar durante um ano no castelo da família real local. Sua missão: fotografar, para o acervo da Coroa inglesa, a vida no Estado principesco de Juraipore. Ao conhecer Jayant, irmão mais novo do marajá, Eliza embarca na aventura mais transformadora de sua vida. Acompanhada pelo príncipe rebelde e misterioso, ela conhecerá uma terra marcada por contrastes — com paisagens de beleza incomparável, cultura rica e vibrante e, ao mesmo tempo, a mais devastadora das misérias. Enquanto Eliza desperta Jayant para a pobreza que circunda o castelo, ele mostra a ela as injustiças do domínio britânico na Índia. Juntos, descobrem uma afinidade de alma e uma paixão arrebatadora. Mas a família real fará de tudo — até o impensável — para impedir a aproximação entre o nobre indiano e a viúva inglesa. (Skoob)

Livro recebido como cortesia da Editora.
JEFFERIES, Dinah. Antes da Tempestade. Paralela, 2017. 343 p.


O primeiro romance de época que eu li foi O Perfume da Folha de Chá, também de Dinah Jefferies. Quando pedi o livro fiquei com muito medo de não gostar do estilo e acabar entediada ao ler. Mas, para a minha surpresa, eu gostei tanto da escrita da autora que quando tive a oportunidade de pedir outro livro dela não pude deixar de fazê-lo.

Assim como em O Perfume da Folha de Chá, há grande fidelidade aos fatos históricos ocorridos na época em que se passa a obra. Outra semelhança que me atrai bastante é o jeito misterioso dos personagens. O toque de mistério que a autora traz para seus livros nos envolve de forma que não conseguimos parar de ler até desvendar todos eles e nos permite imaginar mil e um desfechos diferentes para a história.

“[...] Eliza tinha dificuldade de reconhecer que havia redescoberto alguma coisa dentro de si, algo que perdera no dia em que haviam voltado para a Inglaterra.”

Desta vez, em Antes da Tempestade, conhecemos Eliza, uma jovem fotógrafa inglesa que vai à Índia para fotografar a vida em Juraipore a mando do Governo Britânico. Quando ela chega lá, se depara com Jayant, o príncipe do Estado. Desde o começo percebemos um certo clima entre Eliza e Jayant, clima este que se desenvolve durante a narrativa.

Eliza tenta não só fotografar a vida do povo local, mas também tenta entender seus costumes e tradições, ficando perplexa com alguns deles. A jovem viúva começa a sentir-se deslocada e insegura, fato que vai mudando aos poucos, quando ela faz amizades e descobre um pouco mais sobre a vida daqueles próximos a ela.

“Tanto Priya quanto o marido usavam inúmeros anéis, além de outras joias adornando as roupas. Por um instante, Eliza ficou feliz por não ter que registrar a cena em cores. Se ela tinha achado o gaddi ostentatório, aqueles dois eram cem vezes piores. Provavelmente em torno dos quarenta anos, Priya não era uma mulher bonita no sentido tradicional; a expressão no seu rosto era dura, sem qualquer esboço de sorriso. Mas ela chamava atenção, com os olhos expressivos e nariz levemente adunco. Usava uma blusa, uma saia bordada vermelha e dourada tipo ghagra, um xale de seda cobrindo o cabelo, uma corrente de rubis faiscantes em volta do pescoço e, na parte de cima do braço, poonchees, braceletes pesados de ouro e prata.”

Me decepcionei um pouco ao descobrir mais sobre a morte de Oliver (marido de Eliza), no início do livro a autora me deixou muito curiosa porque a personagem não falava muito a respeito e, quando o fazia, tinha um certo receio. Mas antes da metade da obra essa informação foi jogada de uma forma que eu achei muito bruta, para quem não falava nada a respeito eu imaginava algo mais interessante.

Tirando isso, gostei ainda mais de Antes da Tempestade do que do primeiro livro da autora. A história tinha muito mais detalhes e mistérios a serem desvendados e a cada página virada uma nova emoção tomava conta de mim. O local onde a história se passa também parece muito mais interessante e bonito (apesar da pobreza retratada), os detalhes são tão minuciosos que é muito fácil se imaginar lado a lado com os personagens. Até o cheiro conseguimos sentir em algumas passagens.

“Ela se virou e encontrou Jayant, vestido com um angharki, uma jaqueta escura, com uma fenda profunda na parte da frente e costura dourada. Os dentes, em contraste com a pele brilhosa e os lábios escuros, pareciam ainda mais brancos, e as pequenas rugas no canto dos olhos ficavam ainda mais profundas quando ele sorria. O príncipe estava de pé, absolutamente imóvel, olhando-a fixo, e o momento que passaram se encarando foi um tanto longo demais. Quando ele piscou, Eliza se deu conta de que aquele homem tinha algo de verdadeiramente autêntico, que a tocava profundamente. [...]”

Cada vez mais me apaixono por esse gênero e a autora já está na minha lista de favoritos. Antes da Tempestade tem uma leitura fluida e por vezes intensa, mas com certeza vale cada palavra. Com quatro livros publicados no exterior, mal posso esperar até que os outros dois sejam publicados no Brasil.
Alessandra
Alessandra

Amo assistir séries, ouvir músicas e ler livros, muitos livros. Minha série preferida de todos os tempos é FRIENDS, quanto a música escuto um pouco de tudo, e tenho tantos livros preferidos que gastaria um ano inteiro fazendo uma lista. Como hobby faço Engenharia... rsrsrs. Um dia vou viajar pelo mundo inteiro, mas por enquanto só vivo nos meus sonhos mesmo. :P

16 comentários:

  1. Olá Alessandra!
    Desde que vi o lançamentos desse livro e comecei acompanhar resenhas dle tenho mto interesse em ler, eu gosto mto do gênero tbm o que ajuda mto, algumas resenhas foram bem negativas em relação á obra, mas nd q me desanimasse de ler, espero ter uma oportunidade de ler em breve.
    Bjs!

    ResponderExcluir
  2. Oiii! eu já tinha visto este livro, porém não havia me interessado por ele, mas depois de ler sua resenha e de ver os quotes apresentados no texto, fiquei bastante curiosa para saber mais sobre o livro, e até conhecer mais a tradição e cultura deste lugar!! Quero saber tbm como ocorreu a morte do marido dela, e saber mais sobre esse possivel romance entre ela e Jayant!

    ResponderExcluir
  3. Namoro este livro já tem um bom tempo,mas admito que esta é a primeira resenha positiva que leio sobre ele. Todas que li foram unânimes em afirmar o quanto o primeiro livro é melhor. Mas como não li nenhum dos dois, espero fazer isso em breve.
    Sou apaixonada por romances de época e todos falam também da maestria das letras da autora.
    O amor e a miséria, acho que é meio tudo isso.
    Lerei!
    Beijo

    ResponderExcluir
  4. O livro nos dá a oportunidade de explorar juntamente com a Eliza, uma mulher independente, novos horizontes e seus costumes... Bem como eles são encarados!

    ResponderExcluir
  5. Oi Alessandra!
    Adoro romances de época mas sempre gosto mais quando vejo os fatos históricos retratados mais fielmente, de forma que nos transporta para a época.
    Uma pena a morte de Oliver ter sido retratada de maneira bruta, mas que bom que de modo geral o livro foi bom. Provavelmente irei ler o livro mas antes tenho que acabar uma lista que tenho pela frente ahauhauh
    Bjs

    ResponderExcluir
  6. O Perfume da folha de chá esta na minha lista de compras. E agora esse, adoro mistério e esse tem, deixa a trama mais ágil e interessante, nem percebemos o quanto já lemos. Curiosa com esses costumes que deixou a personagem perplexa, gosto de conhece-los. A leitura é bem interessante ainda mais com o cenário detalhado e a veracidade nos fatos.

    ResponderExcluir
  7. Oi Alessandra.
    Esse livro eu já tinha visto ótimas resenhas e notas em alguns igs e fiquei muito interessada no livro que já até coloquei na minha lista de desejados.😍

    ResponderExcluir
  8. Olá Ale!!!
    Eu fiquei muito curiosa em conhecer a autora quando li sobre "O Perfume da Folha de Chá" e a minha curiosidade foi mais ativada quando li sobre esse livro também.
    A história é muito chamativa e pensar em uma história passada em um país diferente e que sim sabemos de algumas coisas de lá atiçam a curiosidade.
    Amei a resenha!!!

    lereliterario.blogspot.com

    ResponderExcluir
  9. Eu tenho o Perfume mas n li, quando saiu esse fui louca pra comprar mas acabei srndo freiada pelas críticas negativas.. não que isso mate minha vontade mas deu temporariamente uma esfriada. A cada novo comentário positivo assim como o teu eu animo. Enfim sao livros com temática baseadas no oriente e oriente médio que me atraem valendo. São história lindas, sensíveis e cheias de mensagem

    ResponderExcluir
  10. Alessandra!
    Tantos questionamentos, né? Só lendo para saber.
    Muito bom quando não esperamos muito de um livro e nem conhecemos e autora e acabamos nos surpreendendo de forma positiva com a história e o próprio romance.
    Pena que nada é tão perfeito e o fato da autora simplesmente jogar de qualquer jeito como o esposo morreu, realmente decepciona um pouco.
    Bom final de semana!
    “Os lírios não bastam. As leis não nascem das flores. Meu nome é luta, e escreve-se na história.” (Luciana Maria Tico-tico)
    cheirinhos
    Rudy
    TOP COMENTARISTA MARÇO: 3 livros + vários kits, 5 ganhadores, participem!
    BLOG ALEGRIA DE VIVER E AMAR O QUE É BOM!

    ResponderExcluir
  11. Olá! Estou doida pra ler esse livro, amo romance de época, tenho O Perfume da Folha de Chá, porem ainda não li, fila está enorme, essa resenha me deixou ainda mais curiosa em conferi logo a escrita dessa autora.
    Bjs

    ResponderExcluir
  12. Oi Alessandra!
    A princípip quando vi o livro não me interessei tanto, mas depois de ler algumas resenhas percebi como é apaixonante. Já sei que a narração do livro é dividida em três partes, e acredito que assim o romance entre os protagonistas surgiu gradativamente, o que é um ponto positivo. Ah, por ser romance de época a Eliza é uma mocinha bem a frente do seu tempo né? A história parece mesmo encantadora.
    Beijos

    ResponderExcluir
  13. Antes de tudo, preciso expor meu amor à primeira vista por essa capa. QUE LINDA!

    Oi Alessandra, tudo bem? :)

    Bem, eu não conheço a autora, o que me parece ser uma pena visto que você a elogiou tão bem. Eu tenho um caso de amor e ódio por romances de época, que para me cativarem ter que ser O LIVRO, sempre! Eu me envolvo com muita facilidade com a narrativa que é exposta pelos autores e pelo habitual e genuíno romance que fica no ar ao decorrer das páginas.
    Achei bem interessante a localidade no qual é construída a narrativa desse livro, o que o torna bem instigante para conferir, visto que poucos livros de romances de época abordariam tais localidades, como a Índia.
    Com certeza, devido à sua crítica nessa resenha, procurarei ler livros da autora logo que possível for.

    Ótima resenha e até mais ;**

    ResponderExcluir
  14. Acho a capa desse livro linda, e sempre li resenhas negativas sobre esse livro e é bom agora ler uma que seja positiva, pois nunca quis lê-lo por causa delas, mas a história parecia tão linda.
    Acho importante retratar um pouco da pobreza pois é algo muito comum na Índia e isso torna a história um pouco mais verídica.

    ResponderExcluir
  15. Já tinha visto algumas outras resenhas desse livro e tinha colocado ele na minha lista de leitura, primeiro porque é um romance de época e segundo porque não conhecia a autora e quase todas as resenhas que li foram todas positivas. Não sei se é impressão minha mas esse livro passa mais pra um romance histórico que um romance de época né, tô curioosa pra ler.

    ResponderExcluir
  16. Parece ser um romance lindo e cheio de reflexões e cultura!
    Também quero ler O perfume da folha de chá.
    Ai tô curiosa pra saber como o marido da Eliza morreu agora kkkkk
    bjs

    ResponderExcluir

Agradeço muito sua visita e peço que participe do blog, deixando um recadinho. Opiniões, idéias, sugestões, são muito importantes para fazer o blog cada vez melhor!
Assim que possível, retribuirei a visita.

Beijos, Julia G.